Por que gente esperta usa telefone burro?

images

Onde quer que vá, todo mundo está colado em seu “smartphone”. Em aeroportos, restaurantes ou na rua, as pessoas estão quase permanentemente coladas nestes dispositivos, obcecadas com a ideia de que não podem existir sem estarem conectadas ao mundo cibernético. Assim, enviam textos e tuítes, e-mail e Google, ‘seguem’ e ‘curtem’ no esforço de estar constantemente online. Isso se tornou parte da existência “normal” no mundo pós-moderno atual.

No entanto, nem todos estão conectados. Um número crescente de dissidentes dos smartphones está vendendo seu passe para o mundo digital. Estão comprando telefones burros que só fazem aquilo que os telefones costumavam: receber e fazer chamadas. Estes rebeldes não são ex-jogadores eletrônicos pós-modernos ou pessoas tecnologicamente inaptas. São pessoas inteligentes que usam telefones ‘burros’. E vêem sua decisão de desligar como uma experiência libertadora que lhes permite viver suas vidas livres da mediação de dispositivos eletrônicos.

Os telefones burros constituem um segmento pequeno mas robusto do mercado de telefonia. Ao comprarem um telefone barato de 30 dólares, seus proprietários poderão juntar-se ao um por cento que constitui este grupo de elite. Na realidade, muitos ‘refuseniks’, que rejeiam os smartphones são profissionais, alguns até moram no Vale do Silício, onde ajudam a projetar os dispositivos e aplicativos dos famigerados smartphones. Assim, muitos executivos podem mais facilmente responder e encomendar um simples Jitterbug flip-telefone, respondendo a um anúncio no The Wall Street Journal.

Os membros deste um porcento dão muitas razões para a sua decisão. Estes telefones duráveis ​​nunca precisarão ser atualizados com um modelo mais novo e melhor. Sua pilha dura (sem falar) algumas semanas (até 38 dias) e não exigem um plano de dados caro. Podem ser dados a crianças ou idosos para chamarem em caso de emergência ou necessidade, sem grande investimento.

Não há necessidade constante de verificar e-mails, atualizações de status ou notificações. É um simples telefone. O fato de ter este modelo básico produz nas pessoas um sentimento de grande alívio por não terem de responder e se distrair a todo momento.

Há outras razões mais cogentes para desligar o smartphone que vão além da mera conveniência pessoal. Sociólogos e outros estudiosos estão preocupados com as consequências que o uso crônico de smartphones temal Newport causado nas mentes e relacionamentos. Em seu excelente livro, Deep Work (trabalho profundo), afirma que smartphones e outros dispositivos acostumam o cérebro a estar constantemente distraído. O usuário vive em um estado de atenção dividida e não consegue se concentrar para fazer seu verdadeiro trabalho. O autor constata que tais dispositivos deterioram a capacidade da pessoa de pensar e trabalhar em profundidade.

Alega-se que os smartphones são possantes conectores do usuário com mundo, mas na verdade, são dispositivos que inibem uma profunda conexão com os outros. O recurso constante a mensagens de texto, por exemplo, elimina as expressões faciais, tom e inflexão de voz que ajudam a firmar relações e a transmitir nuances. A mera presença de um smartphone em uma conversa é um convite a prestar menos atenção, uma vez que o smartphone pode causar frequentes interrupções.

Alguém poderia dizer que tais razões não fazem ninguém perder o sono. Na verdade, os smartphones são também causa de insônia. Muitas pessoas (44 por cento entre  18 e 24 anos de idade) dormem segurando seus smartphones. Quando veem notificações sonoras, as pessoas respondem, interrompendo o seu sono (e seus padrões de sono). A luz emitida pela tela também interrompe os ritmos circadianos que ajudam as pessoas a dormir bem. Além disso, a primeira coisa que muitos fazem ao acordar é verificar seus telefones.

Finalmente, há a enorme quantidade de tempo que as pessoas passam coladas às suas máquinas. Muitas gastam uma média de oito horas por dia em todos os seus dispositivos. Estão constantemente verificando seus e-mails, tweets e mensagens centenas de vezes por dia. Perdem a noção do que se passa ao seu redor, se esquecem dos afetos familiares e passam facilmente a viver fora da realidade.

Com tantas razões para cortar, seria de admirar que muitos têm aderido ao um por cento que declarou sua independência digital? Muitos deles chegam a comprar telefones burros. Outros “emburrecem” seus telefones inteligentes. Ainda outros usam aplicativos para controlar sua utilização do smartphone. É tudo parte de uma reação contra um problema muito real e bem mais profundo.

O abuso de smartphones é produto de uma sociedade frenética e desequilibrada. Não se trata somente do telefone, mas daquilo que poderia ser chamado de intemperança frenética, onde todos tem que ter tudo, instantaneamente e sem esforço. Chegou a hora de uma volta à família, à comunidade, à fé — coisas permanentes que realmente importam e não devem ser interrompidas.

Realmente, chegou a hora de um retorno à ordem. Talvez o primeiro passo seja evitar que os smartphones emburreçam as pessoas.

______________________________

(Transcrito de Crusade Magazine)

 (*) Tradução de José Aloisio Aranha Schelini

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome