Falência múltipla dos órgãos

operação

O título deste artigo é emprestado de um jargão da medicina, que vem sendo vulgarizado ultimamente. Descreve com um realismo cru a situação desesperadora de certos doentes terminais, que nada mais têm a esperar da vida, a não ser talvez o milagre. É comum encontrar essa expressão nos obituários, como indicação da causa mortis.

Também a sociedade humana constitui um corpo. Muito mais complexo que o dos indivíduos, é certo, mas nem por isso imune a misérias e vicissitudes de toda ordem.

Assim é que, contemplando o mundo atual, tão distante daquele ideal de civilização cristã que outrora fez a glória da Igreja e da sociedade temporal, a imagem da falência dos órgãos me vem à mente.

A sanidade moral dos diferentes órgãos da sociedade parece ter entrado em falência múltipla, a um passo da decomposição final. São os políticos, com sua corrupção financeira; são as famílias que, em grande número, vão se desfazendo; são os indivíduos, frequentemente sujeitos à droga, ao nudismo que avança e às perversões de todo tipo; são por fim os meios eclesiásticos, cada vez mais penetrados pela fumaça de satanás e entregues à autodemolição, ambas constatadas por Paulo VI.

E daí vem a pergunta: estaremos já bordejando aqueles acontecimentos terríveis descritos por Nossa Senhora em Fátima?

Bem sabemos que Ela previu os castigos, mas também o triunfo do Imaculado Coração de Maria, e que depois “será dado ao mundo algum tempo de paz”.

Mas enquanto tal triunfo não se dá, é dever nosso não fechar os olhos ao fato de que Nossa Senhora em diversas aparições tem chorado como a melhor das mães poderia chorar sobre o filho sujeito à falência múltipla dos órgãos e já em estado terminal.

E a reparar o Imaculado Coração da Virgem Santíssima, tão gravemente ofendido. E a melhor reparação consiste em não dobrar os joelhos diante do Baal moderno que avança, mantendo-nos distantes de suas loucuras e indignando-nos com suas blasfêmias, quando não as pudermos impedir.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome