Cardeal Pell
Cardeal George Pell, “ministro da Economia” do Vaticano: “A Igreja não tem um mandato do Senhor para se pronunciar sobre questões científicas”. (Foto: Tony Gentile/Reuters)

Arcebispo de Sydney esclarece alcance do Magistério da Igreja em matéria de ciência

O cardeal Pell, Arcebispo de Sydney e “ministro da Economia” do Vaticano, foi entrevistado pelo jornal econômico Financial Times no mesmo dia em que apresentou o estado das contas da Santa Sé.

Na oportunidade, falando a propósito da encíclica Laudato Si, o purpurado esclareceu que “a Igreja não tem mandato do Senhor para se pronunciar sobre questões científicas”, segundo noticiou o site Vatican insider (Cf.: “L’appunto di Pell all’enciclica «Laudato si’»“, 20/7/2015).

O Financial Times entendeu que o cardeal se distanciou assim da “revolucionaria encíclica do Papa, que pede uma ação global contra a mudança climática”.

O cardeal afirmou sobre a Laudato si’: “Há partes que são belíssimas. Mas a Igreja não tem competência alguma especial em matéria de ciência. A Igreja não tem um mandato do Senhor para se pronunciar sobre questões científicas. Nós acreditamos na autonomia da ciência”.

A Igreja e o capitalismo

Na mesma ocasião, o Cardeal Pell concedeu entrevista ao site Crux (Cfr.: “India tolerant? Its Christians beg to differ“, 19/7/2015) sobre outro aspecto da Encíclica: o agudo anticapitalismo da ‘Laudato si’, acentuado pela subsequente viagem pontifícia à América do Sul.

O mercado está longe de ser perfeito, mas temos assistido a níveis historicamente sem precedentes de prosperidade atingidos por causa da disseminação global do capitalismo e pelo aumento da liberdade para os mercados”, defendeu o “ministro de Economia” designado pelo Papa Francisco.

Ele afastou-se assim do anticapitalismo ecoado em diversos parágrafos da encíclica Laudato si.

Papa Francisco com presidente Evo Morales em encontro dos movimentos sociais, Santa Cruz de la Sierra
Papa Francisco com presidente Evo Morales em encontro dos movimentos sociais, Santa Cruz de la Sierra

Não podemos nos considerar garantidos no ‘Primeiro Mundo’, mas nas linhas gerais atingimos um bom nível de vida e não podemos esquecer isso”, acrescentou o cardeal.

O site Crux, de tendência anticapitalista, observou para o Cardeal Pell que o Papa Francisco usou na América Latina uma retórica carregada do que ele próprio qualificou de “falhas do sistema capitalista”.

O cardeal respondeu que isso podia ser atribuído a “fracassos pontuais” na América do Sul, como na Argentina.

De fato, se há falhas pronunciadas na economia argentina, elas não devem ser atribuídas ao capitalismo, mas ao socialismo populista que avança na nação platina, associado às diversas correntes da Teologia da Libertação – entre elas a teologia do povo, do Papa Francisco –, apesar de desacordos pontuais entre uma tendência e outra.

O purpurado também refutou aspectos negativos da “Igreja pobre para os pobres”, enfatizada pelo Papa.

Uma das melhores maneiras de elevar os pobres consiste em melhorar a economia. Mas se somos desorganizados, incompetentes e, além dos mais, pobres, não seremos capazes de auxiliar quem quer que seja”, completou o lúcido cardeal australiano.

 

1 COMENTÁRIO

  1. A tática é sempre a mesma, eles intoxicam a economia com medidas socialistas, elaboradas pelos “bem intencionadios políticos” e quando ocorrem os desastrosos efeitos dessa política:
    “a culpa é do do capitalismo”

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome