Manobra para enganar: Marx & Cia. jogam com o tempo?

Roma, 20 de outubro de 2015 – Na última semana do Sínodo da Família, a ala progressista se empenha ainda mais em difundir a impressão de que não pretende introduzir mudanças na doutrina da Igreja.

De fato, Dom Heiner Koch, Arcebispo de Berlin, e Dom Franz-Josef Bode, Bispo de Osnabrück, em suas entrevistas de hoje se apresentaram marcadamente moderados (em relação a suas tomadas de posições anteriores) e amorteceram as esperanças de que haja grandes mudanças nos temas controversos.

Este estilo é surpreendente, posto que o cardeal Marx, o arcebispo Koch e o bispo Bode haviam apresentado muito claramente durante o Sínodo sua posição sobre a comunhão para os divorciados recasados e as parcerias extraconjugais.

Dom Stanisław Gądecki, Arcebispo de Poznan e Presidente da Conferência Episcopal Polonesa, até o momento a personalidade mais importante do setor conservador, considera este modo de agir dos bispos alemães como uma manobra enganadora.

Muito provavelmente Dom Gadecki tem razão. A esquerda católica alemã sustenta há muito tempo que o Sínodo é apenas o começo de uma revolução profunda dentro da Igreja. 

Depois do Sínodo os bispos liberais poderiam tentar impor por conta própria as reformas que não conseguiram introduzir durante o Sínodo.  Por isso insistem tão fortemente em maior autonomia para as Conferências Episcopais.

Um relatório final do Sínodo, esponjoso e passível de múltiplas interpretações, viria em auxilio dos bispos progressistas, que poderiam interpreta-lo a seu bel- prazer.

Concretamente no caso da Alemanha, estaria assim aplainado o caminho para o surgimento de uma igreja nacional que fabrica para si mesma um magistério  próprio. 

(Traduzido do original em alemão por Renato Murta de Vasconcelos)

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome