Ataque e vandalismo contra a Cúria da Paraíba

Dom Aldo Pagotto envia Nota de Agradecimento

Aos prezados amigos que me enviaram mensagens de apoio solidário ao meu posicionamento tomado a respeito da controversa questão sobre o “limite de propriedade e de produção”, tomo a liberdade de lhes enviar dois artigos, em anexo.

Aproveito para relatar o fato ocorrido por ocasião do “grito dos excluídos”, na tarde do dia 1º/09 pp. Em frente à Cúria Metropolitana, um pequeno grupo de manifestantes leu um texto com expressões agressivas à minha pessoa, referindo-se a um artigo meu sobre o limite de propriedade.

Embora fossem poucos, se apresentaram como representantes de 50 entidades, algumas citadas no texto lido, publicado pela “Adital”, internet.

Entre os poucos manifestantes pode-se reconhecer pelas fotos, alguns membros da CPT e um assessor de deputado do PT, candidato à reeleição, num carro de som, comandando palavras de ordem.

Numa atitude de vandalismo, toda a fachada artística e patrimonial da Cúria foi pichada com frases de protestos e reivindicações. Da Cúria se dirigiram à Procuradoria da Justiça do Estado (PB) onde tentaram pichar também aquele prédio.

Foram impedidos por policiais. Documentamos as frases. Exigem a liberalização do aborto e o limite de propriedade. Dispensam-se comentários.

A Igreja defende e promove a vida e a família! O artigo 5º da Constituição Federal vincula ao direito de propriedade, o direito à vida e sustento da família, através do trabalho.

É estranho notar como certos militantes dos movimentos sociais, de organizações populares, de partidos políticos (etc.) em tese, defendem a democracia. Na prática não admitem opiniões opostas que contrariam seus intentos. Temem e tentam reprimir a liberdade de expressão.

Com a minha gratidão, aqui vai a reflexão sugestiva. Aprofundemos nossas reflexões a partir da Palavra de Deus, do Catecismo da Igreja Católica e do Compêndio da Doutrina Social da Igreja, que abordam os assuntos como estes, eqüidistantes de ideologias partidárias.

Fiquemos ao lado de Jesus Cristo e seu Evangelho para estarmos sempre mais do lado do povo e ao serviço de todos!

+ Aldo di Cillo Pagotto, sss

Arcebispo Metropolitano da Paraíba

 
COMPARTILHAR
Artigo anteriorCresce o satanismo nas áreas nobres do Rio de Janeiro
Próximo artigoReforma Agrária, essa cinqüentona (I)
Instituto Plinio Corrêa de Oliveira
O Instituto Plinio Corrêa de Oliveira é uma associação de direito privado, pessoa jurídica de fins não econômicos, nos termos do novo Código Civil. O IPCO foi fundado em 8 de dezembro de 2006 por um grupo de discípulos do saudoso líder católico brasileiro, por iniciativa do Eng° Adolpho Lindenberg, seu primo-irmão e um de seus primeiros seguidores, o qual assumiu a presidência da entidade.

12 COMENTÁRIOS

  1. Um recado:

    não deixem de assistir ao vídeo generosamente indicado pela jornalista Graça Salgueiro à coordenadora de redes do Instituto Millenium, sra. Thalita Novo, que traz uma rápida entrevista com o diretor executivo da mesma entidade, esse dr. Paulo Uebel, que não economizou portunhol para tecer loas ao governo Lula. O dr. Goebbels não faria melhor.

     
  2. Acima de todas as paixões politicas de grupos antagonicos pro ou contra a tão decantada palavra “Democracia” (sic???) ….

    O que realmente importa em bom senso e evitar-se concretamente a implantação da DITADURA CIVIL do grupo criador do PNDH-3 no Brasil em marcha com eleição presidencial bem proxima.

    O resto é em realidade mera ilusão e discursos inócuos,em materia ja tao bem discutida a exaustão em foruns e blogs pelo Brasil inteiro.

    Basta partir-se agora para a ação concreta e enfrentar-se os fatos de frente com realismo e coerencia com atos concretos que impeçam a implantação deste atentado contra o Brasil e seu povo, pois senão pagaremos com certeza o mais alto preço de tal aventura temerária aos destinos da Nação.

     
  3. Meu total apoio ao corajoso Dom Aldo. É de bispos como ele que os brasileiros precisam. Em frente Dom Aldo, os corações dos católicos lhe aplaudem. Não tema os baderneiros, usam a violência porque são fracos e em pequeno número. Meus parabéns.

     
  4. @jairo
    Concordo plenamente com a frase de Rodrigo Constantino citada por Jairo: “…assumo que votarei em Serra, Meu voto é anti-PT acima de qualquer coisa. Meu voto é contra o Lula, contra o Chávez, que já declarou abertamente apoio a Dilma. Meu voto não é a favor de Serra. E, no dia seguinte da eleição, já serei um crítico tão duro ao governo Serra como sou hoje ao governo Lula. Mas, antes é preciso retirar a corja que está no poder.” E digo mais, sendo eu uma verdadeira cristã não poderia jamais apoiar um candidato que é favorável ao aborto, ao ‘casamento'[?] homossexual, divórsio ‘facilitado’ e tantos outros absurdos que dá no mesmo que dizer: SOU ANTI-CRISTO!!!

    É isto que tento dizer aos meus colegas petistas, eu não sou puxa-saco do Serra nem da Marina, não vou soltar um rojão sequer por eles, caso seja o vencedor, eu apenas estou procurando votar no menos ruim porque pretendo continuar no direito de escolher em quem votar, de poder educar os meus filhos, não que eu seja de acordo com os ‘tapas’, mas ao menos que eles entendam que quem ditam as regras são os pais que passaram noites e noites em claro quando pequenos…que é a mim e meu esposo que devem obediencia e respeito segundo a bíblia, porque do jeito que vai logo logo o inferno que já se instala ficará insuportável!!

    Tenho esperanças de que o Brasil se torne um país de ‘gente’, porque a mim está parecendo de Leões, digo, governado pelas bestas feras que se unham pelo poder a qualquer custo.

     
  5. Desde que soube que o Instituto Millenium era um dos patrocinadores do notável Fórum a respeito do PNDH-3, do qual participaram figuras altamente respeitáveis da sociedade brasileira

    (como o prof. Ives Gandra Martins, o deputado Paes de Lira e o grande arquiteto e escritor Adolpho Lindenberg),

    quis chamar a atenção para a estranheza do fato.

    Que fato? O Instituto Millenium estar patrocinando o Fórum sobre o PNDH-3.

    O comentário do sr. Jairo, exaltando a pessoa do economista Rodrigo Constantino, “membro-fundador do Instituto Millenium”, convenceu-me a dizer o que precisa ser dito e que, afinal de contas, não é nenhuma novidade. Não tenho a pretensão de descobrir a pólvora ou de ser a bala que matou Kennedy.

    Nada posso falar nem contra nem a favor do sr. Rodrigo Constantino. Devo, porém, ressaltar que um homem da estatura do prof. Olavo de Carvalho, de cuja coragem e inteligência ninguém pode duvidar, o tem como pessoa dúbia e viciada. Os motivos ao certo? O sr. Constantino seria, não um conservador, mas unicamente um liberal. Um problema e tanto.

    Quanto ao Instituto Millenium, vejamos:

    lendo o precioso blog da jornalista Graça Salgueiro, de já tantos serviços prestados ao Brasil (e sem ajuda financeira nem do setor privado, muito menos do público), numa seção de comentários, transcrevo a seguinte troca de palavras entre a sra. Thalito Novo, coordenadora de redes do Instituto Millenium, e a própria editora do blog, Graça Salgueiro:
    _________________________________

    Prezado,

    Sou coordenadora de redes no Instituto Millenium http://www.imil.org.br/. O Instituto Millenium luta pela defesa do Estado de Direito, da liberdade, da democracia e da economia de mercado, em suma, por um Brasil mais próspero e livre.

    Nós temos acompanhado e apreciamos o trabalho do seu Blog e estamos muito interessados em promover uma parceria com troca de links e de banners entre nossos blogs. Ficaríamos muito honrados se aceitasse nosso convite.

    Aguardo seu contato,

    Atenciosamente,

    Thalita Novo
    Coordenadora de Redes
    Instituto Millenium
    Praça Floriano, 55 – 1001
    Centro, Rio de Janeiro -RJ
    http://www.imil.org.br/
    http://www.imil.org.br/blog/
    thalita.novo@institutomillenium.org

    18 Agosto, 2010 02:18

    Prezada Thalita,

    Em primeiro lugar, eu sou MULHER, com muito orgulho e nenhuma dúvida, portanto, retifico o prezado.

    Em segundo lugar, eu conheço o Instituto Millenium e já constei como “colaboradora” por um tempo, até ver que vocês fazem propaganda enganosa, na medida em que pregam o liberal-conservadorismo mas bajulam o governo e vários comunas, como naquele encontro ocorrido em março em São Paulo em que palestraram alegremente o Antonio Palloci e o Jabor.

    Se não fosse verdade o que afirmo, por que o Paulo Uebel fez estas declarações tão elogiosas ao infeliz Lula?

    Posto aqui o vídeo para que meus leitores julguem se isto é o que pensam os verdadeiros conservadores e defensores da democracia no Brasil: http://www.youtube.com/watch?v=mDczgwHkhzg&feature=related

    Quanto ao convite para uma parceria, não, muito obrigada. Quero distância de vocês porque não sou hipócrita e não jogo no mesmo time.

    Atenciosamente,

    MG

    http://notalatina.blogspot.com/2010/08/santos-chavez-e-o-carro-bomba.html
    _____________________________________

    Não houve resposta por parte da sra. Thalita Novo.

    Também nada posso falar a respeito. Posso, isto sim, falar da sra. Graça Salgueiro, como um exemplo de honorabilidade, de desprendimento, de honradez e de autêntico patriotismo e inabalável postura conservadora.

    Acessando o site do Instituto Millenium, tomamos conhecimento dos seus patrocinadores (e a coisa fica ainda mais cabeluda).

    Vejamos:

    Daniel Feffer – Grupo Suzano
    Gustavo Marini – Turim
    Hélio Beltrão – Instituto Mises Brasil
    João Roberto Marinho – Organizações Globo
    Jorge Gerdau Hohannpeter – Grupo Gerdau
    Josué Gomes da Silva – Coteminas
    Maristela Mafei – Maquina de Noticiais
    Pedro Henrique Mariani – Banco BBM
    Roberto Civita – Grupo Abril
    Salim Mattar – Localiza
    Sergio Foguel – Grupo Odebrecht
    Washington Olivetto – W/MacCann
    William Ling – Petropar

    http://www.imil.org.br/institucional/como-participar/

    Novamente: nada posso falar dos projetos e propósitos do Instituto Millenium. É inegável, porém, o seu talento em se envolver com gente sórdida e que, há muitos anos, se dedica a destruir os últimos vestígios da Civilização Cristã no Brasil.

    Só os nomes dos srs. João Roberto Marinho (Organizações Globo) e Roberto Civita (Grupo Abril) bastariam para desacreditar totalmente o Instituto Millenium perante a opinião pública.

    Mesmo desconhecendo as opiniões (em verdade, autorizadíssimas) do prof. Olavo de Carvalho e da jornalista Graça Salgueiro, uma entidade subsidiada pela Globo e pelo Grupo Abril não pode ser levada a sério pelos verdadeiros patriotas e conservadores.

    Não estou (longe disso) acusando o IPCO de conluio com o Instituto Millenium, só porque ambos foram parceiros na promoção de um fórum, afinal de contas, de suma importância na luta contra o comunismo. (Conheço a grandeza humana e a fé católica que norteiam este Instituto, que homenageia um dos maiores brasileiros do século passado).

    Estou apenas, como disse no começo desta mensagem, chamando a atenção para a estranheza do fato de uma entidade que recebe dinheiro da Globo e do Grupo Abril manifestar-se contrariamente ao PNDH-3, cujas propostas básicas (aborto, “casamento” gay, coletivismo agrário, etc…) foram tão alardeadas (e, inclusive, subsidiadas) pelas mesmas Globo e Grupo Abril.

    Creio que razão não me falta.

     
  6. Isso já era de se esperar, pois para os alienados pela ideologia partidaria, a democracia é quando eles estão no poder mandando, e ditadura é quando eles não estão no poder.

    A ESCOLHA DE SOFIA

    “O maior castigo para aqueles que não se interessam por política, é que serão governados pelos que se interessam.” -Arnold Toynbee-

    Como vocês sabem, a escolha de Sofia é a história de uma mãe judia no campo de concentração nazista de Auschwitz, que é forçada por um soldado alemão a escolher entre o filho e a filha – qual será executado e qual será poupado. Se ela se recusasse a escolher, os dois seriam mortos. Ela escolhe o menino, que é mais forte e tem mais chances de sobreviver, porém nunca mais tem notícias dele.
    A questão é tão terrível que o título se converteu em sinônimo de decisão quase impossível de ser tomada.

    Envio para vocês um artigo escrito em final de 2009 pelo economista Rodrigo Constantino. Autor de 5 livros. Escreve a coluna “Eu e Investimentos” do jornal Valor Econômico. É também colunista do jornal O Globo.
    Membro-fundador do Instituto Millenium. Vencedor do prêmio Libertas em 2009, no XII Forum da Liberdade. Seu curriculum vai muito além, é extenso e respeitável. Segue seu artigo:

    ” Serra ou Dilma? A Escolha de Sofia.”
    (por Rodrigo Constantino )
    Tudo que é preciso para o triunfo do mal é que as pessoas de bem nada façam
    (Edmund Burke)

    Agora praticamente é oficial: José Serra e Dilma Rousseff são as duas opções viáveis nas próximas eleições. Em quem votar? Esse é um artigo que eu não gostaria de ter que escrever, mas me sinto na obrigação de fazê-lo.

    Os antigos atenienses tinham razão ao dizerem que assumir qualquer lado é melhor do que não assumir nenhum?

    Mas existem momentos tão delicados e extremos, onde o que resta das liberdades individuais está pendurado por um fio, que talvez essa postura idealista e de longo prazo não seja razoável. Será que não valeria a pena ter fechado o nariz e eliminado o Partido dos Trabalhadores Nacional – Socialista em 1933 na Alemanha, antes que Hitler pudesse chegar ao poder? Será que o fim de eliminar Hugo Chávez justificaria o meio deplorável de eleger um candidato horrível, mas menos louco e autoritário? São questões filosóficas complexas. Confesso ficar angustiado quando penso nisso.

    Voltando à realidade brasileira, temos um verdadeiro monopólio da esquerda na política nacional. PT e PSDB cada vez mais se parecem. Mas existem algumas diferenças importantes também. O PT tem mais ranço ideológico, mais sede pelo poder absoluto, mais disposição para adotar quaisquer meios os mais abjetos para tal meta. O PSDB parece ter mais limites éticos quanto a isso O PT associou-se aos mais nefastos ditadores, defende abertamente
    grupos terroristas, carrega em seu âmago o DNA socialista. O PSDB não chega a tanto.

    Além disso, há um fator relevante de curto prazo: o governo Lula aparelhou a máquina estatal toda, desde os três poderes, passando pelo Itamaraty, STF, Polícia Federal, as ONGs, as estatais, as agências reguladoras, tudo!
    O projeto de poder do PT é aquele seguido por Chávez na Venezuela, Evo Morales na Bolívia, Rafael Correa no Equador, enfim, todos os comparsas do Foro de São Paulo. Se o avanço rumo ao socialismo não foi maior no Brasil, isso se deve aos freios institucionais, mais sólidos aqui, e não ao desejo do próprio governo. A simbiose entre Estado e governo na gestão Lula foi enorme. O estrago será duradouro. Mas quanto antes for abortado, melhor será: haverá menos sofrimento no processo de ajuste. Justamente por isso acredito que os liberais devem olhar para este aspecto fundamental, e ignorar um pouco as semelhanças entre Serra e Dilma. Uma continuação da gestão petista através de Dilma é um tiro certo rumo ao pior.

    Dilma é tão autoritária ou mais que Serra, com o agravante de ter sido uma terrorista na juventude comunista, lutando não contra a ditadura, mas sim por outra ainda pior, aquela existente em Cuba ainda hoje. Ela nunca se arrependeu de seu passado vergonhoso; pelo contrário, sente orgulho. Seu grupo Colina planejou diversos assaltos. Como anular o voto sabendo que esta senhora poderá ser nossa próxima presidente?! Como virar a cara sabendo que isso pode significar passos mais acelerados em direção ao socialismo bolivariano?

    Entendo que para os defensores da liberdade individual, escolher entre Dilma e Serra é como uma escolha de Sofia.Anular o voto, desta vez, pode significar o triunfo definitivo do mal. Em vez de soco na cara ou no estômago, podemos acabar com um tiro na nuca.

    Dito isso, assumo que votarei em Serra, Meu voto é anti-PT acima de qualquer coisa. Meu voto é contra o Lula, contra o Chávez, que já declarou abertamente apoio a Dilma. Meu voto não é a favor de Serra. E, no dia seguinte da eleição, já serei um crítico tão duro ao governo Serra como sou hoje ao governo Lula. Mas, antes é preciso retirar a corja que está no poder.

    Antes é preciso desarmar a quadrilha que tomou conta de Brasília. Só o desaparelhamento de petistas do Estado já seria um ganho para a liberdade, ainda que momentâneo.

    Respeito meus colegas liberais que discordam de mim e pretendem anular o voto. Mas espero ter sido convincente de que o momento pede um pacto temporário com a barbárie, como única chance de salvar o que resta da civilização – o que não é muito, mas é o que hoje devemos e podemos fazer!

     
  7. Quero saber qual vai ser a atitude da CNBB. Afinal foi um de seus mais distintos membros, um Arcebispo, ser provocado dessa maneira e pior por organismos que eles da CNBB favorecem. Vai haver ato público de desagravo promovido pela CNBB?

     
  8. Se querem de fato estar ao lado do povo, devem os senhores bispos católicos, a exemplo de Dom Aldo de Cillo Pagotto, colocar-se “ao lado de Jesus Cristo e seu Evangelho”, e não no de Marx e de seu “Capital”, como muitos o fazem ao apoiar o famigerado “Grito dos Excluídos”, que não é senão luta de classes para conduzir o Brasil ao comunismo.

     
  9. Não se pode esperar grande coisa desses agitadores…

    A Pátria dessa gente imunda, escória da humanidade, pior caterva jamais surgida no palco da história, não é o Brasil, ou qualquer outro país que o fosse – a pátria dessa gente é a Revolução, o caos, o espírito de rebelião, a desonra e a iniquidade.

    Esta semana assisti a um vídeo de um pastor protestante, Paschoal Piragine Jr., de uma igreja batista de Curitiba. Não é possível discordar do que ele disse, tanto mais por sua segurança e discernimento ao tratar dos perigos que ameaçam o Brasil.

    Nós, católicos, de modo algum nos oporíamos a uma frente acima de todos os credos, quando estivesse em jogo o bem da Pátria. O Papa Pio XI, por exemplo, em sua magnífica encíclica contra o comunismo (DIVINI REDEMPTORIS, 1937), exorta da seguinte maneira as pessoas de boa vontade:

    APELO A TODOS OS QUE CRÊEM EM DEUS

    72. Mas a esta luta, empenhada pelo poder das trevas contra própria idéia da Divindade, é-Nos grato esperar que, além de todos aqueles que se gloriam do nome de Cristo, se oponham também denodadamente todos quantos crêem em Deus e o adoram, que são ainda a imensa maioria da humanidade. Renovamos, por isso, o apelo que já, há cinco anos, lançamos em Nossa Encíclica Caritate Christi, para que também eles leal e cordialmente concorram de sua parte “para afastar da humanidade o grande perigo que a todos ameaça”. Porquanto, – como então dizíamos -, se “a crença em Deus é o fundamento inabalável de toda a ordem social e de toda a responsabilidade na terra, todos os que não querem a anarquia e o terror devem trabalhar energicamente para que os inimigos da religião não alcancem o fim que tão abertamente proclamam” (Encíclica Caritate Christi, 3 de maio de 1932: A.A.S., vol. XXIX (1932), pág. 184).

    http://www.vatican.va/holy_father/pius_xi/encyclicals/documents/hf_p-xi_enc_19370319_divini-redemptoris_po.html

    Pio XI não deixou margem para sofismas. Os católicos podem, e devem, aliar-se a todos aqueles que “fazem da crença em Deus” o “fundamento inabalável de toda ordem social”, para fins meramente temporais.

    Haja vista, no Brasil, o caso da Ação Integralista Brasileira, de tão curta duração (1932-1937), mas de tão fecundos e duradouros frutos.

    Foi a primeira escola de educação para a vida pública de uma admirável pleiade de brasileiros comprometidos com os destinos do país (além dos escritores Plínio Salgado e Gustavo Barroso e do jurista Miguel Reale, foram integralistas eminentes Câmara Cascudo, Gerardo Mello Mourão, Alfredo Buzaid, Goffredo Telles Jr., San Tiago Dantas, Adonias Filho, Alvaro Lins, Alceu Amoroso Lima, Augusto Frederico Schmidt, etc, etc…).

    A despeito da variedade do grupo e dos muitos equívocos que os antigos integralistas cometeram posteriormente (e mesmo durante a década de 1930), não se lhe pode negar o brilhantismo da inteligência e a importância de sua atuação.

    Mas aí reside um problema.

    Esse admirável projeto de um grande movimento cívico e cultural destinado a sacudir a consciência patriótica do povo e a reformar as instituições políticas brasileiras errou por princípio. Dir-se-ia que tinha uma base viciada, construída na areia.

    Conquanto a Ação Integralista Brasileira fosse constituída predominantemente por católicos e tivesse recebido apoio, ora discreto, ora abertamente, de inúmeros prelados de nomeada, sua doutrinação não fazia ver a precedência do catolicismo sobre todos os outros credos.

    Militavam em suas fileiras católicos, protestantes, judeus, espíritas, entre outros, e a idéia vaga de um Deus indefinido era aceita como a mais natural. Diziam que não eram “sectários”, de modo que advogavam o mesmo estado laico da Primeira República, sem qualquer privilégio para a Igreja Católica, que fora quem verdadeiramente fundara e civilizara o país.

    Todo este arrazoado serviu para dizer que, de forma alguma, consoante o ensinamento dos papas, inclusive de Pio XI, aceitemos transigir quanto à integridade e ortodoxia de nossa sagrada fé católica, ainda mais em função de fins meramente políticos ou temporais.

    Não estou falando para permitirmos, por exemplo, a introdução do aborto irrestrito em nossa Pátria, não nos aliando a protestantes, porque eles estão bem contentes com a laicidade do Estado. Estou apenas lembrando, dentro das minhas parcas possibilidades, que não devemos escamotear certos princípios da nossa fé católica, transfigurando-a e “adaptando-a” aos novos tempos. Isso, sim, é heresia; isso, sim, é cisma.

    Não devemos esquecer, outrossim, que o cerne do protestantismo, como o próprio nome dá a entender, é o mesmo espírito de rebelião de todo e qualquer movimento subversivo da ordem pública e da estrutura da realidade, tal como Deus a criou (MST, os movimentos quilombola e gayzista, etc…).

    O livro essencial do prof. Plínio Corrêa de Oliveira (“Revolução e contra-revolução”), que tratou do processo secular de dissolução da Civilização Cristã, se talvez peque em seus acidentes, é, todavia, milimetricamente correto e preciso quanto à existência daquele mesmo processo: atentar contra a Santa Madre Igreja é, em suma, a razão de existir dos “revolucionarismos” de todos os matizes.

    Somente a pureza da fé católica pode destruir TOTALMENTE a Revolução, e sua luta jamais pode ser considerada de ordem política, ou naturalista, mas caracterizadora da eterna luta dos agentes de Satanás contra os filhos do Cristo Jesus.

     
  10. Só existem duas posições quando se trata de ser CRISTÃO, somos cristãos ou não! assim são as denominações religiosas, quem não é cristão e não acredita em Deus, supunhamos que acredite em algo contrário a Deus. É assim que entendo, ou seja que nós cristãos entendemos, não existe meio termo, ou somos cristãos e aí envolve todas as denominações que acreditam em Deus, ou então acreditam em outro ser que rege a vida dessas pessoas, logo não é DEUS, porque Deus é um só, não tem pseudônimos, apelidos, ou seja lá o que denominarem. Deus para mim é tudo !!! Vamos orar e pedir a proteção e direção divina em nossas vidas.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome