“A Adoração dos Reis Magos” (1445) — Galeria Nacional de Arte de Washington. A pintura sobre madeira apresenta os três reis magos à frente a uma magnífica procissão (simbolizando todas as raças da humanidade) que espera sua vez para adorar o Menino Jesus. O pavão-real simboliza a Ressurreição de Cristo. Alguns especialistas afirmam que Fra Angélico (1387-1455) pintou as figuras principais e um de seus discípulos (provavelmente o monge Filippo Lippi) completou a obra.

O Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo nos faz entrar na atmosfera encantadora e sublime das harmonias de um rei que assume a natureza humana no ventre virginal de Maria Santíssima por obra do Espírito Santo para redimir o gênero humano.

Veja vídeo
Votos de Feliz Natal e
bom Ano Novo do IPCO

O que nos diz a singela, ordenada, pura e virginal cena de uma mãe que contempla seu filho que é ao mesmo tempo Deus e homem?

Que olhar, que esplendor, no qual se reflete um interesse pelas mais sublimes virtudes de um brilho fulgurante!

Aquele Menino recém-nascido constitui-se o herdeiro universal de todas as coisas. Ao mesmo tempo em que é Filho do Eterno Pai, torna-se Filho da Virgem Maria.

Aquele que é o esplendor, o reflexo, a imagem do Padre Eterno, recebe a carne e o sangue, ou melhor, a vida aqui na Terra, servindo-se da mais santa de todas as criaturas.

Enfim, quem é esse Menino tão terno, tão angelical, tão inocente, tão meigo e tão doce? Dirá a Mãe: Tu és o meu filho, eu te dei à luz. E o Menino se entretém num diálogo cuja melodia faz encantar a natureza inteira.

Se Eu sou o teu filho e me deste à luz, e todas as coisas vieram de minha onipotência, como, então, Eu, sendo Deus, Filho do Eterno Pai, posso unir algo que parece contradição? Teria acaso uma natureza finita, limitada o Eterno, Aquele que sempre existiu?

“Adoração dos pastores”,
Juan Bautista Maino (1612), Museu do Prado

Meu Filho, sim, Tu és eterno, substância e sustentáculo de tudo; vieste ao mundo tomando a natureza humana para redimir essa raça perdida pelos nossos primeiros pais.

Tu és o Sacerdote de uma nova lei, que é a lei da bondade cristã. Enquanto deste a vida a mim, eu Te dei a vida a Ti, pois Tu és o mais formoso de todos os filhos da raça de Adão.

Se assim é, ó Mãe, como então Aquele que é a primeira pessoa da Santíssima Trindade me diz: Tu és o meu Filho, eu hoje te gerei?

Sim, meu filho, Tu és o primogênito, o mais excelente ser que a Terra contemplou; se Tu és a substância do Pai Eterno, és também de minha substância, porque Tu vieste instalar um sacerdócio perene no mundo segundo a ordem de Melquisedec porque imolarás essa nova natureza que Te dei.

Então, Tu és, ó Mãe, a mais formosa de todas as mulheres, porque no teu fiat, no teu consentimento, soubeste imolar o Verbo de Deus, isto é, a palavra eterna que se torna homem, reunindo o infinito – Aquele que é Deus – ao finito – Aquele se fez homem, portanto duas naturezas numa só pessoa, que é a pessoa do filho.

Tu és a Mãe de Deus, a mais formosa e a mais excelente das criaturas. Na manjedoura já começa o meu calvário, que é o meu sacerdócio, um culto que um Deus-Homem oferece à divindade, reparando assim, com a nova natureza que recebi de ti, o pecado que inundou a Terra.

— Sim, ó meu Deus, o teu trono, o teu cetro, é um cetro de equidade, de justiça e de amor, pois teu Nome será repetido até os confins da Terra, e reinarás no mundo inteiro, porque implantarás a religião da bondade, do perdão, da misericórdia, do heroísmo, da coragem, da fortaleza, da verdade, da fé, do zelo, da generosidade, da pureza, da virgindade.

Sendo Deus com o Pai e o Espírito Santo, Tu és também meu Filho, por pura bondade tua, e por bondade do Espírito Santo, que me desposou e operou essa obra insigne no amor de um Deus que se faz homem, da palavra eterna, isto é, o verbo de Deus que quis encerrar em meu ventre e vir à luz para espancar as trevas e inundar o mundo de grandes realizações.

Genuflexa eu Te adoro, rendo homenagens por todos os homens, pois Aquele que é criador quis também ser criatura; o que é eterno quis também ter um começo nesta Terra para implantar a religião que todos os homens devem abraçar e sem a qual não terão os meios de salvação.

De tal forma, ó Filho amado, esplendor e glória minha, que um Deus em três pessoas há de realizar em Ti algo com o qual toda a Terra há de beneficiar-se e o inferno de tremer, pois a eternidade se instalará na Terra através da Igreja que fundaste e contra cuja perenidade as portas do inferno não prevalecerão. Pode o inferno rugir, mas de nada adiantará!

 
COMPARTILHAR
Artigo anteriorCriminoso cruel, pretexto para o desarmamento?
Próximo artigoArmas e estatísticas
Padre David Francisquini
Pe. David exerce sua missão sacerdotal na Igreja do Imaculado Coração de Maria, em Cardoso Moreira (RJ). Entusiasta do livro Revolução e Contra-Revolução, do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, o Revmo. Pe. David sempre propagou os ideais deste insigne pensador e líder católico. Pe. David é autor de dois livros importantes para a defesa da família Brasileira: "Catecismo contra o Aborto" e "Homem e Mulher, Deus os criou".

4 COMENTÁRIOS

  1. “O melhor presente não se embala em papel, nem tem laços de fita dourada.

    Jesus nasce onde existe amor!

    Que a alegria do Natal esteja presente em cada dia do Novo Ano.

    Que o amor do Menino Jesus fortaleça sempre mais vossos corações.”

    Feliz Natal e um Ano Novo cheio de Paz e Alegria.

     
  2. Obrigado pela mensagem. Retribuo também ao Instituto Plinio Corrêa de Oliveira que tanto tem lutado contra todas más doutrinas e ações, por todos os meios legais, mas principalmente obedecendo as leis de Deus. A todos também meus votos de um Feliz Natal e Ano Novo cheio de bençãos.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome