A tragédia de Paris

card_atentado_paris

Ontem com o Nazismo, hoje com o Islã, Paris, a antiga capital dos Reis Cristianíssimos, a cidade com uma missão histórica na Cristandade é, uma vez mais, alvo da barbárie.

Um artigo escrito em 1941 pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, quando as tropas do neo-paganismo nazista, humilhavam Paris, parece em boa parte escrito para estes dias em que a barbárie islâmica vai semeando o caos, o medo e a morte na outrora Cidade-Luz.

***

A tragédia de Paris

Plinio Corrêa de Oliveira

Depois da catástrofe, um grande e sombrio silêncio se fez sobre a capital francesa. E, no Brasil, inúmeros têm sido os corações que não pensam sem angústia e sem amargura no que poderá estar sucedendo nessa cidade à qual estão tão vinculados os afetos brasileiros. (…)

Não é este o lugar nem o momento de se tentar um processo contra a cultura francesa. É certo que da França nos têm vindo muitas sementes de corrupção e de impiedade. Seja-nos lícito, entretanto, [ressaltar que] a França do século XIX, por exemplo, não produziu apenas um monstro como Gambetta, um ímpio como Renan, ou atrizes levianas como as que, nas “boites” de Montmartre, escandalizavam os viajantes do mundo inteiro. Produziu ela também um Luiz Veillot, um Ozanam, um Montalembert, um Lacordaire, e uma rosa de pureza e de candura como Santa Terezinha do Menino Jesus. Se a humanidade inteira, em lugar de se abeberar nas fontes de talento e de santidade que nunca se estancaram em terras de França, se ia dessedentar nos antros da corrupção ou nas obras dos apóstatas, de quem a culpa? Só da França? (…)

* * *

Tudo isto posto, é bem de se ver que Paris cometeu graves pecados e sofre imensos castigos. A capital da França, da filha primogênita da Igreja, foi durante muito tempo autora de escândalos sem fim. Ela se circundou de luzes, e foi chamada a Cidade-Luz. Ela se encheu de alegrias profanas, e foi chamada metrópole mundial da alegria. Em seus museus, em seus cenáculos intelectuais, em suas galerias artísticas, ela não cultuou somente a verdade, a beleza, e o bem, mas pôs seu talento ao serviço do erro, do mal e da ignomínia. Por isto mesmo, baixou sobre ela uma catástrofe apocalíptica. Apagaram-se as luzes da Cidade-Luz. Silenciaram os cânticos joviais de seu povo sempre alegre. (…) A ruína em que está Paris lembra, ponto por ponto, as grandes desgraças que, na narração do Antigo Testamento, se abatiam sobre Jerusalém quando ela violava seus deveres.

À cabeceira dessa grande agonia, quantos profetas se têm acumulado! Na sua maioria são profetas que afetam os sentimentos de dor de Jeremias apenas para poder mais facilmente recriminar a França (…). É o lobo assumindo ares de ovelha…

Não será essa nossa atitude. Reconhecendo embora, com a tristeza com que os profetas reconheciam a culpabilidade de Jerusalém, que Paris está muito longe de ser uma cidade inocente, é com o coração pesado de amarguras, que comentamos a desgraça em que caiu. Com efeito, tinha Paris uma missão histórica na Cristandade. E sua ruína deve por nós ser chorada como os profetas choravam a ruína de Jerusalém, deixando transparecer através do pranto as esperanças e o desejo de uma ressurreição.

Se a desgraça de Paris foi merecida, adoremos e beijemos a Mão Divina que permitiu a punição. Nem por isso, entretanto, desculpemos aqueles a quem tão grande desgraça se deve. Crer nos desígnios da Providência não é, por certo, justificar, desculpar, ou ao menos atenuar toda a gravidade da infração que a desgraça de Paris representa quanto às leis da moral internacional.

* * *

A que está reduzida essa grande e tão querida cidade, essa cidade tão maior quanto mais está prostrada sob os golpes purificadores do sofrimento? Quem não vê aí a enormidade do castigo? (…)

Mas se Deus pune assim essa cidade, que punição há, com isto, para toda a Cristandade! A antiga capital dos Reis Cristianíssimos, hoje tomada pelas tropas do neo-paganismo! Do alto do céu, que dirão São Luiz e Santa Joana d’Arc?

Nessa hora de desgraça, não amaldiçoemos Paris, não batamos palmas aos que a oprimem, não nos acumpliciemos com os que a desolam. Rezemos por Paris. Se das cinzas dessa terrível penitência renascer uma cidade convertida, que mais podemos desejar para a França, que é e será sempre a Primogênita da Igreja?

Fonte: http://www.pliniocorreadeoliveira.info/LEG%20411116_ATRAG%C3%89DIADEPARIS.htm

 

4 COMENTÁRIOS

  1. Artigo belíssimo!!
    Dr. Plínio, parece que descreve a tragédia que hora presenciamos.
    Esclarecedor e emocionante.
    Que Deus tenha misericórdia da França!

     
  2. De Joelhos, suplico a São Miguel Arcanjo que extermine Os inimigos da Cristandade, lançando-os no inferno. Ainda genuflexa, imploro a São Pedro que abra os portões do inferno, como anteviu Santa Izabel Canora, para que saiam os demônios, e busquem seus agentes, os progressistas da TL e os carreguem para o abismo infernal.

     
  3. Simplesmente vou rezar e colocar no Sagrado Coração de Jesus e de Maria todas as pessoas ( terroristas e a maioria povo islâmico) para que ocorra suas conversões, cura e libertação, pois seus corações estão carentes de amor. Suplico, deixe de ceifar a vida de nossos irmãos. Tenham misericórdia.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome