Pamela Druckerman 1024A jornalista americana Pamela Druckerman (foto ao lado) observou que as crianças francesas não fazem manha. E isso porque os pais sabem lhes impor limites desde a infância.

O médico Cláudio Domênico, que coordenou o último Encontro O Globo Saúde e Bem-Estar, com o tema Como estabelecer limites para ter filhos saudáveis, observou que “essa educação sem limites cria sociopatas e jovens com problemas de relacionamento social”, segundo noticiou O Globo (12/04/2015).

Domênico acredita que hoje muitos pais delegam a criação dos filhos à escola. Ele sublinhou “a importância da família na construção da saúde emocional das crianças” e que “as crianças reclamam, mas gostam de limites preestabelecidos”.

O psiquiatra Fábio Barbirato, chefe do serviço de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Santa Casa de Misericórdia do Rio, demonstrou cientificamente que dizer “não” aos filhos é difícil, mas dizer “sim” o tempo todo pode transformar uma criança mimada em um adulto sem autonomia, eternamente dependente dos pais.

“Os pais têm obrigação de dar limites, não podem ser reféns dos filhos, até porque as crianças não vão descobrir isso sozinhas e, lá na frente, tomarão uma pancada da vida”, defendeu o psiquiatra.

Principalmente para as crianças, as conquistas devem vir através do mérito. E os pais devem fugir do figurino errado de “amiguinhos” dos filhos. “Mãe que se veste com a saia igual à da filha não tem identidade, sem isso não tem respeito”, explicou.

A educadora Tania Zagury, autora dos livros Limites sem trauma e Educar sem culpa — A gênese da ética, entre outros, atribui a falta de limites a uma interpretação errada, de 40 anos atrás, quando se achou que a imposição de regras acarretava problemas emocionais.

Dizendo “sim” o tempo os pais transformam uma criança mimada em um adulto sem autonomia. O caso ironizado no filme "Bad Teacher"
Dizendo “sim” o tempo todo os pais transformam uma criança mimada em um adulto sem autonomia. O caso ironizado no filme “Bad Teacher”

Foi a época do “proibido proibir” da Sorbonne e do “hippie power” da Califórnia, que hoje demonstraram ser frustrantes e contraproducentes.

“A função principal dos pais é formar a moral e a ética dos filhos, disse Tania, mas hoje a maior preocupação dos pais parece ser fazer a felicidade das crianças”.

E completou: “Só que, se os pais fizerem tudo o que os filhos querem, a criança cresce com uma visão distorcida do mundo, não fortalece a capacidade de ouvir os ‘nãos’ da vida”.

Limite, lembrou Domênico, nada tem a ver com castigo. E os critérios variam, já que não há uma criança igual a outra, mas pede autoridade paterna e materna, e disciplina no lar.

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Concordo em gênero, número e grau com a matéria. Grande parte dessa nova geração de pais está trocando a essência da formação da criança por mimos e vontades. Isso não é educar, não contribui em nada para apresentar aos pequenos os bons valores morais e éticos que ele tanto necessita para crescer e conviver em sociedade.

     
  2. Afinal nasce uma pedagogia de bom senso.
    Educar é formar, e fazer florescer as qualidades. Educar é saber corrigir as más tendências. Educar é saber fortalecer as virtudes e ensinar, afinal de contas, que todos nascem com qualidades e defeitos.
    Nunca houve um grande homem na História que fez tudo que queria em sua infância.
    2000 anos de Sabedoria Cristã, afinal estamos voltando ao bom senso.
    M Costa

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome