TV

No meu refúgio deste 18° andar, o maior conforto é a falta deliberada de televisão. Aqui se lê, se conversa, se estuda, se pensa, e nada disso é interrompido ou prejudicado pela caixa de Pandora.

O leitor ainda se lembra da caixa de Pandora? Muitos certamente já a terão esquecido, pois um dos efeitos da televisão é que hoje as pessoas não se lembram mais das coisas. Das importantes, é claro, pois a própria TV se incumbe de evitar que esqueçam as baboseiras e imundícies.

Apenas um rápido esclarecimento, para podermos prosseguir. Na mitologia grega, Pandora abriu a caixa onde Zeus havia guardado todos os males, e assim eles se espalharam pela Terra.

Sendo a TV o equivalente moderno – não mitológico, mas bem real – daquela caixa funesta, isso já bastaria para eu mantê-la longe de mim. Mas o principal motivo é ainda mais profundo: ela degenera nas pessoas a capacidade de pensar, deduzir, comparar, encadear logicamente o pensamento, memorizar, conversar.

Muito teórico isso aí? Vamos então aos exemplos práticos.

No meu refúgio, como já disse, não entrou a babá eletrônica. Quando preciso refrescar a cabeça, após algum trabalho mental especialmente árduo, às vezes recorro à janela. Muito mais interessante, a perder de vista.

Mas parece que eu continuo teórico, pois grande número de pessoas consideram a janela apenas um pedaço de vidro encaixado num furo retangular da parede, sem a utilidade específica de olhar para fora. Ou para o alto, de acordo com o título poético Janelas para o infinito. A constatação que faço é de fundo estatístico: Sempre que olho pela janela, não vejo ninguém olhando pela janela. E são várias centenas delas, nos caixotões de concreto armado ao meu redor.

Nessa distração de olhar pela janela (que não significa bisbilhotice), observei em janelas vizinhas um fenômeno interessante. Em certas horas, através de muitas delas se nota um pisca-pisca bem rápido, de luzes que mudam de cor, mais intensas ou menos, numa sucessão aleatória. Na primeira vez que notei isso, pensei por instantes que houvesse lá dentro uma festa, no estilo que julgo ser o das discotecas. Mas logo constatei que em todas se repetia o mesmo ritmo e o mesmo padrão de pisca-pisca. Não precisei pensar muito para concluir que por trás de cada janela, numa sala em penumbra, uma TV exibia o mesmo filme, propaganda, novela, ou seja lá o que for. E o pisca-pisca multicolorido provinha dos cortes que se sucedem, nas mudanças de cena ou em tomadas dentro da mesma cena. E os intervalos são cada vez mais rápidos, segundo me consta.

Não o imagino, caro leitor, perdendo seu tempo diante da pandorinha, mas entenderá as consequências de bombardeios como o desta propaganda:

Um bonitão pilotando uma moto. [corte] O bonitão surfando numa onda. [corte] O bonitão jogando futsal. [corte] O bonitão em voo de asa delta. [corte] O bonitão escalando um pico. [corte] O bonitão sorridente entre bonitonas sorridentes, bebendo o refrigerante Tô-em-todas. [corte] Musiquinha: Tô-em-todas é legal! [corte]

Tudo isso em quinze segundos (afinal, tempo é dinheiro). E a mesma coisa se repete em noticiários, filmes, entrevistas, esportes, shows. Nesse bombardeio contínuo, a atenção é bruscamente desviada de um assunto para outro, de uma imagem para outra, de um ângulo para outro na mesma cena, sem conexão lógica e não deixando tempo para pensar, analisar, comparar, concluir. Ao fim de duas horas disso em programas de diversos tipos, o quadro será extremamente negativo:

  • Não lembro onde se deu um fato ou outro;
  • Não sei que importância tem cada fato;
  • Não comentei com ninguém os vários assuntos apresentados;
  • Não sei para que me serve ter visto aquilo tudo;
  • Não sou capaz de narrar com lógica o que foi mostrado;
  • Não relacionei nenhum comentário ou fato com outros;
  • Não avaliei nem julguei nada do que vi.

Qual o resultado no longo prazo? Ninguém precisa ser muito perspicaz para perceber que a burrificação é consequência inevitável dessa metralhadora visual e mental. Lógica, coerência, precisão, continuidade, deduções, conclusões – cada um desses elementos é necessário para enriquecer a inteligência, a cultura, a civilização. Mas não espere nada disso quando entra em cena a TV pandorizadora.

Nunca me arrependi da decisão de manter muito longe da minha residência a caixa maldita. E é o que recomendo a cada um dos meus leitores.

 

2 COMENTÁRIOS

  1. É, pessoal, a caixa de Pandora pode também ser muito bem representada por uma outra caixa bem conhecida neste país e que só de brincadeirinha tem o nome de “escola”. Ali dentro também promovem “o aniquilamento do exercício de pensar, de arguir”… ali ignoram-se “lógica, coerência, precisão, continuidade, deduções e conclusões” em prol do conhecimento. Responsabilidade, disciplina e valores… nem pensar! O discente tem sempre razão e vai ser promovido, quer estude, quer não. Coitado do gigante adormecido, “deitado eternamente em berço esplêndido”, quando acordar, verá que “a vaca foi para o brejo” e seus filhos extremamente mal educados não terão a competência necessária para levantar esta Nação ao nível daquelas de primeiro mundo. Culpa de quem? Da caixa de Pandora em suas múltiplas variações…

     
  2. Existe na minha residência aparelho de televisão, porém não existe compulsão ou obrigação de assistir e o vicio está bem distante.
    Minha maior distração é a leitura, um amigo enviou o livro que atualmente estou lendo : “Vida e Destino” de Vassili Grossman , muito bom aliás e justamente encaixa em grande parte na matéria que foi publicada pelo IPCO, por Jacinto Flecha.
    Mostrando à miséria humana e as lutas pelo intelecto. Isto logicamente não existe em TV nenhuma , pelo contrario promovem o aniquilamento do exercício de pensar, de arguir , de conversar; deste modo subliminar anulam o que está restando nos seres humanos ,poder edificar uma consciência sadia e útil para viver.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome