África dá lições a Biden: “não patrocine o aborto” aqui

0
171

ÁFRICA, 1º de fevereiro de 2021 (LifeSiteNews) – Um grupo de africanos apelou aos EUA O presidente Joe Biden em um vídeo poderoso para não financiar o aborto em seus países.

Ekeocha disse no vídeo que o “grito unificado” no coração do povo africano quando se trata de ajuda externa é simplesmente .

África dá lições a Biden: “não patrocine o aborto no Continente”

“O vídeo, intitulado Uma Mensagem para o Presidente Biden: As Vozes Unificadas da África, foi lançado na semana passada em resposta ao anúncio do governo Biden de que iria repetir a “Política da Cidade do México”, que restauraria a ajuda estrangeira às organizações envolvidas no aborto.”

“Apelamos a Joe Biden, por favor, não patrocine o aborto na África”, afirma uma mulher chamada Ujunwa, que é professora universitária no vídeo divulgado pela Culture of Life Africa.

Declarações de africanos pró vida

“Uma estudante chamada Ellen afirma no vídeo que o aborto é contra a cultura africana. “Na minha cultura, apoiamos a vida do início ao fim. Sou contra o aborto porque o aborto é matar bebês inocentes no ventre de suas mães ”, disse ela, acrescentando que é“ contra o financiamento do aborto na África por qualquer país estrangeiro ”.

“Uma médica chamada Ursula deixou claro que a África não “precisa” ou “quer” o aborto. “Não quero que os Estados Unidos da América e este governo atual financiem abortos na África. Nunca precisamos de abortos e não os queremos. “”

“Obianuju Ekeocha, um ativista de direitos humanos nascido na Nigéria e fundador da Culture of Life Africa, disse no vídeo que a revogação de Biden da política da Cidade do México é “horrível” porque significa que as organizações que oferecem abortos – como a International Planned Parenthood Federação, Marie Stopes International e DKT International – agora receberão financiamento para ajudar a “eliminar” os africanos.”

“Isso significa a eliminação do meu povo. Isso significa a morte e o assassinato do mais inocente dos bebês africanos em gestação”, disse ela.

Confirma o ensinamento do Prof. Plinio: a Revolução nasceu no Ocidente cristão

Com quanto acerto esses africanos impugnam a mentalidade relativista, concessiva, revolucionária que impera em tantos setores do Ocidente. Notadamente agora, durante o governo Biden.

Africanos se queixam do Ocidente, da pressão que recebem para atentar contra os valores morais, exatamente aqueles que lhes foram ministrados pelos missionários católicos durante a colonização.

Escreveu o Prof. Plinio em seu livro Revolução e Contra-Revolução:
“Essa crise é principalmente a do homem ocidental e cristão, isto é, do europeu e de seus
descendentes, o americano e o australiano. E é enquanto tal que mais particularmente a
estudaremos. Ela afeta também os outros povos, na medida em que a estes se estende e neles criou
raiz o mundo ocidental. Nesses povos tal crise se complica com os problemas próprios às
respectivas culturas e civilizações e ao choque entre estas e os elementos positivos ou negativos da
cultura e da civilização ocidentais.”

Dizem os africanos: “A força motriz para esses líderes ocidentais é seu desejo de propagar sua ideologia (revolucionária) que eles acreditam ser de fato superior”, disse uma africana.

“Eu vejo isso como uma forma de supremacia ideológica pela qual nossas culturas pró-vida, pró-família e pró-fé são consideradas inferiores às ideologias ‘progressistas’ ocidentais, especialmente em questões relacionadas à sexualidade humana e à moralidade sexual”, ela continuou.

Exatamente isso: os progressistas ocidentais são de esquerda. Os democratas americanos são de esquerda, são contra a vida, são pelo aborto. E, outras pressões progressistas virão contra os Valore Morais.

Os progressistas ocidentais entram pelo “portal da pobreza”

“A África é a região mais vulnerável onde esses líderes veem um portal de entrada que é a pobreza generalizada e a triste realidade da dependência da ajuda das nações africanas. Somos o fruto mais pobre, as conquistas fáceis para líderes ocidentais como Biden para impor sua visão de mundo e sua ideologia, mesmo quando eles se opõem ao nosso próprio modo de vida ”, acrescentou.

Os africanos afirmam no vídeo que o que as pessoas de seus países precisam não é de aborto, mas de educação, treinamento vocacional, saúde e até mesmo necessidades básicas como comida e água potável.

***

Essas palavras dos africanos soam como uma queixa e uma reprovação ao Ocidente ex cristão, aos democratas de esquerda e a todos os progressistas dito católicos.

É como se o filho viesse admoestar os seus próprios pais.

“A questão agora é: o presidente Joe Biden nos ouvirá? Ele vai reconhecer a voz do povo africano? Ele respeitará os gritos do coração do africano comum? Ou será apenas o mestre neocolonial como muitos outros líderes ocidentais? Será ele quem vai impor suas próprias ideias e ideologias no mundo dos pobres ”, acrescentou.

A questão da hereditariedade das tradições

Continua Ekeocha: “As culturas africanas, por exemplo, acreditam nas linhagens, que eu sou o produto dos meus ancestrais e carrego o sangue dos meus ancestrais. Então, imagine como sociedades assim, que acreditam tão fortemente no fato de que nós, no presente, estamos conectando o passado às gerações futuras – então, as gerações passadas (sendo conectadas) às gerações futuras através da vida humana – então rejeitará completamente o aborto porque você vê isso como uma quebra nesse tipo de linhagem de sangue. “

Isso é propriamente a doutrina da hereditariedade familiar tão própria da Civilização Católica que Biden e a Revolução progressista querem destruir.

“Os africanos também acreditam fortemente no fato de que o bebê no ventre já está vivo, o bebê no ventre é humano”, disse ela, acrescentando que muitos africanos dão nomes aos filhos antes do nascimento.

Que Nossa Senhora proteja a África desse plano antinatural, revolucionário, anticatólico de incentivar o aborto naquele continente.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/help-us-dont-kill-us-africans-plead-with-biden-to-not-fund-abortion-in-their-countries

Deixe uma resposta