Medidas do governo canadense refletem autodestruição do Ocidente

Da esquerda para a direita o Ministro da Defesa, Harjit Sajjan, a Ministra do Desenvolvimento Internacional, Marie-Claude Bibeau, o Primeiro-Ministro Justin Trudeau e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Stephane Dion

Em fins de janeiro deste ano a grande mídia veiculou com simpatia as declarações do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau [na foto acima] sobre a acolhida que promete fazer aos chamados “refugiados”. Muçulmanos em sua maioria, muitos deles tiveram sua entrada proibida nos Estados Unidos. “A diversidade é nossa força”, dizia Trudeau, em mensagem transmitida por ele no Twiter.

No dia 8 de março, quando o mundo oficial, midiático e feminista comemora o “Dia internacional da mulher”, o governo canadense, através da ministra do Desenvolvimento Internacional, Marie-Claude Bibeau [na foto acima], assegurou que gastará nos próximos três anos 650 milhões de dólares para que o acesso ao aborto seja facilitado nos chamados países em desenvolvimento. Segundo a mesma mensagem, o governo espera que esse dinheiro também seja usado em educação sexual e na difusão de anticoncepcionais. Segundo Trudeau, a iniciativa visa dobrar o financiamento existente para a “saúde sexual e reprodutiva”.

Depois de tal notícia, vários grupos antiabortistas já começam a mostrar sua indignação, pois fica cada vez mais claro que o termo “saúde sexual e reprodutiva” nada mais é que o incentivo e financiamento do aborto.

Não deixa de ser interessante que essa notícia tenha sido divulgada no “Dia internacional da mulher”. Com efeito, tal comemoração surgiu no contexto da Revolução russa de 1917, quando no dia 8 de março se organizou uma grande marcha de “trabalhadoras” na qual já aparecia — transportada para o campo identitário sexual rumo ao utópico igualitarismo pleno — o caráter feminista, ou seja, a “luta de classes” proposta por Marx, gérmen das insanas reivindicações dos nossos dias sobre a igualdade de gêneros.

As atitudes do governo canadense podem parecer até mesmo contraditórias, mas não o são e, aliás, reproduzem perfeitamente a situação política ocidental, sobretudo da Europa. Em resumo, os governos não só acolhem como incentivam a vinda dos chamados “refugiados”, jovens do sexo masculino e de religião muçulmana, portadores de uma cultura muito diferente da ocidental. Por serem considerados refugiados, gozam de estatuto privilegiado e recebem financiamento estatal, com o qual mantêm família (às vezes com várias mulheres) e filhos, além de praticarem livremente a sua religião. Em contrapartida, as leis dos países ocidentais são cada vez mais abrangentes quanto ao aborto, à eutanásia e à chamada igualdade de gêneros, sendo infelizmente seguidas por muitos ocidentais que são cada vez menos cristãos e mais preocupados com o próprio prazer e gozo da vida, portanto hedonistas.

Se considerarmos que no Ocidente as pessoas têm cada vez menos filhos, que as aulas de “educação sexual” são um verdadeiro doutrinamento sobre as piores perversões, e que a instituição familiar está em franca decadência; se pensarmos em valores puramente humanos e naturais, é certo que teremos um Ocidente com ampla maioria de muçulmanos nos próximos anos.

Portanto, existe uma mentalidade suicida no Ocidente. É a velha Europa de passado tão glorioso que pede a eutanásia, é o jovem Canadá de proporções continentais que financia não só o aborto de seus filhos, mas também de seus irmãos mais pobres… oh tragédia!

Não podemos ter ilusões: esta é a situação “nua e crua”. Porém, devemos recordar que no mesmo ano em que começava a Revolução russa, a mais nobre das Rainhas visitou Portugal… E Ela disse em Fátima: “Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará!”.

 


1 comentários em "Medidas do governo canadense refletem autodestruição do Ocidente"

  1. Geraldo   17 de março de 2017 at 11:06

    “A DIVERSIDADE É A NOSSA FORÇA”, dizia Trudeau, em mensagem transmitida por ele no Twiter.
    “A ESCRAVIDÃO SERÁ NOSSO CASTIGO”, não disse Trudeau no Twitter, por não avaliar o perigo de acolher os muçulmanos e outros grupos anticristãos que nos odeiam e em breve escravizarão os canadenses, traidos na surdina por quem os deveria proteger!
    Perguntem à França e à Alemanha – não aos governantes, como à esquerdo-vendida à NOMerkel ou ao Hollande – que acham de os governos de viés socialistas repletarem o país de seus inimigos!
    Aproveitem a oportunidade e perguntem do por que do Viktor Oban não ser otario e ceder ao multiculturalismo – eufemismo de dominação pelos islâmicos para disfarçar a realidade, ou de seus socios esquerdoides da NOM-União Europeia(para eliminação das nações, as quais se tornarão apenas um só estábulo)!
    Bem possível que por trás disso os petrodolare$ da A Saudita de mais milionarios filhos da deusa lua Alah estariam abastecendo de polpudas quantias para que iludisse o povo com embustes, contribuindo para suas campanhas políticas, seria isso?
    Há também mais lógica ainda se for o castigo destinado ao Ocidente tao er preferido o modernismo das ideologias e se afastado do Senhor Deus verdadeiro; dessa forma, preferiu se apoiar em vãs esperanças a partir da tecnologia ou o que for para complementar o vazio de cada um decorrente do abandono da fé!
    Infeliz e lamentavelmente até Roma tem dado forças para as esquerdas e ao Islã, cada vez mais avançando na agenda da NOM, as quais são no momento aliadas dos muçulmanos por ambos desejarem suprimir o cristianismo e tudo o mais referente ao tronco judaico-cristão católico, em especial
    O resultado será de, em breve, todo o aparato canadense ser controlado pelas esquerdas e/ou seus socios muçulmanos, e o Canadá se tornar réplica dos países em que o terror islãmico cada vez mais vai tomando conta – e ai dos anfitriões que se revoltarem contra eles!
    E ainda instala na Defesa um Harjit Sajjan de pano na cabeça que ajudará no processo de entrega do Canadá mais rápido à NOM – Vá fundo Trudeau, seja reedição de Hollande-Merkel!
    “Entretanto, ninguém poderá acusar {o povo}, nem o repreender, mas eu censuro a ti, ó sacerdote.
    Tu tropeçarás em pleno dia, assim como o profeta durante a noite. Far-te-ei perecer,
    porque meu povo se perde por falta de conhecimento; por teres rejeitado a instrução, excluir-te-ei de meu sacerdócio; já que esqueceste a lei de teu Deus, também eu me esquecerei dos teus filhos. Os 4 4-6.
    Onde andam os pastores em geral para prevenirem o povo desses caóticos e catastróficos?
    Ficarem falando só dos efeitos sucedendo como talvez mais de 95% deles, como sempre ouço, porém, não esclarecendo as causas e muito mais ainda os promotores – o principal, como foram os PCs no Brasil – é se omitirem, traindo a fé e o povo!

     
    Responder

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado