Das trevas do Leninismo às luzes de Fátima

Discreto sabor de revanche histórica…

Voluntários do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira em frente a Catedral de São Basílio – Moscou.

Praça Vermelha, Moscou, setembro de 2011. Diante de duas edificações bem contrastantes da capital russa — a maravilhosa catedral de São Basílio e o tenebroso mausoléu de Lenine —voluntários do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira (IPCO) exibem o estandarte desta instituição brasileira, que homenageia o grande intelectual e homem de ação católico, cujo ensaio “Revolução e Contra-Revolução” inspirou a fundação de associações defensoras dos valores da tradição, da família e da propriedade, em 26 países, nos 5 continentes. A irradiação de sua personalidade e a influência de seu pensamento possante e de sua ação eficaz estendem-se largamente em nossos dias tanto na Europa como nas Américas.

Fundado em 2006, o IPCO defende e promove os valores da civilizacão cristã, — precisamente os ideais que Lenine e seus sequazes pretenderam em vão apagar da face da Terra. Na sua curta existência já tem expandido notavelmente suas atividades, atraindo às suas fileiras um crescente número de jovens.

* * *

Fundado em 2006, o IPCO defende e promove os valores da Civilizacão Cristã.

Muito diversa é a situação dos sucessores ideológicos de Lenine. Por toda parte, o comunismo esmorece. Desde que tomou o poder na Rússia em outubro de 1917, tentou dominar o resto do orbe, contando com misteriosas cumplicidades políticas, financeiras e até eclesiásticas no Ocidente e empregando múltiplas estratégias, que abrangeram desde a ferocidade genocida até enganosas máscaras sorridentes, sucessivamente chamadas “política da mão estendida”, “coexistência pacífica”, “compromisso histórico”, détente, perestroika…

Mas ao final, tudo foi em vão. Sem apoio na opinião pública, o regime soviético colapsou, como um ídolo com pés de barro. E sobre seus escombros germinam e desabrocham hoje, em países que outrora ele oprimira sob seu jugo — a ex-Alemanha Oriental, Áustria, Eslováquia, Hungría, Lituânia, Polônia, etc. —, flamantes grupos locais de seguidores do pensamento de Plinio Corrêa de Oliveira, cujos estandartes proclaman a perenidade do ideal da Civilização Cristã.

Discípulos de Plinio Corrêa de Oliveira chegam até os muros do Kremlin, outrora ocupado por Lenine.

E agora, discípulos de Plinio Corrêa de Oliveira chegam até os muros do Kremlin, outrora ocupado por Lenine —cujo mausoléo representa, na verdade, uma dupla sepultura, a dele e a do comunismo—, para ostentar um emblema que simboliza o ideal que aquele ímpio bolchevique quis em vão destruir.

A cena tem um discreto sabor de revanche histórica. Como se dissesem ao tirano: “Lenine, inimigo de Deus, aqui estamos para ratificar a tua derrota e a da tua Revolução ateia e anticristiã, e para proclamar que a Cristandade sobrevive e renasce. De nada te valeram teus crimes, tuas conspirações, teus genocídios, tua propaganda, teus tanques, tuas bombas… O poderio que criaste colapsou, e sobre suas ruínas caminhamos para o cumprimento da radiosa promessa da Virgem de Fátima: ‘A Rússia se converterá’…”.

 

4 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns IPCO, pelo bom trabalho que vem sendo desenvolvido em prol da Família Cristã.
    Jesus diz em A Verdadeira Vida em Deus :”Vinde a Mim e falai com o coração e Eu ouvirei”.
    .

     
  2. Márcio, não creio que o Dragão Vermelho tenha morrido na Europa (os últimos ataques a cidades inglesas por aquela turba de selvagens é uma prova).

    É verdade que na China é ele quem comanda. E sabemos que aqui, na nossa América – desde a do Norte até a do Sul -, certos governantes trabalham pela implantação sub-reptícia de seu poder.

     
  3. Alegro-me com a homenagem a esse ilustre pensador Plinio Corrêa de Oliveira. Alegro-me mais ainda que o Prof. Plinio não se restringiu ao pensamento mas desenvolveu extensa ação e suscitou seguidores.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome