Não se pede mais “por amor de Deus”

7

Moradores de rua_2

Vem chamando a atenção em São Paulo e outras cidades brasileiras o aumento considerável dos denominados moradores de rua.

É preciso descartar desde logo a ideia, cara aos demagogos, de que se trata de um fruto do capitalismo, que produz uma classe de pessoas cada vez mais ricas e, na camada economicamente mais carente, uma inflação de sem-teto.

Numerosas pesquisas vêm demonstrando que não há um empobrecimento geral no Brasil. Pelo contrário, verifica-se uma diminuição da pobreza, com o aparecimento inclusive de uma classe média emergente, que alcança uma situação de suficiência e relativo bem-estar.

Então, como explicar o crescimento do número de mendigos?

Comecemos por uma constatação. Parece ser espécie em extinção a dos mendigos “tradicionais”, realmente necessitados, que pediam “uma esmola por amor de Deus” e que encontravam acolhida benévola e caritativa em numerosos corações.

Hoje, uma análise sociológica bem feita deveria começar por classificar os moradores de rua segundo várias categorias.

Um bom número deles não pede nada. Ficam apenas vegetando nas calçadas, remexendo o lixo, dormindo ao relento, só recebendo algo quando alguém espontaneamente oferece. Tomam suas refeições numas espécies de bandejões oferecidos por certas igrejas e instituições caritativas ou filantrópicas. Adoram o ócio e a vagabundagem.

Morador de rua_1Outros se encontram literalmente prostrados pela droga, da qual não arredam pé. Tornam-se uns mulambos humanos, olhos esbugalhados, face endurecida, prontos a pedir ou a roubar para saciar sua fome da erva maldita.

Há os pedintes inveterados, muitas vezes mulheres jovens, fazendo caras de coitadas, sempre acompanhadas de criancinhas das quais não se sabe quem é o pai, mas que são úteis para amolecer o coração dos passantes. Fala-se até, não sei com que fundamento, em aluguel de crianças para pedintes.

Há também os que recolhem papelão, e o transportam em carroças que puxam com destemor. São os mais esforçados. Na capital mineira, durante muitos anos uma frase espirituosa figurou no local onde eles reúnem o produto de seu esforço: “A vida me fez um papelão, eu fiz do papelão a minha vida”. Posteriormente foi retirada

Há ainda os mendigos eventuais, que programam sua ida às ruas para os momentos que julgam mais rendosos, como por exemplo no Natal. Informa a “Folha de S. Paulo” (19-12-13) que “famílias que moram em apartamentos na periferia de São Paulo deixam seus lares para morar um mês na rua como se fossem sem-teto, atraídas pela onda de solidariedade típica desta época do ano”.

São apenas exemplos. Um trabalho sociológico cuidadoso poderia enumerar ainda outras categorias. Quase todos os moradores de rua têm em comum que se negam a ir para os albergues, ou porque lá são obrigados a tomar banho ou por outra razão. Houve até quem declarasse que não ia para albergue porque temia ser roubado!

Sem negar que um bom número deles passa de fato por situações de miséria material e necessita ajuda, o mais pungente entretanto é sua miséria moral. Ninguém mais pede “por amor de Deus”.

Uma sociedade sem Deus em suas esferas mais altas ou medianas, produz necessariamente, nas situações sociais mais extremas, uma população carente de amparo religioso, que não sabe que rumo dar à própria existência, que oscila entre a revolta e a indolência, entre o desespero e o vício, preferindo ir morar na rua. Tornam-se presa fácil de movimentos de invasão de casas e prédios, além de outras atividades antissociais que favorecem a luta de classes.

Em meio a esse ambiente caótico, não se veem verdadeiros apóstolos da religião e da moral que se inclinem sobre esses pobres miseráveis e os ajudem a sair não só da penúria, mas também e principalmente da miséria moral a que foram relegados por uma sociedade neopagã e sem Deus.

 

7 COMENTÁRIOS

  1. Excelente artigo. No entanto, não pude deixar de notar que não é mencionado o trabalho de algumas comunidades católicas, em especial a Aliança de Misericórdia, que faz um trabalho de recolhimento das pessoas que querem sair das ruas e evangelização dessas mesmas pessoas, com casas de acolhimento espalhadas pelo Brasil todo. Esses são alguns dos “verdadeiros apóstolos da religião e da moral” que ajudam essas pobres almas a sair desse submundo dominado por forças obscuras, são missionários, moços e moças consagrados, casais também consagrados a Deus, que estendem a mão ao irmão que está numa situação degradante.

     
  2. Isso demonstra a falência do homem sem Deus!

    Eu morei na favela em Guarulhos por três anos, em situação degradante, mas nós sabíamos que existem pessoas vivendo em situação pior. Hoje a Globo manipuladora com o seu programa dominical noturno fazendo propaganda do PT ao estilo chavista falando bem da vida nas favelas.

    Eu queria morar numa favela
    Eu queria morar numa favela
    Eu queria morar numa favela
    O meu sonho é morar numa favela
    Eu me chamo de excluído como alguém me chamou
    Mas pode me chamar do que quiser seu doutor
    Eu não tenho nome
    Eu não tenho identidade
    Eu não tenho nem certeza se eu sou gente de verdade
    Eu não tenho nada
    Mas gostaria de ter
    Aproveita seu doutor e dá um trocado pra eu comer…
    Eu gostaria de ter um pingo de orgulho
    Mas isso é impossível pra quem come o entulho
    Misturado com os ratos e com as baratas
    E com o papel higiênico usado
    Nas latas de lixo
    Eu vivo como um bicho ou pior que isso

    Eu sou o resto
    O resto do mundo
    Eu sou mendigo um indigente um indigesto um vagabundo
    Eu sou… Eu não sou ninguém

    Eu to com fome
    Tenho que me alimentar
    Eu posso não ter nome, mas o estômago tá lá
    Por isso eu tenho que ser cara-de-pau
    Ou eu peço dinheiro ou fico aqui passando mal
    Tenho que me rebaixar a esse ponto porque a necessidade é maior do que a moral
    Eu sou sujo eu sou feio eu sou anti-social
    Eu não posso aparecer na foto do cartão postal
    Porque pro rico e pro turista eu sou poluição
    Sei que sou um brasileiro
    Mas eu não sou cidadão
    Eu não tenho dignidade ou um teto pra morar
    E o meu banheiro é a rua
    E sem papel pra me limpar
    Honra?
    Não tenho
    Eu já nasci sem ela
    E o meu sonho é morar numa favela
    Eu queria morar numa favela
    Eu queria morar numa favela
    Eu queria morar numa favela
    O meu sonho é morar numa favela
    A minha vida é um pesadelo e eu não consigo acordar
    E eu não tenho perspectivas de sair do lugar
    A minha sina é suportar viver abaixo do chão
    E ser um resto solitário esquecido na multidão

    Eu sou o resto
    O resto do mundo
    Eu sou mendigo um indigente um indigesto um vagabundo
    Eu sou o resto do mundo
    Eu não sou ninguém
    Eu não sou nada
    Eu não sou gente
    Eu sou o resto do mundo
    Eu sou mendigo um indigente um indigesto um vagabundo
    Eu sou o resto
    Eu não sou ninguém

    Frustração
    É o resumo do meu ser
    Eu sou filho da miséria e o meu castigo é viver
    Eu vejo gente nascendo com a vida ganha e eu não tenho uma chance
    Deus, me diga por quê?
    Eu sei que a maioria do Brasil é pobre
    Mas eu não chego a ser pobre eu sou podre!
    Um fracassado
    Mas não fui eu que fracassei
    Porque eu não pude tentar
    Então que culpa eu terei
    Quando eu me revoltar quebrar queimar matar
    Não tenho nada a perder
    Meu dia vai chegar
    Será que vai chegar?
    Mas por enquanto

    Eu sou o resto
    O resto do mundo
    Eu sou mendigo, um indigente, um indigesto, um vagabundo
    Eu sou o resto do mundo
    Eu não sou ninguém
    Eu não sou nada
    Eu não sou gente
    Eu sou o resto do mundo
    Eu sou mendigo um indigente um indigesto um vagabundo
    Eu sou o resto
    Eu não sou ninguém

    Eu não sou registrado
    Eu não sou batizado
    Eu não sou civilizado
    Eu não sou filho do Senhor
    Eu não sou computador
    Eu não sou consultado
    Eu não sou vacinado
    Contribuinte eu não sou
    Eu não sou comemorado
    Eu não sou considerado
    Eu não sou empregado
    Eu não sou consumidor
    Eu não sou amado
    Eu não sou respeitado
    Eu não sou perdoado
    Mas também sou pecador
    Eu não sou representado por ninguém
    Eu não sou apresentado pra ninguém
    Eu não sou convidado de ninguém
    E eu não posso ser visitado por ninguém
    Além da minha triste sobrevivência eu tento entender a razão da minha existência
    Por que que eu nasci?
    Por que eu to aqui?
    Um penetra no inferno sem lugar pra fugir
    Vivo na solidão mas não tenho privacidade
    E não conheço a sensação de ter um lar de verdade
    Eu sei que eu não tenho ninguém pra dividir o barraco comigo
    Mas eu queria morar numa favela, amigo
    Eu queria morar numa favela
    Eu queria morar numa favela
    Eu queria morar numa favela
    O meu sonho é morar numa favela.

    http://www.youtube.com/watch?v=1Z_ImLoPoyU

     
  3. E a miséria das cerca de doze milhões de famílias que recebem o “Bolsa Família”?!…e o porquê de não estarem incluídas nas estatísticas como desempregados?!

     
  4. AINDA SEM CONTAR OS FAVELADOS QUE SE ASSIM SE TORNARAM POR TEREM ARRANJADO MAIS DE 1 FAMILIA, BOEMIA, JOGO DE AZAR E FARRAS!
    Conheço vários exemplares desses desprecavidos que torraram o dinheiro e se obrigaram a recorrerem às favelas e, quem sabe, são hoje dos sem teto que infernizam com suas manifestações prejudicando a vida dos outros.
    Outros ficam como o acima ou narcotizados pela política comunista do PT de apoio às drogas, assim como sua liberação, embora o homem do campo na atualidade seja enxotado pelos comunistas – podem ser também vítimas – verdadeiros demônios em pessoas, com suas infernais lutas de classes jogando uns e grupos contra os outros e as escolas só doutrinando marxismo, é questão apenas de aguardar o que sucederá se mantiverem mais tempo no poder.
    Estarmos nessa situação atual mais se parece com o cálice da ira de Deus por sermos infiéis a Ele!
    Os governos comunistas promovem apenas o igualitarismo da miséria, como na idolatrada, porém favelada Cuba do PT, depois de 50 anos de comunismo, terra da miséria, subversão para exportação, mão de obra escrava, como os médicos(?) de Cuba, do tempo da escravidão no Brasil-colônia, além de apoio à venda e tráfico de drogas.
    Aliás, a socialista CNBB nem os mencionou por que não quereria desagradar o PT, sendo até relembrada por Dilma.
    Quando comunistas defendem religiosos ou se acercam deles, há algo errado.

     
  5. Infelizmente as famílias estão sendo jogadas no lixo por falta de empreenderismo na educação, saúde, transportes e tudo o que é amparado constitucionalmente.Acontece que com a retirada da matéria educação moral e cívica o que era até então um cidadão que recebia todas as orientações inclusive religiosas foi abruptamente retirado das escolas que eram continuidade do lar e foi implantado o total desinteresse pelas pessoas onde cada um cuida do seu quadrado. Infelizmente a situação tornou-se caótica que tanto os ricos ou pobres encontram-se na situação de abandono dos pais, dos Estados sendo que cada um tem suas feridas no coração. Indico também outra causa, falta de solidariedade, compaixão, fraternidade e sobretudo de amor pelo próximo. Não há mais encontros familiares onde a convivência com avós, tios, primos eram frequentes. A adoção de legislação contrária a ética e a moral estão escassos; os nossos representantes olham apenas para o seu umbigo; a nomeação de autoridades constituídas por um Poder Executivo que somente pensa na permanência e interesse próprio tem deixado a sociedade na condição de necessitado de orientação; de boa educação onde a criança, jovens não podem ser reprovados facilitando o bolsa-família que é a capacidade de fazer a pessoa não crescer intelectualmente e ajudar o nosso carente Brasil. As mazelas são muitas e o homem que antes era temente a Deus capaz de educação a sua prole está órfão de tudo e por isso estamos nessa situação de penúria espiritualmente, materialmente e espiritualmente. Ninguém se importa com o irmão que sofre.Graças à Deus Ele colocou no meu coração a vontade de ajudar as pessoas e o faço de coração. Mas, quando entro em contato com autoridades administrativas elas ficam no na palavra que rapidamente vão embora como vento ou fumaça. O que faço vou para as Praças da Cidade, atualmente duas onde Cadastro as Pessoas de RUA, onde os mesmos relatam a situação amorosa, familiar, laboral, virtudes boas e más e abrem os seus corações e o que posso fazer o faço porque não tenho medo de lidar com essas pessoas porque precisam de atenção afetiva, alguém para conversar; encaminhamento médico e oftalmo; posição de andamento processual se este reponde penalmente e outras orientações espirituais indicando DEUS para eles segundo a PALAVRA DO EVANGELHO, simplesmente porque sou uma pessoa que me sinto amada por Deus e pela minha família e por isso faço o que Jesus pede a todos para fazermos pelos outros pois assim fazendo para os pequeninos estamos fazendo para Ele.Nesse rol tem pessoas que necessitam de bens materiais e também pessoas que não necessitam de bens materiais e sim de acolhimento.Faço a minha parte para que nenhum dos meus venham integrar esse triste rol de pessoas, pois somente àquele que serve merece um bom lugar tanto aqui na terra como na vida eterna.Que Deus coloque nos corações das pessoas a fé, a caridade e a esperança de que o mundo volte a ter conhecimento do amor de Deus.

     
  6. Sem sombra de dúvida alguma é a mais pura verdade! Me canso de ver na cidade onde estou morando atualmente ( Montes Claros – MG) tal fato, Mendigos amontoados por todos os lados! Abordam-me com os seguintes dizeres: E ae doutor, tem um trocado ai para comer algo? dentre outros que sem dúvida vão de gírias infames a comportamentos pervertidos e pífios. Sem contar a onde esquisita e diabólica dos “Capa Preta” e seus asseclas. Graças as promessas de Nossa Senhora e a observância dos ensinamento de tão sublime santo súbito que é o Sr. Dr. Plínio Correi de Oliveira, venho me mantendo firme e inflexível no combate a tais movimentos. Sem dúvida uma ameaça a Civilização Cristã! Sendo assim, dou os meus parabéns ao autor de tão relevante artigo. E convido a todos a rezar, para que os castigos de Nossa Senhora em Fátima, recaia sobre estes inimigos de Deus e sua santa igreja, começando pelos traidores que se encontram no clero e indo até os mais insignificantes, como são estes parasitas que vivem nas ruas. Rezemos!

    Abraço Fraterno in Domina.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome