Há alguns dias Bento XVI disse em homilia no Vaticano que nenhum governo pode tentar “modificar” ou “destruir” os princípios da Lei Natural, sob pena de levar o país ao relativismo e ao totalitarismo. Ora, entre os princípios da Lei Natural está o direito de propriedade. Se o homem é dono de si, é dono do fruto de seu trabalho, já ensinava Leão XIII.

Infelizmente, correntes infectadas de comunismo e socialismo se infiltraram nos meios católicos, dando origem ao chamado progressismo. Essa corrente chegou a ter influência até em altos cargos do clero. Em nome da paz e da justiça, tal corrente propugna diversas medidas para cercear o direito de propriedade. Veja a última medida progressista nesse sentido, lendo a notícia abaixo:

Dom Pedro Luiz Stringhini, Bispo de Franca, SP.

As coordenações nacionais e regionais das Pastorais Sociais e dos Organismos membros da Comissão Episcopal para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz da CNBB, divulgaram uma carta de apoio e participação ao Grito dos Excluídos e ao Plebiscito Popular para o limite de propriedade da Terra no Brasil.

A carta, divulgada no encerramento do encontro das coordenações, em Brasília, na quarta-feira passada, é assinada pelo presidente da Comissão, Dom Pedro Luiz Stringhini, Bispo de Franca, SP.

A decisão de participar do Grito dos Excluídos e do Plebiscito tem como base a consciência de que a democratização da terra através da reforma agrária é uma luta histórica do povo e uma exigência ética afirmada pela CNBB há décadas” – frisa a carta.

O Plebiscito é uma das ações concretas propostas pela Campanha da Fraternidade deste ano, que discutiu o tema “Economia e vida”.

Leia a íntegra da carta, como publicada no site da CNBB.

APOIO AO PLEBISCITO POPULAR PELO LIMITE DA PROPRIEDADE DA TERRA E AO 16º GRITO DOS EXCLUIDOS

Reunidas em Brasília, nos dias 14, 15 e 16 de Junho, as coordenações regionais e nacionais das Pastorais Sociais e Organismos da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz da CNBB, assumem o compromisso de participar do 16⁰ Grito dos Excluídos e da organização do Plebiscito Popular por um Limite da Propriedade da Terra no Brasil.

Esta decisão tem como base a consciência de que a democratização da terra através da reforma agrária é uma luta histórica do povo e uma exigência ética afirmada pela CNBB há décadas. É também a realização de um gesto concreto proposto pela Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2010, promovida pelas Igrejas membros do CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs), como consta no Texto Base, n. 120: “Mobilização de apoio ao Plebiscito de iniciativa popular pelo Limite da Propriedade da Terra, em defesa da Reforma Agrária, da Soberania Territorial e Alimentar, promovido pelo Fórum Nacional de Reforma Agrária e Justiça no campo”.

Para isso, convidamos os cristãos e cristãs das dioceses, paróquias, comunidades, movimentos a engajarem-se neste exercício de cidadania que será realizado na Semana da Pátria e especialmente no dia 7 de setembro, junto com o 16⁰ Grito dos Excluídos/as, abrindo espaços, formando comitês, colaborando com os comitês estaduais no processo de informação, formação e coleta dos votos.

O engajamento nesta prática cidadã de democracia direta é uma forma de realizar nossa missão evangélica em favor e junto com os excluídos e excluídas, construindo uma sociedade justa e solidária que garanta vida digna para todos os brasileiros e brasileiras.

Brasília, 16 de Junho de 2010.

Dom Pedro Luiz Stringhini

Presidente da Comissão

(CM-CNBB)

Fonte: Rádio Vaticano

 

16 COMENTÁRIOS

  1. QUE A CNBB SE AFASTA DO PT,E FICA DO LADO DO POVO,MAIS O POVO QUE QUER TRABALHAR,
    NÃO A ESQUERDA QUE QUER AS TERRAS PARA ENCHER OS BOLSOS DO PT.

    FORA COMUNISTAS DA CNBB,VOLTE PARA SUA ORIGEM,QUE É REPRESENTAR A IGREJA DE DEUS, E NÃO O PT E SEUS CAMARADAS!

     
  2. Bartholomeu Rimalho :

    Diz o Sr. Bispo de Franca que a democratização da terra é uma coisa boa porque é uma LUTA HISTORICA.
    Não é porque uma luta é historica que o objetivo dela passa a ser valido, bom, exemplar.
    Isso é argumento de bandido que quer nadar em aguas claras. Bandido também tem luta historica para legalizar o roubo e o homicidio… Nem por isso vamos dizer que é boa essa luta.
    E depois a ma fé ou burrice monumental dizer que limitando o tamanho das propriedades, o povo vai ter uma sociedade justa e solidaria.
    O japonês que utiliza um alqueire de terra e fornece alface para uma cidade inteira não tem nada a ver com um leiteiro que num alqueire de terra não consegue colocar meia vaca…
    A gente vê onde querem chegar. Um alqueire de terra para cada brasileiro para ter a vaquinha, a hortinha, ninguém aumenta a produção porque se torna desigual, serà perseguido pelo estado totalitario… E depois o bispo vem dizer que isso é evangélico!!!
    ISSO E ODIO A DEUS!!! Deus ama a abundância e não o miserabilismo.
    Pior é que todo mundo vê. Mas, é o Sr. Bispo que esta falando, coitado… Deixa êle dizer o que pensa, a gente não segue porque isso não é doutrina catolica nem aqui, nem na China, deixemos as palavras dêle cairem no vazio.

    MUITO BOM E ACRESCENTO – PORQUE A IGREJA NÃO DEMOCRATIZA O OURO QUE ESCONDE PELO MUNDO AFORA??? ALIAS O MUNDO ESTÁ PASSANDO FOME POR CAUSA DESSES IMPECILIOS QUE A IGREJA PATROCINA E DIFUNDE. VAMOS TOMAR DE VOLTA O OURO E O PATRIMONIO QUE ELES TOMARAM A GOLPE DE ESPADA DOS FRACOS!!!???

     
  3. @eguinaldo donizete barbosa
    VC. PRIMEIRO PRECISA APRENDER A NOSSA ORTOGRAFIA, DEPOIS PRECISA SE INFORMAR MELHOR SOBRE: RAPOSA SERRA DO SOL QUE VIROU UM DESERTO FAVELA RURAL E OS QUE VIVIAM EM FUNÇÃO DOS FAZENDEIROS ESTÃO PASSANDO FOME – ISSO A MENOS DE 2 ANOS DA TOMADA DAS PROPRIEDADES QUE FORAM COMPRADAS E NÃO TOMADAS – ESTUDE MELHOR O ASSUNTO!!!

     
  4. “Bispo”…quem é ele para assumir uma bqandeira “comunista”, em nome da justiça social???Ele tem que se preocupar em denunciar a “corrupção” que desvia o dinheiro do social…ele tem que denunciar a ignorância pela falta de educação que o Governo insiste em ampliar com as cartilhas , ele tem que promover a “solidariedade e os valores cristãos” que estão se perdendo pela crise que enfrenta a família, ele tem que se preocupar com as suas ovelhas que estão , cada vez mais, se desgarrando por causa de um BISPO que não assume o seu verdadeiro papel, ele tem que se preocupar para que não seja instalada aqui em nosso Brasil um Governo Comunista como Cuba, Venezuela e outros… Ou será que ele já se esqueceu dos cristãos mortos e perseguidos pelo COMUNISMO???? O Papa tem que repudiar esse tipo de postura de seus Bispos e Pastorais urgente!!!

     
  5. Agora sim temos em nossa cidade um jovem e corajoso bispo que demonstra claramente sua opsção pelos pobres e excluidos .E um absurdo ler comentarios que dis que limitar o tamanho da propriedade e “cobiça,roubo,etc” quando Deus criou a terra e tudo que nela existe Deus não disse que a terra era de rei fulano,latifudiario siclano,aracruz,votorantim,aike batista,junqueira ou qualquer outro ruralista como apareceu em um dos comentarios que disia que devemos muito a eles.E importate que se diga toda essa gente que reinvindica o direito a propriedade so são “donos”por que em algum lugar no tempo por seus antepassados tomaram para si por meios das espadas ,canhões e muito sangue de quem era mais fraco.Disiam que isso era coquista.qual a diferença entre essa”conquista”e um asalto a mão armada em um farol ou beco?agora a igreja catolica volta para os trilhos ao dicutir a consepisão de justiça social.Chega de esmolas travestidas de caridade.

    nosso total apoio ao plebisito ea Vossa Eminencia Dom LUIZ
    Eguinaldo Barbosa. sindicato dos sapateiros

    OBS.no comentario com maiusculas so “DEUS” os outros nomes para min são insignificantes.

     
  6. Quanta barbaridade nesses comentários!! Vejo aqui a defesa “cristã” de mesma matiz que apoiou Adolf Hitler no extermínio de judeus e comunistas no milênio passado, apoiada pela Igreja Católica e pelo papa!

    O direito à propriedade termina onde começa o direito à vida!!!!

    Contra a fogueira inquisidora, paredón!!!

     
  7. NARRANDO – PERGUNTANDO

    No julgamento de Cristo, Pilatos perguntou: es Tú o Rei dos judeus? Jeus o interregou dizendo: tu dizes isto de ti mesmo ou outros te disseram a meu respeito? Pilatos zangou-se dizendo: por ventura sou eu judeu?… Parafrasenado aquele Augusto diálogo pergunto cortezmente ao Welington, comentarista deste Site, que expos a doutrina segundo a qual, “nada é de ninguem, tudo é de todos”, como sendo a do Cristo do qual falou o Sr. Bispo de Franca – SP. Essa doutrina seria a que o Sr. Bispo pensa? Teria dele o seu aval? Ou tu Welington imaginas que ele pensa assim? Grato

     
  8. Ao sr. Wellington tenho a dizer, citando episódio célebre das Escrituras, que, quando Maria Madalena derramava um perfume de fragrância exuberante nos pés do Homem e lhos enxugava com os cabelos, um dos discípulos Dele comentou que aquilo era um desperdício.

    Sabe quem foi o discípulo? Judas. Sua mente estreita não enxergava outro aspecto da vida que não fosse o mais imediato. Judas era um politiqueiro materialista.

    Pois o Bispo de Franca-SP, pelo que parece, é um politiqueiro materialista e, não por acaso, um traidor de N.S. Jesus Cristo.

    Da mesma forma que Deus nos deu dois pulmões a fim de inalarmos oxigênio, fomos revestidos pelo Criador de plenas condições de trabalho, fruto de nossa natureza. O resto, não passa de acidente. Daí as famosas “desigualdades sociais” que escandalizam os demagogos de todos os matizes. Esse pensamento não é meu, mas do prof. Plínio Corrêa de Oliveira.

    Em outro comentário, eu disse que o fato, por exemplo, de o Visconde de Mauá dispor de um patrimônio muito superior ao de um agitador da Revolução Praieira – não representava injustiça alguma, pelo contrário: era um reflexo da ordem natural das coisas.

    Sinceramente, discutir com indivíduos como o sr. Wellington é como pedir café à vaca. Mas, já que comecei, e citando a Bíblia, termino, e igualmente citando o Livro.

    Já que os fariseus de nosso tempo adoram falar num Jesus socialista, termino com o Jesus “reacionário”, o verdadeiro aliás:

    Pouco antes da Ascensão, quando Nosso Senhor levou Sua mãe e Seus discípulos ao alto de uma montanha, parece que Pedro Lhe perguntou se agora se daria a restauração do Reino de Israel. O Homem nada falou, pois o dia de Pentecostes se aproximava, quando, então, os apóstolos, confirmados na Graça Divina, saberiam que o Reino de Deus não é (e nem poderia ser) deste pobre e admirável mundo.

     
  9. Diz o Sr. Bispo de Franca que a democratização da terra é uma coisa boa porque é uma LUTA HISTORICA.
    Não é porque uma luta é historica que o objetivo dela passa a ser valido, bom, exemplar.
    Isso é argumento de bandido que quer nadar em aguas claras. Bandido também tem luta historica para legalizar o roubo e o homicidio… Nem por isso vamos dizer que é boa essa luta.
    E depois a ma fé ou burrice monumental dizer que limitando o tamanho das propriedades, o povo vai ter uma sociedade justa e solidaria.
    O japonês que utiliza um alqueire de terra e fornece alface para uma cidade inteira não tem nada a ver com um leiteiro que num alqueire de terra não consegue colocar meia vaca…
    A gente vê onde querem chegar. Um alqueire de terra para cada brasileiro para ter a vaquinha, a hortinha, ninguém aumenta a produção porque se torna desigual, serà perseguido pelo estado totalitario… E depois o bispo vem dizer que isso é evangélico!!!
    ISSO E ODIO A DEUS!!! Deus ama a abundância e não o miserabilismo.
    Pior é que todo mundo vê. Mas, é o Sr. Bispo que esta falando, coitado… Deixa êle dizer o que pensa, a gente não segue porque isso não é doutrina catolica nem aqui, nem na China, deixemos as palavras dêle cairem no vazio.

     
  10. @JOSE ANTONIO

    Caro irmão, como cristãos somos discípulos daquele que não tinha nada em seu nome e batia a porta não esmolando mais ensinado a solidariedade, não existe o que é meu ou seu se professamos a mesma fé,existe o que é nosso, tudo em comum.. lembra? A concentração da terra está na base da desigualde entre os homens, não se trata de quem tem dar a quem não tem se trata de que ninguém é dono de nada e que todos, todos mesmo devem usufruir de todos os bens e direitos. “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância”. Não esqueça que aquele a quem segue foi um excluído, considerado um marginal, é desse Cristo que o bispo fala.

     
  11. O Bispo de Franca é o presidente da Comissão Episcopal para o Serviço da Caridade. de Justiça e da Paz da CNBB.`
    Por graça de Deus e para meu bem sempre fui e continuo católico e digo isto para que não se pense que o que vou dizer provem de um anti-católico.
    Não é por alguém ser bispo que aquilo que diz se torna doutrina da Igreja e nem sequer a minha salvação depende de o seguir se pensar que ele está fora da Igreja. E hoje há muitos bispos fora da Igreja, isto é, fora da comunhão com o Papa.
    Não sei o que faz essa tal Comissão Episcopal, agora neste assunto nem está ao serviço da caridade, porque a caridade não é invejosa, nem está ao serviçoda justiça, porque a justiça não preconiza o esbulho, nem está ao serviço da paz, porque a paz se constroi com a verdade.
    Portanto, como o nome dessa tal Comissão está na contra mão daquilo que ela apregoa, para que gastar tempo com ela.
    Lembram-se daquele plesbicito organizado pelo PT com a colaboração eufórica da CNBB para se saber se se devia ou não pagar a dívida pública? Governo, o PT deitou o resultado do plesbicito para a lixeira e a CNBB cobriu-se com um vexame. Aí vem outro.
    Por acaso o bispo de Franca está preocupado com a situação da Igreja católica na sua diocese?

     
  12. Não sei se seria o caso de enviar ao Reverendíssimo Bispo uma moção de repudio pela forma com que prega o Evangelho. Quando Cristo enviou seus discipulos dizia-lhes que se não fossem recebidos em alguma casa, deveria sair de lá e bater o pó da sandália. Uma preocupação única em pregar o evangelho sem invadir propriedades. De forma alguma se deve desestruturar a sociedade em favor de minorias, posto que a maioria pode praticar a caridade de ampará-la, uma pratica cristã em que todos tinham tudo em comum. Claro que, hoje em dia ninguém quer, nem deve vender propriedades e entrar nas filas dos sem tetos e sem terras e os desempregados. Mas a Igreja não poderia orientar posições ideológicas contrarias ao Evangelho que prga ou deveria pregar.
    Caso venha o pblebicito o meu voto já está declarado: voto contra! E aos excluidos, podemos fazer outras coisas para que sejam incluidos, pelo menos dentro das Igrejas, conscientizandos de que o Evangelho prega nao cobiçar as coisas alheias.

     
  13. Quem são os excluídos com poder de mover a CNBB? O conceito “democratização da terra através da reforma agrária” está embutido o conceito democratização de qualquer propriedade. Porque não democratizar uma grande indústria, por exemplo, a Petrobras, que é propriedade de acionistas? A GM, a Volks, a propriedade (terreno) urbana? Automovel é propriedade de seu dono. Vamos democratizá-lo? A lei, flexibilizando o conceito de propriedade da terra, por analogia, flexibilza toda a propriedade no país. Até parece que Dom Pedro Luiz Stringhini, Bispo de Franca, SP, não tenha lido as primeiras lições de catecismo católico que nos ensina nos Mandamentos da lei de Deus, “não roubar”. Ou ele leu o catecismo de Marx?

     
  14. A idéia da limitação da propriedade da terra rima com limitação da pripriedade de fortuna, de casas, indústria e comércio que no total tem a mesma nota: igualdade completa, um ideal comunista. Só de comunistas?

     
  15. “OTIMA OPORTUNIDADE” – UM PLEBICITO

    Sou católico e segundo o Sr. Bispo de Franca – SP devo exercer o direito de cidadania em face do “plebicito popular” a ser realizado em setembro próximo. Pelo meu pouco entendimento, pois, sou um popular e quero votar, resta-me saber se aquele plebicito seguirá a ética aceitando a cidadania de qualquer brasilileiro, seja qual for sua posição ideológica.Ou será um conchavo feito nos bastidores somente par quem souber tocar no “velho realejo” das esquerdas? Pelo meu pouco entender, a cidadania pode ser exercida por todo cidadão brasileiro. Como por exemplo os numerosos ruralistas tão ligados à terra e a quem o Brasil muito deve. Certamente eles terão uma palavra a dizer… Só estranho uma coisa: A Venezuela vem fazendo muitos blecitos e, cada vez mais afundando no Comunismo. Será um bolivarianismo Chavista , que o jóvem Bispo de Franca quer para o Brasil? Com Todo respeito Sr. Bispo, por favor e caridade, esclareça esta minha dúvida… Fico a rezar por vossa Reverendíssima e pela Terra de Santa Cruz.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome