Mons. André-Joseph Léonard, primaz da Bélgica explicou por que não está bem amar “esse espírito franciscano beato que celebra sem matizes a beleza do cosmos”.
Mons. André-Joseph Léonard, primaz da Bélgica explicou por que não está bem amar “esse espírito franciscano beato que celebra sem matizes a beleza do cosmos”.

Mons. André-Joseph Léonard, arcebispo resignatário de Bruxelas e primaz da Bélgica, fez ressalvas a uma falsa interpretação do espírito de São Francisco de Assis e sua relação com a natureza. O prelado falou em entrevista a Le Vif/L’Express.

O arcebispo se disse “perplexo” com essa ilação de São Francisco com a natureza, porque “muitos o admiram pelo fato de que ele cantou a beleza da natureza e pregou aos pássaros difundindo uma concepção muito otimista da Criação”.

Mons. Léonard diz que o defeito não está em São Francisco, mas naqueles que tentam manipular sua imagem para passar uma mensagem ambientalista enganosa e profundamente danosa.

“Na realidade, a vida dos homens e dos animais é trágica. A vida animal é uma carnificina, um mata-mata. É muito bonito pregar aos pássaros, mas quando eles veem um verme na terra, eles o devoram. Quando um gato vê um rato, ele não lhe faz coisas muito simpáticas!”, observou.

O arcebispo continuou atraindo a atenção dos leitores para a realidade deste vale de lágrimas.

Ele agradece a São Francisco por ter louvado em seu cântico o sol, a lua, as estrelas, a água, o fogo, o vento.

Bendito sejas nosso irmão vento, exclama ele.

“Embora esse vento – prosseguiu o prelado –, quando sopra a 300 quilômetros por hora, não é um irmão muito cômodo. É antes um inimigo.

“Nosso irmão fogo, a gente o aprecia na lareira esquentando a casa, mas não incendiando as florestas. Felizmente São Francisco não abençoou nossos irmãos crocodilos e serpentes!

Felizmente ele não disse ‘Louvado sejas Tu, Senhor, por todas as tuas criaturas, especialmente pela minha senhora irmã cobra. Tu a tens dotado de músculos poderosos, de um veneno ativo e de uma língua afiada que lhe permite afogar e envenenar sua pequena vítima em questão de minutos!”.

“‘Bendito sejas nosso irmão vento’, exclama São Francisco. Embora esse vento – comentou D. Léonard –, quando sopra a 300 quilômetros por hora, é um inimigo”.
“‘Bendito sejas nosso irmão vento’, exclama São Francisco. Embora esse vento – comentou D. Léonard –, quando sopra a 300 quilômetros por hora, é um inimigo”.

Mons. Léonard esclareceu sua atitude diante da natureza dizendo que ele é um ardoroso defensor dos versículos 18 e seguintes do capítulo VIII da carta de São Paulo aos Romanos. Ali está dito que a Criação, em seu estado atual, ‘foi sujeita à vaidade’ e ‘entregue ao cativeiro da corrupção’.

“Não esqueçamos nunca isso. São Francisco canta a beleza da Criação, embora ela seja terrivelmente cruel. A Criação nos alimenta, mas também nos mata. Ela contém todos os vírus que envenenam nossa vida. Eu não amo esse espírito franciscano beato que celebra sem matizes a beleza do cosmos”, concluiu o douto arcebispo.

Como que confirmando a prudente observação do arcebispo belga, viralizou na internet a filmagem do ataque de dois tubarões brancos ao tricampeão mundial de surfe, o australiano Mick Fanning, que estava disputando uma final na África do Sul.

Na Austrália, o tubarão branco é bem conhecido como especialmente assassino, a ponto do governo sistematizar sua caça em águas territoriais.

Tubarão assassino cuja espécie e protegida multiplica mortes na Austrália

Austrália manda abater tubarões assassinos e ambientalistas fazem algazarra

Tubarão branco ataca surfista Mick Fannig na África do Sul. “Não esqueçamos nunca que São Francisco canta a beleza da Criação, embora ela seja terrivelmente cruel. A Criação nos alimenta, mas também nos mata”, lembrou o arcebispo.
Tubarão branco ataca surfista Mick Fannig na África do Sul. “Não esqueçamos nunca que São Francisco canta a beleza da Criação, embora ela seja terrivelmente cruel. A Criação nos alimenta, mas também nos mata”, lembrou o arcebispo.

Porém, militantes ambientalistas do gênero utópico e irracional reprovado por Mons. Léonard promovem manifestações para ‘salvar’ esse feroz habitante do mar.

Mick sobreviveu ao ataque na praia de Jeffrey’s Bay dando fortes pontapés no nariz dos predadores assassinos que tentavam mordê-lo. Chegando lanchas de auxílio, os tubarões fugiram sem fazer mal ao surfista, noticiou o jornal argentino Clarin.

A final foi suspensa e Mick comemorou o feito fazendo um churrasco para amigos e participantes da competição.

Na falsa ideia da relação de São Francisco com a natureza, ao maltratar os tubarões Mick agiu como inimigo da Criação.

Na ótica correta explicada por Mons. Léonard, o surfista agiu em perfeita consonância com a ordem natural pregada por São Paulo e o grande Santo de Assis. Inclusive quando contribuiu para ‘aquecer o planeta’ com um merecido churrasco!

 

3 COMENTÁRIOS

  1. O povo brasileiro, e os Cristãos em geral, precisam ficar de OLHOS
    ABERTOS! Esse partido VERMELHO NO COMBOIO DO COMLOIO,pois
    são varios juntos compartilhando e destilando o mesmo veneno, para tirar vangens em beneficios próprios, tem tentado a todo custo
    alterar os valores da SOCIEDADE BRASILEIRA que é histórico
    e TRADICIONAL!

    Tenhamos cuidado!

     
  2. Somos integrantes da nutureza e do Universo, ainda assim, um pouco
    mais que isso, somos MORDOMOS, AINDA ASSIM, EM nossa natureza
    decaida, temos nos tornados ignorantes, não sabemos administrar
    o planeta que O Senhor Deus nos entregou!
    Precisamos dar conta dessa tarefa com
    RESPONSABILIDADE!

     
  3. DE PSICOPATAS/UTILITARISTAS TUDO SE PODE ESPERAR!
    D Léonard tem toda razão!
    Os ideologistas presentes, como os comunistas, sabem se aproveitar de santos da Igreja, heróis da fé de forma bastante oportunista, convincente, mesmo romântica, esse caso; nos seus competentes laboratórios de engenharia social manipulam com perfeição as grandes obras e feitos desses fabulosos homens da Igreja.
    Só que eles os materializam, fazem-nos serventes de suas ideologias e passam ao grande público uma imagem distorcida deles, mas de tal forma bem preparada que o povo em geral absorve, sem grandes e/ou nenhumas interpelações.
    S Francisco tem sido um das vítimas do humanismo, como da “Mãe Terra”, como se fora um poeta sonhador, escritor romãntico nas noite de luar etc.; ao inverso, sua vida real foi calcada de extrema penitencia, oração e de um missionário tão aguerrido que desafiava até dirigentes muçulmanos em seus palácios!
    Também jamais se curvou ao relativismo como se depara hoje em dia, como religiosos comportando contrariamente a ele, ajudando os inimigos da Igreja de forma patente!
    Isso faz nos lembrar do caso Brasil, quanto aos índios: “admirados”(massa-de-manobra) dos comunistas, tidos como vítimas dos brancos, anterior à colonização e chegada do cristianismo, viviam recorrentemente guerreando-se entre si numa incessante guerra civil; bonzinhos, né?
    Só de a CNBB que mais nos interessa, nunca ser confrontada por esses grupelhos marxistas distorcendo a vida desse santo ou sem os questionar, que “se espelhariam” em S Francisco, mau sinal!

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome