Corrupção generalizada, instrumento da opressão maoista

O miliardário Liu Han associado aos círculos do poder foi a vítima escolhida para distrair as atenções.
O miliardário Liu Han associado aos círculos do poder
foi a vítima escolhida para distrair as atenções.

No mês de fevereiro de 2015 o governo socialista de Pequim ordenou a execução de cinco empresários que haviam formado grandes fortunas, informou o site FranceTVinfo.

Entre eles, o miliardário da indústria mineira Liu Han, seu irmão e três sócios.

É impossível formar uma grande fortuna sob um regime socialista nivelador sem ter importantes cumplicidades com o seu sistema hegemônico.

As desigualdades econômicas são incompatíveis com o socialismo e essa foi a causa invocada pelos ideólogos marxistas para produzir a maior chacina da História.

Porém, necessidades concretas impostas pelo progresso mundial do comunismo exigem por vezes uma tolerância do regime para com capitais privados.

Liu Han e seus cúmplices ouvem a sentença
Liu Han e seus cúmplices ouvem a sentença.

No presente momento, a China precisa deles para alcançar sua almejada hegemonia na economia mundial, que progride a olhos vistos.

Mas o regime também tem necessidade de deixar claro que, se tolera essas desigualdades, é de modo transitório, pois a metafísica igualitária comunista continua sendo o objetivo final do sistema.

Por isso ele precisa fazer execuções de caráter didático, como as desses novos ricos, escolhidos de acordo com critérios mais ou menos arbitrários e mais ou menos de cumplicidade.

Os cinco condenados foram acusados de integrar uma gangue mafiosa e de ordenar diversos assassinatos. Nisto eles em nada se diferenciavam da maior e mais assassina gangue mafiosa existente no país: o Partido Comunista Chinês.

Mas a lição igualitária precisava ser dada para toda a China.

Nos últimos meses também foram presos 68 altos dirigentes do Partido Comunista, entre os quais o prefeito de Nanquim, 15 generais e 72.000 funcionários de baixo escalão.

Essas prisões talvez estejam ligadas às lutas partidárias internas que precederam a ascensão do novo dono comunista da China, o presidente Xi Jinping, que passou a expurgar o PC de seus concorrentes ao cargo supremo.

Cena de arquivo de uma execução pública na China comunista.
Cena de arquivo de uma execução pública na China comunista.

Xi disse que expurgaria “tigres” e “moscas”, entendendo por “tigres” altos funcionários acusados demagogicamente por ele de terem se enriquecido à custa do povo.

As “moscas” seriam os pequenos chefes locais que extorquem propinas do povo por qualquer serviço: um emprego, uma cama no hospital ou escola para o filho.

Essas “moscas” vão sendo substituídas por pessoas de confiança do novo ditador máximo e tudo continua como dantes no quartel de Mao Tsé-Tung.

O presidente anuncia que o povo está fazendo sua revanche e que a campanha anticorrupção vai melhor do que nunca. Ai de quem achar o contrário!

Como em todo governo socialista, a corrupção na China é generalizada e instrumento poderoso para manter sob controle todos os funcionários que sujam suas mãos, querendo ou não.

Considerando-se as dimensões do país, a estrutura da corrupção montada pelo regime envolve “volumes de dinheiro cada vez mais colossais e métodos cada mais crapulosos”, segundo Zu Daizheng, ex-ministro e membro do Partido Comunista desde 1937.

Zu já viu muitos outros expurgos e a manutenção do mesmo sistema corrupto para sujeitar o país aos ditadores de turno de Pequim.

 

4 COMENTÁRIOS

  1. As “dachas” comunistas são uma tentação forte que se mantém já eternamente porém esses privilégios só para a nomenclatura do “polit bureau” ,interferências não “salutares” segundo o critério estabelecido pelos ditados dos patrões maoístas devem ser imediatamente eliminadas. A expansão da tirania comunista é também um fator de interesses que paulatinamente estão instalando na América latina logicamente de um modo…digamos…comercial, qualquer situação que surgir e que contrarie os planos traçados deve ser anulada a qualquer custo ! As “instruções” já foram repassadas pelo diabólico Fidel e no que tange ao Brasil, o encarregado de colocar em marcha, Lula da Silva todo tipo de estratégias para a dominação comunista para os latinos, já vem há tempo desenvolvendo sua nefasta atividade a partir do famigerado foro de São Paulo, por isto é que o impeachment acontecido aqui não está nos planos iniciais e a continuidade da destruição da Nação Brasileira por enquanto ficou estagnada ,claro que agora virão “democraticamente” tentar anular o feito de qualquer maneira para manter o clima de soçobra e vilipendiar ainda mais à cidadania brasileira. O Brasil não deve dar trégua a esses meliantes e fazer valer sua condição de estado soberano e dono das suas decisões e não se transformar em marionete do comunismo internacional.

     
  2. Oportuno comentário de Luis Dufaur.
    A China tolera certos empresários porque precisa de dinheiro para a propaganda comunista no Exterior. Vejamos, por exemplo, a intromissão chinesa no Brasil, na Argentina e outros países –contruindo o imperialismo comunista.
    Por que será que a grande midia divulga pouco essa chacina e outros expurgos, execuções e prisões na China comunista?
    Onde está o protesto da Ongs, onde está a denúncia da Comissão dos Direitos Humanos da ONU?
    Os historiadores, no futuro, vão ter muito trabalho para decifrar esse enigma: Porque a China comunista é intocável?
    E o Vaticano? Talvez a China seja o unico pais que tem uma “hierarquia” religiosa paralela com bispos impostos pelo regime comunista. Sagrados à revelia de Roma é verdade, mas onde está o protesto enérgico do Vaticano?
    Quem esclarece esse enigma?
    Mac Hado

     
  3. Só vejo uma diferença em relação Brasil, aqui as execuções assumem
    o formato de “crime comum” praticados por terceiros, (vide o caso de Celso Daniel), lá, o Estado coordena estas ações!

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome