Grande Inquisidor de Granada, Arcebispo de Lima e missionário, consolidou a Religião Católica em grande parte do continente sul-americano.

Turíbio nasceu de pais nobres na cidade de Mayorga, na Província de León (Espanha), em 16 de novembro de 1538. Seu pai era Senhor de Mongrovejo.

De sua infância sabemos apenas que, desde pequeno votava terna devoção à Santíssima Virgem, recitando diariamente seu Ofício e o Rosário. Estudou em Valladolid e depois doutorou-se em Direito pela famosa Universidade de Salamanca.

Embora fosse leigo, o rei Felipe II nomeou-o aos 30 anos Inquisidor Mor de Granada. Era o momento em que D. João d’Áustria acabava de apaziguar a insurreição dos mouriscos. Os vencidos encontram no Inquisidor um pai, um conselheiro, um protetor.

São Turíbio exerceu esse cargo durante cinco anos com uma integridade, prudência e virtude tais, que lhe granjearam a estima geral, sobretudo a do Rei Católico.

Ora, foi quando, em 1575, falecendo o primeiro bispo de Lima, era preciso mandar logo um substituto, pois a situação na Cidade dos Reis –nome que Pizarro deu à capital do Peru– era muito delicada. A riqueza das novas terras havia atraído para a colônia muitos aventureiros gananciosos que viviam sem lei nem Deus. Por isso, era necessário um pastor de virtude comprovada e pulso firme. O rei Felipe II, que era um perfeito conhecedor dos homens, servindo-se de um privilégio que tinham os reis naquele tempo, nomeou então Turíbio de Mongrovejo para Arcebispo de Lima e Metropolitano do Peru.

Turíbio ficou perplexo com esse ato. Julgava que não tinha preparação alguma para tal cargo. Era leigo, nunca havia recebido nenhuma das ordens eclesiásticas, nem estudado teologia. Escreveu então ao conselho do rei mostrando com cores muito fortes sua incapacidade para o cargo, e alegando sobretudo os cânones da Igreja, que proibiam expressamente nomear leigos para o episcopado.

Nada disso surtiu efeito. O rei permaneceu inamovível, e Turíbio teve que ceder, consolando-se com o pensamento de colher a coroa do martírio no meio dos selvagens do Novo Mundo.

O santo recebeu então as ordens menores e maiores, sendo ordenado sacerdote e sagrado bispo, embarcando para o Novo Mundo. Turibio tinha então 43 anos.

Lima, capital do império espanhol na América do Sul, fora fundada pelo conquistador Francisco Pizarro em 1535. Em 1546 foi elevada a bispado, sendo seu primeiro bispo o dominicano Jerônimo de Loayza, que faleceu em 1575.

São Turíbio tinha em mente levar avante em sua arquidiocese as prescrições do Concílio de Trento, celebrando sínodos, reformando o clero, organizando missões, erigindo igrejas e evangelizando os índios. Para isso contava com uma prudência consumada e um zelo ativo e vigoroso. Sabia aonde levar o remédio e, se a chaga exigisse rigor, também empregá-lo.

Desse modo lançou várias excomunhões onde se fez necessário: contra os sacerdotes que se desviavam de sua missão e se entregavam à boa vida ou ao comércio; contra o colonizador espanhol que maltratava e escravizava o índio entregue à sua custódia; e mesmo contra o vice-rei, que opunha obstáculos ao seu ministério.

Tudo isso com um espírito sobrenatural surpreendente, pois o novo arcebispo, antes de agir, jejuava e rezava para atrair a misericórdia divina sobre as almas confiadas a seus cuidados.

A maior parte dos índios de sua arquidiocese estava mergulhada nas mais infames desordens. A bebedeira só cessava quando não tinham mais o que beber. E a indolência em que viviam era mãe de todos os vícios, alimentada por sua vez pela mais completa promiscuidade de vida.

Para tornar mais efetivo seu apostolado entre eles, São Turíbio, apesar da idade, estudou a língua quíchua tão cuidadosamente, que se tornou capaz de a falar correntemente. Procurava os silvícolas nas selvas, nas montanhas, enfrentando feras, neve, chuva e todos os outros inconvenientes para levar-lhes a palavra divina. Construía igrejas e colocava nelas sacerdotes de virtude comprovada para consolidar os frutos produzidos.

Os pecadores públicos, que antes ostentavam seus vícios pelas ruas da nova metrópole como em terreno conquistado, encontraram no arcebispo uma verdadeira barreira para seus desmandos. Cabia-lhes converter-se ou abandonar a cidade.

Até a chegada do virtuoso vice-rei Francisco de Toledo, São Turíbio sofreu perseguição por parte dos governadores do Peru, que tudo sacrificavam para atender a seus próprios interesses.

Em 1591 São Turíbio fundou o primeiro seminário da América Latina, dotando-o de bons professores para formarem sacerdotes sábios e virtuosos.

Em pouco mais de 20 anos ele celebrou 15 sínodos diocesanos e em quatro ocasiões reuniu os bispos da América meridional. Visitou duas vezes todo o território sob a sua jurisdição, que na época compreendia grande parte do continente sul-americano.

São Turíbio morreu numa Quinta Feira Santa, dia 23 de março de 1606, quando fazia sua terceira visita pastoral pela sua extensa diocese. Quando adoeceu gravemente, desejou ser transportado a uma igreja para receber o viático, pois não queria que Nosso Senhor fosse obrigado a ir até seu quarto. Mas teve que resignar-se a receber os últimos Sacramentos em seu leito, antes de ir receber no Céu a recompensa demasiadamente grande que Nosso Senhor reserva para os que O amam.

Gostaria de receber as atualizações em seu email?

Basta digitar o seu endereço de email abaixo e clicar em “Assinar”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here