“Antes morrer que nos perverter ao Islã”, dizem os católicos iraquianos

5

“É melhor morrer do que nos perverter” – afirmaram corajosamente, em entrevista ao jornal italiano Corriere della Sera –, os católicos que iraquianos que fugiram das milícias islâmicas.

A despeito de idílicas crenças e ilusões “ecumênicas”, a pérfida religião de Alá está massacrando com crueldade cristãos, além de muçulmanos considerados não suficientemente fiéis.

Os católicos, porém, manifestam uma coragem que só pode vir do Céu e que intimida os sanguinários seguidores do Corão.

Os católicos iraquianos têm em conta de “traidor” aquele que, para salvar a vida, ou propriedade e o dinheiro, pronuncia a “Shahada”, que é a declaração de conversão ao Islã.

O jornal “Corriere della Sera”, laicista e dialogante face ao islamismo, reconhece que os católicos iraquianos “demostram uma fé e uma determinação de permanecerem fiéis que, para nós europeus, pode parecer coisa do passado, uma rememoração de tempos antigos”.

Salem Elias Shannun, 57; Habib Noah, 66; Najib Donah Odish, 67, e Yohannah Kakosh, 65, contaram:

“Tentaram durante um mês. Todo dia vinham nos dizer para nos tornarmos muçulmanos. Um dia pela manhã dissemos a eles que seria melhor eles se batizarem. Então nos golpearam ainda com mais força”.

Os quatro moravam na aldeia de Batnaia, cerca de 15 km a oeste de Mosul. Após passarem 22 dias com os jihadistas que ocuparam suas casas e ficarem 12 dias presos no cárcere de Hawuja, eles acabaram chegando à cidade de Erbil.

Perto dali, no hospital de Zakho, estavam se tratando três moças muçulmanas que conseguiram fugir do mercado do sexo da zona ocupada pelos muçulmanos do ISIS. Pertencentes a seitas islâmicas diferentes, elas haviam tentado o suicídio. Uma delas morreu, pois, segundo o costume do Corão, as violentadas ou desonradas devem ser mortas pela própria família.

Os cristãos, porém, inspiram temor aos fanáticos islâmicos.

“Na primeira semana que chegaram a Batnaia, eles nos deixaram em paz, sem ameaças. Pelo contrário, até nos trouxeram alimentos e água. Na nossa aldeia, de 3.000 habitantes, ficamos apenas cerca de 40.

“Eles nos diziam para telefonar aos nossos parentes a fim de convencê-los a voltar. Depois começaram a insistir que tínhamos de nos converter. Todos fomos surrados repetidamente. E, os mais jovens, de modo prolongado”, lembram os quatro.

Eles quase choravam quando descreviam a profanação da “Mar Kariakos”, a basílica local.

“O pior de todos era um iraquiano de uns 50 anos, que se fazia chamar de Abu Yakin. Era ele que mandava seus homens nos golpear. Ameaçava-nos.

“Ele ordenou que as cruzes fossem despedaçadas na igreja, que as imagens de Nossa Senhora e de Jesus Cristo fossem decapitadas e usadas como alvos para os fuzis kalashnikov”.

Mas a apostasia estava fora de discussão. O Pe. Paolo Mekko, teólogo e pároco, que não abandonou seus diocesanos na planície de Nínive, relembra textos da história da Igreja relativos aos primeiros mártires.

A graça de Deus anima seus filhos, especialmente nos momentos mais difíceis, conferindo-lhes forças para derrotar moralmente seus adversários ou a partir para o Céu, sem necessidade de recorrer aos sofismas relativistas “ecumênicos” que nada resolvem no momento decisivo.

 

5 COMENTÁRIOS

  1. Não chame os católicos de covardes, o sangue dos mártires tem sido a sementeira de tantas conversões lindas. Nossos heróis da fé nos mostraram que seus sacrifícios não foram em vão. Assim como Pedro negou a Jesus três vezes depois mostrou uma coragem arrebatadora para testemunhar sua fidelidade.

     
  2. Os católicos são muito babacas mesmo. Diante de afrontas muito piores do que essas, nas Marchas das Vadias, os católicos se comportam como verdadeiros covardes e cornos-mansos. Mas, diante de um perigo real como o muçulmano, os católicos fingem que são muito machos. Patético. Isso é fruto do orgulho. Esse tipo de católico que quer ser mártir não passa de um tolo orgulhoso que acha que é isso que jesus quer dos fiéis: que sejam uns tremendos de uns puxa-sacos. E quando acontecem desrespeitos muito piores como os das Marchas das Vadias, os católicos parecem cachorrinhos submissos.

     
  3. Quem esses pagãos pensam que são?? São bárbaros, povo das cavernas, gente que vive no deserto e vive de camelos e de provocar atrocidades. Evidente que esses trogloditas precisam demonstrar todo seu ódio contra a civilização católica. Vou estar ao lado de seus inimigos até o fim, custe o que custar. Por Nossa Senhora!!!

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome