13 de Março: o dia em que a esquerda perdeu a partida da popularidade

Paulista Joice
13 de março de 2016: avenida Paulista, São Paulo

Estive na Av. Paulista neste Domingo 13 de Março. E posso garantir, pelo que me foi dado observar, que a esquerda perdeu, mesmo, a partida da popularidade.

Ali estava uma amostra gigantesca do Brasil (mais de um milhão e 400 mil pessoas, segundo a Polícia Militar – foto ao lado).

Era a reprodução do que se deu neste dia em centenas de cidades de Norte a Sul do Brasil e com números muito impressionantes!

A começar pelo Rio de Janeiro, em que a orla de Copacabana foi literalmente tomada pela multidão estimada em um milhão de pessoas (foto abaixo).

O que dizer de Fortaleza, de Salvador, de Belém, de Curitiba, de Porto Alegre, de Natal, de Maceió, de Brasília, de Vitória, de Goiânia, de Campo Grande, de Recife, de Florianópolis e de tantas outras cidades com números igualmente impressionantes?

Cordialidade e distensão

Pessoas de todas as idades, das mais diversas condições e classes sociais, dos mais variados graus de cultura, de todas as origens raciais, irmanadas num imenso NÃO ao PT, a seus personagens principais Lula e Dilma e a tudo o que estes e a sigla representam. “Nossa bandeira jamais será vermelha” era o brado de muitos e a certeza de todos.

O ambiente era distendido e familiar; a cordialidade estava presente em todos; os cumprimentos efusivos entre amigos que se encontravam eram reveladores; os protestos eram firmes, convictos mas não raivosos; as forças policiais eram saudadas com afeto e admiração; não havia distúrbios nem agitação; tudo transcorria num ambiente ordeiro e civilizado.

A cegueira da esquerda

Rio de Janeiro 13 Marco
13 de março de 2016 no Rio de Janeiro, Copacabana.

A esquerda, aprisionada nos labirintos mentais de suas utopias, tem uma dificuldade fundamental: entender a realidade!

Em sua delirante perspectiva de luta de classes, ali estão nas ruas milhões de “coxinhas” (coCHinhas, segundo a literacia de Rui Falcão), injustos detentores de privilégios, contra os defensores dos pobres (os petistas?!).

A esquerda não entende que ali está o Brasil autêntico, ordeiro e pacato, o Brasil honesto e familiar, que trabalha e almeja por um sadio progresso dentro de uma harmonia de classes.

O Brasil que não se deixou convencer nem enredar pela ideologia de esquerda.

Durante algum tempo, é verdade, esse Brasil, um tanto otimista e desavisado, deixou-se embair ou intimidar pelas peças publicitárias de um marketing político falacioso e pelas benesses passageiras de uma bonança econômica e concedeu ao PT alguns êxitos eleitorais.

E a esquerda confundiu resultados das urnas com a conquista de mentes e corações.

Não queremos uma nova Venezuela no Brasil.Mas, à medida que o PT se foi assanhando em dominar o Estado, corromper as instituições, deturpar os processos políticos e eleitorais (coadjuvado por uma oposição fraca), implantar políticas autoritárias e imorais, o Brasil de profundidade começou a afastar-se da esquerda. Foi silenciando.

E muitos – inclusive do centro e da direita – confundiram este silêncio com desinteresse pela vida pública.

Não entenderam que, no fundo das mentalidades, germinava um enorme descontentamento.

O Brasil se levanta como um todo

Não vou estender-me. As ruas – uma vez mais – estão aí e não deixam margem a dúvidas. Elas revelaram que o Brasil não está dividido, mas, pelo contrário, o Brasil se levantou como um todo só contra uma minoria que é avessa a sua índole: “eu quero meu País de volta”, diziam muitos.

A esquerda petista, entretanto, continua cega!

E, acrescento: não só ela, mas boa parte do mundo político está desnorteado e sem bússola. E não apenas por causa da Lava Jato. Não consegue medir e avaliar o que está acontecendo na profundidade das fibras do espírito nacional e, por isso, fica impossibilitado de dirigir os acontecimentos.

Pode continuar a fazer conchavos de bastidores, mas estes, provavelmente, se esfarelarão ao serem descobertos. Quando considero alguns políticos, que agora tentam alinhar-se com o clamor das ruas, tenho a impressão de rolhas boiando no mar, ao sabor das ondas.

Cuidado com os pacatos

Plinio Correa de Oliveira advirtiu a necessidade de uma correção para os erros comunistas não voltarem
Plinio Correa de Oliveira

Plinio Corrêa de Oliveira tanto em seus escritos, como na sua atuação pública, sempre teve uma compreensão profunda da índole do espírito brasileiro, de suas características temperamentais e de suas peculiaridades ideológicas.

E o acerto de suas análises atravessa as décadas.

No início dos anos oitenta, quando a esquerda obteve alguns êxitos eleitorais, em artigo para a Folha de S. Paulo, delineava ele o significado dos mesmos e lançava uma advertência, válida para os dias que correm:

O êxito da esquerda só tem possibilidade de ser durável na medida em que ela o saiba compreender. E, analogamente, o centro e a direita só continuarão a representar um papel marcante na vida brasileira se souberem adaptar-se a tal.

Quero ser ainda mais concreto. Se a esquerda for açodada na efetivação das reivindicações “populares” e niveladoras com que subiu ao poder; se se mostrar abespinhada e ácida ao receber as críticas da oposição; se for persecutória através do mesquinho casuísmo legislativo, da picuinha administrativa ou da devastação policialesca dos adversários, o Brasil se sentirá frustrado na sua apetência de um regime bon enfant de uma vida distendida e despreocupada.

160313 Brasilia
13 de março de 2016 em Brasília.

Num primeiro momento, distanciar-se-á então da esquerda.

Depois ficará ressentido.

E, por fim, furioso.

A esquerda terá perdido a partida da popularidade.

Em outros termos, se os esquerdistas, ora tão influentes no Estado (Poderes 1, 2 e 3), na Publicidade (Poder 4) e na estrutura da Igreja (Poder 5), não compreenderem a presente avidez de distensão do povo brasileiro, deixarão de atrair e afundarão no isolamento. Falarão para multidões silenciosas no começo, e pouco depois agastadas. (…)

O Brasil de hoje quer absolutamente pacatez.

Se a esquerda vitoriosa não souber oferecê-la, esvanecer-se-á. Se o centro e a direita não souberem conduzir sua luta num clima de pacatez, terá chegado a vez deles se esvanecerem.

Bem concebo que algum leitor exasperado me pergunte: mas, afinal, quem ganha com essa pacatez?

– Até aqui não tratei disto. Mostrei que perderá quem não a souber ter.

160313 Maceio
13 de março de 2016 em Maceió.

Quem ganhará: a direita? o centro? a esquerda? – Quem conhecer as verdadeiras fibras da alma brasileira e souber entrar em diálogo pacato com essas fibras. Seja governo, seja oposição, pouco importa. A influência será de quem saiba fazer isto.

Insisto. Se o governo, a Publicidade, a estrutura eclesiástica não souberem manter-se no clima de pacatez, e passarem para a violência física, legal ou publicitária contra a oposição, os pacatos lhes dirão: mas, afinal, qual é a sinceridade, qual a dignidade de vocês, que quando eram oposicionistas reclamavam para si liberdade e respeito, e agora que são governo usam da perseguição e da difamação para quem é hoje oposição?

160313 Paulista
13 de março de 2016: avenida Paulista, São Paulo

E se os pacatos notarem acrimônia nos de centro e de direita, dir-lhes-ão: está bem provado que é impossível conviver com vocês, porque, nem vencidos, sabem ser de um trato distensivo.

E cuidado com os pacatos que se indignam, senhores da esquerda, do centro e da direita. A hora não é para carrancas, mas para as discussões arejadas, polidas, lógicas e inteligentes. Os pacatos toleram tudo, exceto que se lhes perturbe a pacatez. Pois então facilmente se fazem ferozes…

(“Cuidado com os pacatos”, Folha de S. Paulo, 14.12.1982).

 

6 COMENTÁRIOS

  1. A Bandeira do Canadá, da Suiça, da Dinamarca , etc são vermelhas. Essas manifestações foram insufladas pela imprensa e pela PF através da condução coercitiva e do pedido de prisão preventiva do Lula pelo MP paulista – atos totalmente despropositados feitos para manipular as massas para fomentar o golpismo. Se não fossem esses acontecimentos essas manifestações seriam um fracasso. Tudo muito bem arquitetado pelos golpistas maçons que querem tomar o poder a todo custo.

     
  2. PRATICAMENTE OBTIDO O MASSACRE DAS ESQUERDAS, SEM AJUDA DE NOSSOS ECLESIÁSTICOS…
    QUE VERGONHA!
    DEVERIAM TER SIDO OS ARAUTOS DESSE PROCESSO!
    São muito poucos os que se empenharam nisso, contados nos dedos, a 1/2 dúzia de sempre entre eles, pelo menos na net; apenas sites, como o ipco e outros compromissados com a verdade do Evangelho e nada afeitos a ideologias sempre se mantiveram atentos os denunciando!.
    Os leigos praticamente tomaram as rédeas de exorcizarem os comunistas, pestes mortais com tão bem os definiu o papa Leão XII na QAM, correspondente ao que merecem: legiões infernais sob aparências humanas; temos sempre que reagir ás investidas desses vampiros!
    Como o texto abaixo os enquadra:
    “Não siga pela vereda dos ímpios
    nem ande no caminho dos maus.
    Evite-o, não passe por ele;
    afaste-se e não se detenha.
    Porque eles não conseguem dormir
    enquanto não fazem o mal;
    perdem o sono
    se não causarem a ruína de alguém.
    Pois eles se alimentam de maldade,
    e se embriagam de violência. Pro 4 14-17.

     
  3. A esquerda, sempre muito competente na missão que justifica sua existência – destruir países e nações – achou que já havia ganho o Brasil. Ledo engano. Ninguém se importa mais com os bordões e rótulos que resumem o discurso vermelho: “coxinha”, “golpista”, “reaça”, “fascista”, dentre outros “mimimis” que não me recordo (e nem quero, pois tenho coisa muito mais importante pra me lembrar). Ninguém liga mais para tais “ofensas”, pois os brasileiros perceberam que tais palavras são exatamente como aqueles que as bradam o tempo todo: vazias. Eis aí o desespero dos vermelhos. Eu acho é pouco.

     
  4. Tal acontecimento, Senhores, é só mais uma prova de q o “Partido” Brasil é a razão de ser e, principalmente, de existir de todos os q verdadeiramente o amam como o fora e deverá permanecer, ou seja, a Pátria de todos e n~ somente de alguns, dos “quadrilheiros” empoleirados, dos cúmplices, dos asseclas, dos apaniguados e, por incrível q possa parecer, dos cooptados e q se dizem “defensores”(?) da democracia, como se este termo tivesse o significado ao sabor e, mais q isto, da vontade de uns poucos farsante, mentirosos, dissimulados, para n~ ir-se mais longe e, o pior e mais grave, em detrimento da maioria MAIOR de brasileiros homens e cidadãos de bens. Tenho dito.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome