O caso Robin Williams. Por que os nossos comediantes se suicidam?

1

Robin_WilliamsO trágico suicídio do comediante Robin Williams contém muitas lições. Todos os comentaristas se apressaram em apontar as contradições de sua vida. Para preenchê-la, ele teve tudo que o mundo podia lhe oferecer: dinheiro, fama e um divertido estilo de vida. Isso, no entanto, longe de satisfazê-lo, deixou um vazio que o levou a dois casamentos fracassados​​, drogas, depressão, falência e, finalmente, ao desespero.

A contradição é ainda mais chocante por tratar-se de um comediante que ganhou a vida fazendo as pessoas rirem. Seu trabalho era zombar, ridicularizar e menosprezar tudo. Para ele, nada era suficientemente sagrado, nada estava a salvo de suas piadas. Exteriormente ele podia rir e brincar… mas só para escapar dos soluços e dos gemidos de sua tristeza interior.

A tragédia de Robin Williams ressalta não apenas a futilidade da fama e da riqueza. A inconsistência de tais esforços é conhecida desde tempos imemoriais. Essa tragédia indica antes problemas mais profundos que perseguem e assediam o homem moderno em sua busca vã de sentido.

O mau no caso não é só o fracasso de um indivíduo, mas de uma cultura. Mostra aonde pode conduzir a organização de uma vida de conforto material distanciada dos campos espiritual ou metafísico, que obrigam o homem a levar a vida a sério. Revela uma visão de mundo que roça na superfície das coisas, sem o desejo de se esforçar para vê-las mais a fundo. Em um mundo tão rápido e vertiginoso, cheio de stress e de ansiedade, a morte de Williams revela os efeitos da rejeição ao descanso mental, que se encontra na tranquilidade, no recolhimento e na verdadeira recreação, em proveito do esgotamento acarretado por jogos e diversões constantes.

Robin Williams ri ou chora? Ou as duas coisas ao mesmo tempo?

O suicídio de Robin Williams evoca a condição que São Tomás de Aquino chama de acédia, que ele definiu como o tédio em relação às coisas santas e espirituais, cuja consequência é uma tristeza de viver. Como ser espiritual, o homem afligido pela acédia não atende a seus apetites espirituais. “Ele não quer o que Deus quer que ele seja – observa o filósofo Josef Pieper –, e isso significa que não quer ser o que ele realmente é, no seu sentido mais elevado”. Esta recusa em considerar o espiritual não pode deixar de trazer tristeza, abatimento e até mesmo desespero.

É isso o que vemos hoje. Aquelas coisas que podem satisfazer a alma – a beleza, a sublimidade ou a santidade – são rejeitadas ou, pelo menos, postas de lado. São substituídas pela intemperança frenética dos nossos tempos, em que a sensação, o imediatismo e o golpe de efeito comandam. Em tal cultura, a história em quadrinhos é o sumo sacerdote que questiona tudo, zomba da autoridade e oficia na representação de uma grande comédia.

Nesta grande comédia, a vida exteriormente é uma grande festa, mas por dentro muitos corações sangram. Os atores mascaram as grandes dores que os afligem e convidam todos a rir com eles. E os espectadores, por sua vez, mascaram suas próprias tragédias pessoais e executam seu papel dando gargalhadas. Assim, atores e espectadores fazem parte de um mesmo grande show prenhe de contradições. E, a cada novo ato, as piadas se tornam mais baixas e grosseiras.

Poucos têm coragem de falar e denunciar esta farsa. Preferem continuar participando da comédia e fingindo que todo mundo está feliz. Somente as tragédias chocantes, como o suicídio de Robin Williams, servem para desmascarar – por pouco tempo – a paródia, até o início inevitável do próximo ato.

Há lições a serem tiradas desse suicídio: a felicidade não está no conforto material ou no entretenimento sem fim. Na realidade, apesar da aparência externa da grande comédia, a verdadeira felicidade evadiu da sociedade de hoje, e uma grande tristeza baixou sobre a terra.

Outra lição é que podemos encontrar algum grau de felicidade indo em sentido oposto. Isso ocorre quando as pessoas olham para além da sua auto-indulgência e procuram ser fiéis à sua própria natureza. Ou quando satisfazem harmoniosamente suas apetências materiais e espirituais procurando coisas excelentes, belas e sublimes. Assim agindo, elas rumam em direção aos princípios superiores, ao bem comum, ou, finalmente, a Deus, dando assim significado e propósito a suas vidas.

A grande comédia da vida é então substituída pela grande gala da História, um drama espetacular que dá origem a obras de arte, a realizações culturais fabulosas, a grandes feitos e a atos de piedade religiosa. Este drama tem a capacidade de inspirar sentimentos de lealdade, dedicação e devoção que podem preencher o enorme vazio que nos deixa a trágica comédia.

(*) John Horvat II, diretor da TFP americana e autor do best-seller Return to Order sobre a atual crise da sociedade americana.

 

1 COMENTÁRIO

  1. Em minha opinião as Caravanas do IPCO deveriam ser protegidas por uma suficiente tropa de choque defensiva, munidas de câmeras que filmassem todos os movimentos desses agressores e que protegessem os caravanistas a partir de um certo limite; há o risco, ante a fúria desses desatinados, de acidentes mais sérios, como lançamentos de substâncias cáusticas ou ácidas até ataques com armas brancas ou de fogo; parece-me arriscado demais submeter essa elite jovem a esses riscos, sem a devida proteção; de qualquer modo, grandioso é esse trabalho do IPCO, sucessor legítimo da antiga TFP, quando sob o comando do saudoso e insigne Professor Plinio Corrêa de Oliveira, personalidade civil que considero do mesmo nível, para o Brasil, do Duque de Caxias, patrono do Exército e baluarte do Império.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome