apertura_de_los_estados_generales-620x347
Parlamento Francês em 1789, pintura de Auguste Couder

Do ponto de vista ideológico e político, os termos “direita” e “esquerda” apareceram durante a Revolução Francesa de 1789, quando os membros da Assembleia Nacional se dividiam em partidários da religião, do rei e da ordem, sentados à direita do presidente, e os partidários da revolução igualitária e do ateísmo à sua esquerda.

Um deputado, o Barão de Gauville, explicou: “Nós começamos a nos reconhecer uns aos outros: aqueles que eram leais à religião e ao rei ficaram sentados à direita, de modo a evitar os gritos, as imprecações e indecências que tinham rédea livre no lado oposto.”

Ao longo das décadas os termos “direita” e “esquerda” foram se adaptando para designar as metamorfoses sofridas pelas novas orientações religiosas, ideológicas, sociais e políticas que vieram se explicitando. Mas sempre conservando na raiz sua ligação com a origem dos termos.

Século XIX: Monarquia x República

Durante o século XIX, a “direita” designava sobretudo os monarquistas, que tinham por evidente a ligação entre monarquia e catolicismo, e que alcançaram enorme influência e apoio popular, chegando quase a galgar o poder. O grande golpe contra essa corrente foi dado pelo Papa Leão XIII, que instituiu a política do chamado “Ralliement” (reconciliação), pela qual os católicos ficavam livres para apoiar a República maçônica e igualitária da época, expressão política e ideológica da “esquerda”.

Século XX: TFP e “esquerda católica”

No século XX, os herdeiros mais autênticos da Revolução foram os comunistas, que passaram a ser designados como “extrema-esquerda”, enquanto seus homólogos socialistas, distribuídos em diferentes gamas de densidade ideológica, representavam diversos graus de “esquerdismo”, desde os socialdemocratas até os anarquistas.

A “direita” anticomunista exprimiu toda a sua autenticidade no movimento Tradição, Família e Propriedade (TFP), fundado por Plinio Corrêa de Oliveira. Diluições do “direitismo” foram representadas pelas várias formas da corrente conservadora, como também da pró-capitalista, sendo presentes ainda no panorama os remanescentes da posição monarquista.

Um fenômeno novo nos arraiais da “esquerda”, ao menos enquanto força de influência, foi a chamada “esquerda católica”, que trabalhou em favor da Revolução com muito mais garra, inteligência e poder do que os comunistas e socialistas de todos os matizes. Através de suas várias facetas – como as Comunidades Eclesiais de Base e a Teologia da Libertação – e gozando de altos apoios na esfera eclesiástica, a “esquerda católica” não só dispensou proteção aos guerrilheiros e terroristas, mas tinha potencial para derrocar as instituições em vários países da América Latina, com vistas depois a influenciar a Europa e a Ásia. Não fossem as contínuas denúncias e a oposição inteligente que lhe fez a TFP, a história das Américas hoje seria outra.

Assim, embora a “esquerda” tivesse provocado grandes e fundas devastações na religião, na sociedade e na política durante o século XX, entretanto não conseguiu alcançar seu objetivo maior, que era a imposição, como fato consumado, de sua ideologia antinatural e anticristã aos povos e às nações. As resistências foram grandes e o principal fator de penetração com que ela contava – a “esquerda católica” – chegou ao fim do milênio muito avariada em seu prestígio e sua influência.

Albores do século XXI: o ecologismo

Com isso adentramos o século XXI. Por necessidade de sobrevivência, mas também para dar um passo adiante nas sendas da Revolução, a “esquerda” se metamorfoseou em ecologismo. Tal metamorfose trouxe uma dupla vantagem para as hostes revolucionárias. Primeiramente, ela se apresentava aos olhos dos povos como nada tendo a ver com o comunismo e o socialismo, já muito desgastados. A Revolução, na sua fase ecologista, deixou cair sua pele vermelha e revestiu-se de uma verde. De outro lado – esta é a segunda vantagem – manteve desapercebidamente em seu bojo todas as teses da esquerda mais radical, como sejam, resumindo, de um lado o igualitarismo social e religioso, e de outro o miserabilismo anticapitalista. A própria “esquerda católica” revestiu-se de verde, passando a usar uma roupagem de catolicismo ecológico.

downloadHoje, os seguidores fiéis de Plinio Corrêa de Oliveira se espraiam por numerosos países do mundo, em diversas associações coirmãs, com uma atuação e uma repercussão impressionantes. No Brasil, eles estão representados no Instituto Plinio Corrêa de Oliveira.

Importa ainda notar que a “esquerda”, mesmo tendo perdido muito de seu elã e de sua influência junto ao público, entretanto conseguiu galgar elevados postos, tanto no plano religioso quanto no temporal, o que significa um trunfo não pequeno.

Ainda estamos nos albores do século XXI. Como prosseguirá essa batalha? Não sabemos. Mas o certo é que o almejado cumprimento das profecias de Fátima pode mudar todas as regras do jogo.

Outro capítulo ainda haveria para tratar, importantíssimo e mesmo fundamental: o papel do “centro” nessa batalha. Mas isso nos levaria longe demais.

Cristo sentado à direita do Pai

Uma observação final se impõe. Pode-se afirmar que a guerra “direita” x “esquerda” interessa ao Céu? Sobre esse ponto, de capital importância, haveria muito a dizer. Como, porém, o espaço que me é destinado vai chegando ao fim, limito-me a reproduzir um testemunho do conhecido e conceituado teólogo dominicano francês Reginald Garrigou-Lagrange (1877-1964). Ei-lo:

“Pessoalmente, sou um homem de direita, e não vejo por que o haveria de esconder. Creio que muitos daqueles que se servem da fórmula citada, fazem uso dela porque abandonam a direita para se inclinar à esquerda, e querendo evitar um excesso, caem no excesso contrário, como aconteceu em França nos últimos anos. Creio, também, que é preciso não confundir a verdadeira direita com as falsas direitas, que defendem uma ordem falsa e não a verdadeira. Mas a direita verdadeira, que defende a ordem fundada sobre a justiça, parece ser um reflexo do que a Escritura chama a direita de Deus, quando diz que Cristo está sentado à direita do seu Pai e que os eleitos estarão à direita do Altíssimo.” (http://www.pliniocorreadeoliveira.info/Cruzado0305.htm)

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome