Pobres e desventuradas infância e juventude, que recebem nas aulas de estabelecimentos oficiais de ensino veneno potente que mata as almas em seus primeiros albores!
Pobres e desventuradas infância e juventude, que recebem nas aulas de estabelecimentos oficiais de ensino veneno potente que mata as almas em seus primeiros albores!

Chegou-nos às mãos um livro de 142 páginas. Pequeno quanto ao tamanho, mas seu conteúdo é imenso quanto à impiedade, à blasfêmia e à linguagem pornográfica desbragada.

Sob o título Aventuras provisórias, o autor Cristóvão Tezza apresenta em forma de romance uma trama de atos praticados por pessoas imorais, num clima sórdido.

As páginas de uma publicação católica não são lugar para exibir abominações como as contidas nesse inqualificável manual de deformação moral, pois sua linguagem é de nível torpe, e os palavrões de baixo calão não são raros.

Chega-se ao extremo de lançar um palavrão contra Deus, que atinge também sua Mãe Santíssima, e qualificar o Criador de demônio, num trecho em que se conjugam virulentamente blasfêmia, impiedade e imoralidade.

Alguém poderia pensar: O livro é mais uma amostra da pseudo-literatura moderna, que infelizmente prolifera no País… Mas é necessário fazer duas observações que agravam enormemente o fato:

1. Na capa há um logotipo sob o qual se lê: Governo do Estado – Santa Catarina – Secretaria de Estado da Educação. E no frontispício do volume que compulsamos, abaixo do título da obra há um carimbo com o nome da Escola de Educação Básica de uma cidade do interior daquele estado. Assim, tudo indica que tal obra inqualificável foi distribuída a escolas da rede estadual de ensino.

2. Na quarta capa, mais um dado causa espanto: transcrevem-se comentários elogiosos do livro feitos por três diários, dois deles bastante conhecidos, um dos quais de grande tiragem e de circulação nacional.

Pobres e desventuradas infância e juventude, que recebem nas aulas de estabelecimentos oficiais de ensino — em vez de sadio alimento para seus espíritos — veneno potente que mata as almas em seus primeiros albores! Diante desse caso tenebroso compreende-se o pranto da Mãe de Deus.

 

13 COMENTÁRIOS

  1. Em resposta ao sr. Célio de Marchi Cunha, acredito que quando o autor dessa matéria diz o”pranto da Mãe de Deus”, é certeza que ele não quis mencionar um trecho da Sagrada Escritura e muito menos inventar um outro “deus ou deusa”, pois o principal ator da Bíblia é o Nosso Senhor Jesus Cristo e Maria sempre foi mencionada discretamente, e é assim que a nossa mãe se mostra, sempre discreta e guardava tudo em seu coração. O que o autor quis dizer é que nas diversas aparições de Nossa Senhora de Fátima ela se mostra sempre entristecida e chora pelos seus filhos e pelo que há de acontecer ainda no mundo; a mãe nos exorta na fé e pede para termos corajem de testemunhar seu Filho diante de muitas adversidades e tribulações que estão por vir, como verdadeiros e autenticos cristãos. Que Nossa Senhora de Fátima inteceda por nós junto a Seu Filho Jesus diante de tudo o que está acontecendo em nosso país e no mundo inteiro! Amém

     
  2. Isso tudo é muito lamentável. Mas a Bíblia diz que “o mundo vai como dele está escrito.” No evangelho de Mateus tem uma palavra a este respeito: Mateus 18.1 a 7. É o texto em que Jesus chama uma criança e diz: “se alguém não se tornar inocente como uma criança, jamais entrará no reino dos céus.” Mas ele faz uma advertência que cabe bem a esses modernos educadores que pregam a dissolução da família. O verso 6 diz: mas se alguém fizer tropeçar a um desses pequeninos que crêem em mim, melhor lhe seria amarrar uma pedra de moinho no pescoço e se afogar nas profundezas do mar. ” E Jesus lança um triste “ai” ao mundo dizendo no verso 7: ai do mundo, por causa das coisas que fazem tropeçar! É INEVITÁVEL QUE TAIS COISAS ACONTEÇAM, MAS AI DAQUELE POR MEIO DE QUEM TAIS COISAS ACONTECEM! Então meus queridos, podemos lutar para diminuir os efeitos dos escândalos, mas segundo Jesus, isso será inevitável. Até o fim dos tempos, o diabo vai aumentar suas ofensivas sobre a família e sobre a igreja. No capítulo 12 do Apocalipse João tem a visão do que acontecerá nos últimos dias, que me parece serem os nossos. O quadro nos mostra uma mulher com uma coroa com doze estrelas na cabeça, o que revela que simboliza o povo judeu. O povo judeu gerou a Jesus, (v.5) enquanto o dragão esperava para destruir seu filho. O filho foi arrebatado para junto de Deus, (ascenção de Jesus depois da ressurreição) e a mulher foi para um lugar que Deus preparou para cuidar dela. O povo judeu é preservado por Deus até hoje, embora sempre perseguido. No verso 17 lemos que o dragão, irado por não poder destruir a mulher, (usou Hitler para tentar isso), voltou-se contra seus descendentes, os cristãos, “os que obedecem aos mandamentos de Deus e se mantém fiéis ao testemunho de Jesus.” Mas voltando ao verso 12 lemos: “…ai da terra e do mar, pois o diabo desceu até vocês! Ele está cheio de fúria, pois sabe que lhe resta pouco tempo. ” E sabe qual é a nossa vitória? Leia o verso 11: “eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela PALAVRA do testemunho que deram; diante da morte não amaram suas vidas.” Nós não podemos mudar o destino do mundo e do que vai acontecer nas novas gerações, se é que vai haver mais alguma após a nossa, mas a vitória é nossa pelo tesrtemunho que vamos dar, ao risco da própria vida, em nome de Jesus, aquele que derramou o seu sangue para nos purificar de todo pecado. E a única ovação que se ouve no céu é a Jesus. No capítulo 4.11; no 5.9 a 14 só se lê que quem é digno é “o Cordeiro”. Só se encontra alí o seu trono e só ele é o Rei dos reis”. Não há nenhum outro trono revelado no apocalipse, portanto nenhum ou nenhuma outra deusa assentada em trono. Alguém nos comentários se referiu ao “choro da mãe de Deus.” Nunca a Bíblia deu liberdade para que inferíssemos que Maria tenha esteja chorando por nós. O que se lê nos evangelhos é que JESUS CHOROU.” (João 11.35) e ao ver a situação lastimável de Jerusalém, JESUS CHOROU sobre ela.(Lucas 19.41) Pode-se presumir que Jesus chora e lamenta pelo que está ocorrendo no mundo, mas Sua vitória é certa e fiquemos firmes nesta fé, queridos. Mas não inventem um novo “deus”, que não existe outro além de Jesus, pois isso é heresia e isso também faz Jesus chorar.

     
  3. Palavrões com Deus, Virgem Maria e desqualificando o Criador? Este é um livro infanto juvenil ou um compêndio de satanismo do mais desqualificado!?

     
  4. Encontrei a seguinte notícia:

    “O livro Aventuras Provisórias (Record), do escritor Cristóvão Tezza, teve sua leitura censurada por escolas de Santa Catarina. O governo estadual fez uma compra de 130 mil exemplares da obra, selecionada para adoção no ensino médio (15 a 18 anos). Mas, por conter um conteúdo considerado inadequado (como cenas de sexos e uso de palavrões), o livro foi rejeitado pelos professores.” (Ubiratan Brasil, de O Estado de S. Paulo – maio 2009)

    Que bom seria se isso acontecesse mais vezes e com outras “obras literárias”! Sou a favor da liberdade de expressão, mas, quando se trata de “endoutrinar” as crianças nas escolas, o caso é outro. Os adultos podem “escolher” o que fazem, mas uma criança ou adolescente em sala de aula não tem essa opção, se a essa escolha já foi feita por um professor…

     
  5. É evidente que não foi por acaso que esse livro foi publicado. Foi muito bem pensado e deliberado o assunto. Não foi por acaso que se procura atingir os mais novos, qua qinda não tem formado um senso crítico e apreendem tudo o que lêm. Não foi por acaso que o livro tem essa dimensão de porcaria, porque é para ser lido às escondidas e nestas condições quanto mais porco, mais avidamente se lê.
    Os inimigos do bem usam os métodos que mais incisivamente destruam o bem. Temos que os compreender.
    Mas não podemos aceitar continuar a ser pachorrentos bovinos que aceitam sem espernear todo o mal que lehe querem fazer.
    É evidente que se pode acionar o autor, o editor, o estado, a secretaria de educação, principalmente os pais. Estes têm direito a demndar quem de forma tão grotesco ataca a educação dos seus filhos.
    O próprio Ministério Público tem obrigação de levar a questão a Tribunal. Mas, é evidente, tem de saber o que se passa.
    Quem tiver legitimidade, quem puder que leve o assunto a tribunal. Ficarmos a escrever entre nós, não adianta muito.

     
  6. Certamente o autor do livro desconhece os ensinos bíblicos que nos orienta sobre as crianças nosso maior tesouro: “Ensina a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele”. Provérbios 22: 6.
    Se verdadeiramente quisermos que este versículo seja uma realidade na vida de nossos filhos, cabe a nós, pais e mães, em obediência a Palavra de Deus, evangelizar e discipular nossos filhos.
    Os problemas de nossa sociedade são resultados de falta de respeito pela autoridade. O próprio Deus é a autoridade suprema e amorosa que deverá ser obedecida por todas as pessoas. Mas uma criança muito nova não pode entender como submeter-se a alguém que ela nunca viu. Seu respeito às autoridades e aos seus semelhantes começa com seus próprios pais.

     
  7. Num País em que a livre expressão é considerada na constituição, deveria também ser dado o direito de os atingidos se defenderem ou entrarem com uma ação contra os difamadores, como faria qualquer instituição publica. Parece-me que os objetos sagrados quando atingidos devem ocasionar ação publica contra quem os usa ou apregoa difamando a quem quer atingir, no caso a Igreja Católica.
    Entre os muçulmanos eles perseguem e martam. Não foi assim com o autor de Versos Satânicos? Nós cristãos católicos não perseguimos nem matamos, mas também não queremos ser atingidos seja por qualquer metodo ou materia.
    Apreender o material e documentar as queixas e entrar com a ação inclusive contra o Estado por servir de instrumento nas mãos de autores e editores.
    Como professor, uma vez recebi um livro de Porqugues em que havia um autor – Douglas Tufano – que escreveu um artigo em que um robo criou um robozinho e este passou a considerar o robo como um deus. Achei um absurdo, reclamei, mas como nãi tinha jeito, ensinei os alunos a terem espirito critico, pois certamente outros artigos haveriamd e ser publicado e não teria como acabar com eles, senão ensinar a juventude se defender desses canalhas Saramago entre tantos outros.

     
  8. Engana-se quem julgar que essa publicação abominável seja um fato isolado de Santa Catarina. Conscientemente ou não, ela se encaixa na chamada Revolução Cultural, que opera pela inoculação de toda sorte de abominações na alma humana, de preferência desde a mais tenra idade, visando transformá-la (leia-se corrompê-la) gradual e completamente, para fazê-la depois desejar “por si mesma” as reformas sociais que a referida Revolução quer implantar. Mas sem isso ela não consegue, pois sendo a alma humana naturalmente cristã, recusaria. Cumpre, pois, desfigurá-la completamente, para fazê-la ansiar por um mundo à sua imagem e semelhança. Qualquer analogia com o PNDH-3 é mera coincidência.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome