Presidência russa publica fraude na Crimeia: só 15% aprovaram anexação

5
Voto não podia ser secreto e quem votasse contra se autodenunciava. Na papeleta da foto pode se ler o voto da mulher
Voto não podia ser secreto e quem votasse contra
se autodenunciava.
Na papeleta da foto pode se ler o voto da mulher

O website do “Conselho para a Sociedade Civil e os Direitos Humanos do Presidente da Rússia” postou relatório sobre os resultados do contestado referendo que anexou a Crimeia à Rússia.

A matéria foi rapidamente tirada do ar como se fosse uma perigosa confissão, mas não antes de ser registrada no exterior, no site da Forbes, por exemplo.

Segundo o referido relatório, o comparecimento às urnas foi só de 30%. E, destes, a metade votou pela anexação. O que significa que apenas 15% dos cidadãos da Crimeia aprovaram a manobra russa de anexação.

A votação transcorreu sob o olhar de soldados russos descaracterizados e exibindo suas armas automáticas Kalashnikov. A fraude ficou patente, pois o anúncio oficial apontou um comparecimento de 83% dos votantes e, destes, uma maioria de 97% teria escolhido renegar seu país, a Ucrânia.

Esses resultados fraudulentos não foram reconhecidos pela comunidade internacional. Aliás, não houve observadores internacionais fiáveis, mas tão-só um punhado de cúmplices ideológicos do ditador russo, os quais se apressaram a validar a falcatrua.

No relatório do Conselho para os Direitos Humanos do Presidente russo, o comparecimento deveria ser corrigido de 83% para no máximo 30%, e o voto pela anexação ser mudado, passando de 97% para 15%.

Fraude grosseira teve notas tragicômicas. Apuração em Bachchisaray
Fraude grosseira teve notas tragicômicas. Apuração em Bachchisaray

Porém, nada será feito, apenas o resultado verdadeiro foi retirado do site. Próximos de Vladimir Putin qualificaram a revelação do relatório de “infeliz”.

Svetlana Gannushkina, membro de dito Conselho, declarou que a votação na Crimeia “desacreditou mais a Rússia do que poderia fazê-lo um agente estrangeiro”.

Farsas semelhantes foram montadas pelos agentes pró-russos em estados do leste ucraniano para repetir o golpe da Crimeia, mas caíram no descrédito mundial.

Após anunciar resultados igualmente ocos num outro plebiscito-farsa, os agentes russos em Donetsk parecem ter perdido a fé nas fraudes que eles mesmos montam.

 

5 COMENTÁRIOS

  1. Que informação preciosa, Agradeço o site do IPCO. o único no Brasil a furar o BLOQUEIO da mídia brasileira a respeito (essa é, sem dúvida uma notícia inédita). Parabéns, e meus sinceros agradecimentos.
    Outrossim, peço a informação de como está a colocação de um bloco de leis que a presidência da república do Brasil colocou para ser votada, e , segundo me informaram, a sua aprovação IMPLICARIA EM um golpe de Estado comunista, É ISSO MESMO ?

     
  2. Paulo,os golpistas ukrainianos? Mas, que golpistas? e qual foi o golpe?
    Quais foram as benesses que os ukrainianos adquiriram com o tal golpe? E, quais são as vantagens que os crimeanos agora estão usufruindo sob o novo governo? Por que será que muitos crimeanos estão emigrando para Ukraina?
    Os ukrainianos é que perderam uma parte do território para Rússia, que aplicou um golpe fraudulento que, aliás, já foi confirmado. Quem afirma isto, além dos ukrainianos é o “Conselho para a Sociedade Civil e os Direitos Humanos do Presidente da Rússia.
    Depois da Criméia, Rússia gostaria muito de ficar com uma parte da Ukraina, como atestam suas ações financiando e fornecendo armas aos separatistas no leste do país, ajudados pelos mercenários russos e até chechenos.
    Leio diariamente os jornais ukrainianos e coloco traduções no meu blog: Notícias da Ucrânia – 2
    O. Kowaltschuk

     
  3. paulo,
    O IPCO não está acusando o Putin so por acusar, o Putin tem outra agenda, ele so defende o Cristianismo por enquanto porque lhe convém, justamente para atrair apoiadores como você mesmo, leia mais sobre ele e ficará decepcionado.

     
  4. Prezado Paulo,

    É verdade. Nem tudo o que circula pela internet é verdade. Mas muito menos o que provém da KGB, ou seja lá como eles chamem atualmente a agência do serviço secreto da Rússia.

    A atual política russa não está fora da “agenda globalista”, eles apenas mudaram o nome para multipolarismo. Querem o fim dos Estados e a implantação de blocos supra-nacionais que controlarão certas zonas dos continentes e não mais países.

    Você verá os russos criticando o liberalismo americano, mas nunca a União Europeia, pois esta será um dos blocos.

    De outra parte, o catolicismo na Rússia é perseguido. Vários bipos católicos já tiveram que se retirar de lá.

    Socialmente o país está destruído, em consequência do comunismo e da imoralidade que varre aquele pobre país continente. A média entre crianças que nascem e as que são abortadas, por ano, é quase a mesma.

    Essa história que a Rússia defende os princípios cristãos é uma farsa para conseguir simpatias. Assim como no passado o Nazismo se apresentava como uma solução (falsa, é claro) para combater o comunismo.

    Na Síria, a defesa dos cristãos foi apenas uma consequência da política do governo russo. A principal intenção deles era ganhar uma quebra de braço com os EUA (para provar que o mundo devia ser multipolar). E com Obama no poder, é evidente que eles iriam tirar vantagens, como tiraram.

     
  5. Nem tudo que circula na internet é verdade.
    Gostaria de entender porque o IPCO está com essa perseguição a Russia.
    O unico pais que está fora da agenda globalista que tenta implantar os principios anti-cristãos no mundo capitaneada pelo governo americano e europeu. Tratando os russos como limitados intelectualmente.
    Os golpistas ukranianos deviam ter pensado melhor antes de dar o golpe de estado patrocinado pelas potencias ocidentais.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome