Estudo do Ministério da Saúde desmente tese dos pró-aborto e do próprio Ministério

‘O fio condutor da síntese foi o de recuperar dados que
lançassem luzes sobre a tese do “aborto como uma questão
de saúde pública no Brasil”.’ (Aborto e saúde pública no Brasil: 20 anos) http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/livro_aborto.pdf

Os movimentos feministas têm utilizado o falso argumento de que é necessário legalizar o aborto, pois as mulheres procuram clínicas clandestinas despreparadas, o que as põe em sério risco de vida. Legalizar o aborto seria, dizem eles, uma questão de “saúde pública”.

Não queremos aqui mostrar o quanto esse argumento é um sofisma, que desconsidera a vida do bebê, e sobretudo a Lei de Deus. Desta vez, deixemos que o próprio Ministério da Saúde – que tanto tem favorecido o aborto – desminta o argumento das feministas.

Através de um estudo denominado “Saúde Brasil”, edição 2011, o referido Ministério publicou resultados sobre mortalidade materna, dos quais podemos concluir: a mortalidade decorrente de complicações de aborto clandestino não valida a tese do “aborto como uma questão de saúde pública no Brasil”.

O estudo mostra que a maior causa de mortalidade entre mulheres são doenças circulatórias (34,2%). A segunda causa é o câncer (18,3%). As duas causas respondem a 52,5% dos óbitos. Restam 47,5%  por outras causas, como morte natural, acidentes, assassinatos e outras enfermidades.

O Blog da Saúde – do Ministério da Saúde – não menciona a taxa de mortalidade por complicações de aborto clandestino. O que representaria uma falha imperdoável se de fato esta “causa mortis”  fosse verdadeiramente uma “questão de saúde pública”.

Sempre faltaram aos pró-aborto argumentos de ordem moral e social. Agora até suas falsidades numéricas são desmentidas.

Leia o próprio texto do Blog: <http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/noticia/7763/162/mortalidade-feminina-cai-%3Cbr%3E12-nos-ultimos-10-anos.html>

 

6 COMENTÁRIOS

  1. “Ademais, existem diferenças que fazem com que a saúde das mulheres mereça atenção
    particular, conforme reconhecido pela Política Nacional de Saúde da Mulher9
    . Entre essas
    particularidades, podem ser citadas as questões reprodutivas, as morbidades intrinsecamente
    femininas – como câncer de mama e do colo uterino – e a vulnerabilidade à
    violência doméstica e sexual. ” (retirado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2011.pdf)
    Será que isso pode incluir o aborto clandestino e entao virar argumento de feminazi? Helppp

     
  2. Isso realmente é um despautério!
    Desconhecem essas pessoas que, em apenas 10 anos(1998-2008) cerca de 43.000(quarenta e três mil) mulheres morreram no Brasil, não por causa de aborto praticados clandestinamente, mas em razão de assassinatos, favorecidos principalmente por causa de nossas leis lenientes, que geram a sensação de impunidade nos algozes das mulheres, cujos movimentos feministas, ESTRANHAMENTE, pouca importância dão a essa CAUSA MAIOR DE MORTALIDADE DE NOSSAS MULHERES!
    – A CULTURA DO ABORTO, É ALGO REALMENTE MALIGNO, A TAL PONTO DE ESQUECEREM DA PRINCIPAL CAUSA DA MORTANDADE DE MULHERES NO BRASIL, O ASSASSINATO!

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome