Limitar a propriedade é limitar o Brasil – Faça sua parte

A Paz no Brasil depende da Paz no Campo. Faça sua parte!

Nelson Ramos Barretto

A Campanha Paz no Campo, através de seu boletim Sem Medo da Verdade, convida a todos a defenderem o Brasil de mais esta agressão: limitação da propriedade…

Estaremos caminhando rumo à cubanização? Estaremos nos assemelhando à Venezuela de Chávez?

Por que limitar a propriedade, se o Estado é o maior “latifundiário”? Limitando a propriedade, estaremos limitando o incentivo ao trabalho e à produção.

Limitando a propriedade, estaremos nos transformando em escravos do Estado. Qual a distância disso para o comunsimo? Nenhuma!

Por isso, o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira se solidariza com a importante atuação de Paz no Campo, e convida a todos seus leitores a participarem da campanha de apelo aos bispos da CNBB, alguns dos quais infelizmente são os impulsionadores desse pulo no escuro rumo à comunistização do Brasil.

Clique aqui e reaja!

 

 

 

 

 

 

Mensagem aos participantes da Paz no Campo


Encontramo-nos diante de violenta investida contra a propriedade rural.

A esquerda voltou sua artilharia contra o direito de propriedade ao propor limites ao tamanho da terra. O que passar dos limites sugeridos por eles seria simplesmente expropriado!
A proposta é a mais radical já apresentada por grupos da esquerda. São 54 entidades, incluindo Contag e MST – o Fórum Nacional pela Reforma Agrária e Justiça no Campo – que se mobilizam para:

1) Coleta de assinaturas para uma Proposta de Emenda Constitucional pela limitação da propriedade rural.
2) Convocação para um Plebiscito pelo Limite da Propriedade da Terraque ocorrerá entre os dias 01 e 07 de setembro e
3) Dia Nacional de Mobilização pelo Limite da Propriedade da Terra, que será realizado no dia 12 de agosto, em memória da “mártir” Margarida Alves, camponesa morta em 1983

Os organizadores da campanha dizem contar “com o apoio oficial da CNBB e do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil”. (Clique aqui e veja no site dos organizadores da campanha)

Foi com medidas populistas deste naipe que Chávez chegou ao poder na Venezuela e vem implantando a ditadura comunista “bolivariana”.
Para que isso não aconteça no Brasil, teremos de agir rapidamente.

Dom Cristiano Krapf, bispo de Jequié (BA), em carta aos seus colegas de Episcopado denunciou tal plebiscito como contrário aos interesses do País:

Um plebiscito para dividir fazendas?” (Clique aqui e veja no site da CNBB o documento de D. Cristiano)

Em recente reunião da CNBB em Brasília, quando foi apresentado para votação um documento de apoio ao PNDH-3, vários bispos se opuseram à iniciativa, denunciando o documento como inspirado no governo Chávez.
Vamos, pois escrever aos Bispos para que eles esclareçam à opinião pública que a absurda Campanha do Plebiscito pelo Limite da Propriedade da Terra não conta com o apoio do Episcopado Nacional.

Clique aqui e envie sua mensagem aos bispos do Brasil.

Prezado amigo, se V., eu e todos os brasileiros que desejam a manutenção de nossos direitos não lutarmos hoje, amanhã será tarde demais para lamentar.

Contamos, pois, com sua participação e mobilização ao convidar e insistir para que seus amigos façam o mesmo.

Atenciosamente

Nelson Ramos Barretto

Coordenador da Paz no Campo

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Eu já comentei no artigo anterior que a reforma agrária faz parte indissociável do ideal comunista. Aqui neste artigo reforça a tese, mas acrescida do fato de que a CNBB é a maior promotora da reforma agrária, dá para acreditar?

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome