pec-trabalho_escravo

Boletim Sem medo da Verdade

Queremos chamar sua atenção para um assunto que afeta o direito de propriedade no campo e na cidade.

Durante a noite, sob estrito silêncio dos meios de comunicação e da classe proprietária, o Congresso tenta aprovar Proposta de Emenda Constitucional – PEC 57A – que prevê expropriação sumária, sem indenização, da propriedade rural ou urbana caso haja ‘trabalho escravo‘.

Trata-se, aliás, de uma figura jurídica ambígua que abrirá caminho para as maiores arbitrariedades. Ela poderia se chamar com todo propósito PEC-armadilha contra a propriedade.

Alguém já a apelidou também de PEC da hipocrisia, pois seus autores a conceberam com alta carga emocional, explorando ao máximo a palavra escravidão. A quem pode interessar isso? – Àqueles que odeiam o agricultor e a sua propriedade!

Sim. Eles querem a expropriação das terras. Aquilo que não se conseguiu na Constituinte em nome da Reforma Agrária, pretende-se agora ­– a propósito do pretenso trabalho escravo – golpear mortalmente, isto é, o direito de propriedade.

Com efeito,a PEC fala em expropriação.O que equivale a penalizar a propriedade e não o proprietário criminoso. Expropriação é igual à desapropriação sem nenhuma indenização.

A Cortina de Ferro caiu em 1989 desvendando para o mundo o fracasso e o terror do socialismo. Na América do Sul, suas viúvas querem ressuscitá-lo com outras roupagens, como os ‘direitos humanos’ do PNDH-3.

A agropecuária foi escolhida como alvo pela CPT, remanescentes das CEBs, MST,certas ONGs, setores influentes da OIT e Ministério do Trabalho como o principal obstáculo a ser derrubado para se alcançar a meta socialista e igualitária.

Porque tanta insistência sobre trabalho escravo? Por que vinculá-lo quase tão- só à agropecuária, como se trabalho escravo fosse prática habitual no meio rural? Por que expropriação? Não constituirá temeridade pôr na Constituição esse instrumento draconiano, aplicável a um crime indefinido, sujeito a generalizações?

A Campanha Paz no Campo alerta sobre os efeitos da eventual aprovação da PEC 57A, pois o Brasil ganhará mais uma fonte de conflitos no meio rural, onde os agitadores e invasores profissionais não desejam outra coisa!

O que o País precisa é de uma reforma das leis trabalhistas para mais bem atender as suas atividades econômicas, sobretudo às do campo. Leis que facilitem a geração de emprego e a legalização de milhões de trabalhadores informais.

Não permitamos esse golpe mortal contra o direito de propriedade sob pretexto escuso de ‘trabalho escravo’.

Envie sua mensagem a todos os senadores de sua região.

Não perca tempo! Participe da Campanha enviando logo a sua mensagem. Clique aqui.

Certo de sua efetiva participação, renovo os meus cumprimentos.

Atenciosamente
Paulo Henrique Chaves
Coordenador de Paz no Campo

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome