Ambientalismo radical: coluna infiltrada de Putin no Ocidente

Gás de xisto tiraria força à agressividade de Putin
Gás de xisto tiraria força à agressividade de Putin

O influente jornal “Washington Post” apontou que “a mais moderna arma da Europa” contra a agressividade do presidente russo Vladimir Putin jaz enterrada sob os belos pastos de pitorescas aldeias. 

Trata-se do gás e do petróleo de xisto – ou shale gas – que a Europa possui em quantidades suficientes para livrar-se das chantagens da “nova URSS”.

Agora, muitas vozes europeias nos setores conservadores aumentam de volume pedindo essa arma pacífica. O premiê inglês David Cameron somou-se a esse coro. 

Mas não se extrai esses combustíveis da noite para o dia. Por que não o fizeram antes?

A Polônia depende de modo angustiante dos combustíveis russos, mas detém uma das maiores reservas de gás de xisto da Europa. A França já foi qualificada de Qatar do gás europeu, mas tampouco extrai e depende do gás árabe. 

Os volumes de gás na Grã-Bretanha estão sendo comparados aos do North Dakota, segundo o mesmo “Washington Post”. As reservas europeias mensuradas são apenas menores que as do EUA. Estas, sim, vêm sendo exploradas e estão mudando o jogo planetário dos recursos energéticos.

“O potencial é enorme. O recurso é muito grande no Reino Unido e na Europa”, diz Francis Egan, diretor-chefe de uma das maiores firmas especializadas no fracking, técnica para a exploração desse recurso. 

O fato é que uma campanha pertinaz do ambientalismo radical, sonolentamente acompanhada pela opinião pública, mas com forte apoio nos meios políticos oficiais, até o presente bloqueou qualquer aproveitamento sério desse maná energético e deixou a Europa de joelhos diante da ameaça russa e da instabilidade árabe.

Na Europa e também nos EUA, a bem paga militância ambientalista aprontou slogans, filmes e material propagandístico para assustar os habitantes das regiões onde se pode tirar o gás de xisto.

Ambientalismo radical serve objetivamente ao expansionismo da "nova-URSS
Ambientalismo radical serve objetivamente
ao expansionismo da “nova-URSS


Água potável envenenada, torneiras saindo fogo, etc., destas fraudes propagandísticas já nos ocupamos em diversos posts. Veja, por exemplo: Ardis cinematográficos para impedir exploração de gás de xisto

Dessa maneira, já se fala em Terceira Guerra Mundial, e a grande cartada de Putin para ameaçar o Ocidente não é a vetusta indústria bélica russa nem sua desequilibrada economia. Nem mesmo as imensas jazidas de gás e petróleo.

Essa grande cartada foi-lhe fornecida pelo ambientalismo radical que desarmou o Ocidente e o deixou preso na “corda de aço” dos dutos russos.

Um importante número de grupos ambientalistas radicais procede da metamorfose operada por organizações montadas pela URSS no Ocidente com fachadas enganadoras no tempo da Guerra Fria.

A Alemanha é talvez um dos países mais visados por esse esquema. Ela decidiu acabar com suas usinas nucleares no prazo de uma década, fato que a deixou ainda mais dependente do gás russo. 

O ambientalismo insiste nas “energias renováveis”, mas seu discurso fica incompreensível quando se constata que não há ainda tecnologia que torne esses recursos substitutos viáveis das energias convencionais.

A maior arma pacífica está no fracking, ou fraturamento hidráulico
A maior arma pacífica está no fracking, ou fraturamento hidráulico

O governo alemão estaria considerando a possibilidade de construir imensos portos para receber o gás liquefeito dos EUA, e ainda outras medidas caríssimas. Mas não age como um governo de fato soberano, pois depende da longa manus ambientalista que serve aos interesses de Moscou.

Num momento em que se joga a paz na Europa e no mundo, os defensores do fracking – a tecnologia que permite aproveitar as jazidas salvadoras de gás – tomam coragem, mais a oposição “verde” é ferina.

Por exemplo, o deputado Michael Fuchs, do partido CDU – ao qual pertence Angela Merkel –, falou em Berlim, pedindo para se prestar um pouco de atenção no fracking, Suas contas de Twitter e Facebook foram sepultadas com mensagens de ambientalistas fanatizados.

Na Polônia, país na mira do “novo-sovietismo”, as atitudes públicas em relação ao fracking estão mudando. Porém, após quatro anos de experiências, o país avançou pouco sobre suas imensas reservas. Estas poderiam satisfazer às suas necessidades domésticas de energia durante séculos.

A crise da vizinha Ucrânia estimulou novos esforços e o premiê Donald Tusk propôs uma suspensão dos impostos durante seis anos para a produção de gás de xisto. 

 

2 COMENTÁRIOS

  1. LEVA JEITO QUE PUTIN SERIA O LÁTEGO PARA VERGASTAR A IMPENITENTE E ORGULHOSA HUMANIDADE…
    Não é que que as profecias de Nossa Senhora, como as de Fátima reportam a esse assunto que, se o mundo não se converter, a Russia espalhará seus erros humanidade afora e provará do cálice da ira de Deus?
    Tenho visto Putin de uma forma diferente em que publicam em jornais e outros: como que a vara da ira de Deus para castigar a humanidade pecadora; até aí Deus toleraria esse fato dado a fragilidade humana a que submetida depois do pecado original, mas de forma alguma de querer se manter nesse estado de coisas, não se interessar em converter-se e, ainda por cima, aliar-se a seus maiores inimigos os niilistas, como os satano-comunistas, implantando oficialmente o ateísmo na terra, tendo aqui no Brasil o PT como o impostor dessa doutrina…
    Com a conivência de alienados cristãos, muitos sacerdotes calados e até da CNBB, que a essas horas deveria estar bradando, mas o Brasil está mesmo é sob a bandeira do martelo e foice e da estrela de 5 pontas, o pentagrama satânico.
    Afinal, qual caminho estamos mesmo escolhendo, senão se ser uma filial atualizada da Babilônia?

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome