Um discriminado esquecido

Superdotado-272x300O Brasil, seguindo tendência mundial, tem ativamente promovido políticas públicas chamadas via de regra de discriminação positiva; as ações afirmativas (outro nome) visam diminuir desvantagens relativas. Há leis favorecendo idosos, crianças, mulheres, negros, pobres, estudantes, portadores de deficiências físicas, entre eles os cegos, surdos e cadeirantes. Quando sensatas as normas e razoável sua aplicação, nada a objetar, têm efeitos benéficos.

No dia a dia, quem não gosta de ser atendido em sua inferioridade? Qualquer um de nós apresenta desvantagens, depende até da hora. E, normal, todos acham bom os outros levarem em conta tal situação. Entre eles, o Poder Público. Mas não falo apenas de leis e programas sociais, tenho muito em vista bons hábitos sociais. Em essência, a aplicação da caridade entre os homens.

Simplificando, até com nota irônica, apenas o branco jovem, rico, atlético, com estudos superiores, vivendo em lar bem constituído, desnecessitaria de discriminação positiva. Falso; à vera, quando observado de perto, também é carente, precisa de cuidados especiais. Terá problemas psicológicos, será míope, pouco inteligente, sei lá mais o quê. Enfim, a discriminação positiva (se escoimada da inveja e da mentalidade achatadora revela em seu núcleo uma virtude cristã, a compaixão) vale para todos, vem para minorar os doloridos efeitos das incapacidades relativas por nós padecidas. Já se vê, impossível pôr tudo a cargo da norma legal. Sem depreciar o recurso a elas, a solução mais eficaz, barata e duradoura, começando no interior das famílias, é a constituição de hábitos sociais virtuosos, inspirados no Evangelho “amai-vos uns aos outros, como Eu vos tenho amado”.

*       *      *

Temos em maior evidência as cotas para negros em empregos públicos e universidades. Não vou tratar a fundo das distorções, entre elas, por exemplo, a todo momento se fala de abusos na declaração de que é negro para cair no espaço favorecido das cotas. A “Folha de São Paulo” da semana passada (14-4-2016) traz editorial a respeito. Informa que grupos de negros universitários estão se mobilizando contra o que chamam falsos cotistas. Apesar das mobilizações, no presente quadro o jornal não vislumbra saída razoável para o caso:

“Trata-se de questão insolúvel: a autodeclaração constitui o único critério legal para definir se alguém é negro (ou de qualquer outro grupo social). Em tese, o sujeito de pele alvíssima que na inscrição do vestibular disser que se considera negro ou pardo deverá ser tratado como negro ou pardo. Substituir a autodefinição por critérios raciais objetivos é impraticável. A ciência não tem como ajudar, pois nem existe definição de raça universalmente aceita. Embora os comitês raciais exerçam certa pressão moral para evitar casos gritantes, pouco podem fazer do ponto de vista jurídico”.

Conclui com uma proposta: cotas segundo a condição econômica:

“Há várias vantagens nas cotas exclusivamente sociais. Um branco pobre que necessite de ajuda não será prejudicado apenas pelo fato de ser branco”.

*       *      *

Ia falar de um tipo de discriminado. Súbito outro pulou à minha frente, o obeso, continuamente discriminado, também candidato natural a tratamento diferenciado. Agora sou eu que o empurro de lado, e trato do discriminado razão do título do artigo: o superdotado, entre nós, esquecido e injustiçado, com grave lesão ao bem comum.

É muito censurável deixar de privilegiar e atender, com prudência, a idosos, cadeirantes e outros em desvantagem grave. Mas o dano ao bem comum na maioria desses casos é relativamente pequeno.

Deixar de atender a superdotados traz gravíssima injúria ao bem comum. Nos Estados Unidos, o superdotado é caçado como tesouro escondido. O povo tem noção clara que é loucura deslavada deixar ir para o ralo tal riqueza potencial. Logo que encontrado, é mandado para universidades de ponta e não param aí os estímulos. O mesmo acontece em numerosos países asiáticos. É claro, esta ajuda à carreira dos superdotados os favorece e a suas famílias. Compreensível e justificado. Acentuo outro ponto: tem enormes reflexos benéficos no bem comum. O país recebe em troca descobertas sem número, novas e mais produtivas técnicas de gestão, melhorias na qualidade do ensino, start-ups criativas; enfim, vias inovadoras de crescimento social. Estudo feito em 80 países por economistas da Universidade de Chicago mostrou que as políticas de aproveitamento de talentos levadas a cabo pelas nações mais ricas em numerosos casos foram o principal fator de sua prosperidade econômica.

*       *      *

No Brasil temos milhões de superdotados. Estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde) aponta entre nós a existência de 3,5% até 5% de pessoas superdotadas. É o maior recurso natural do País. Nem precisaria lembrar, essa enorme riqueza em potencial em boa parte vai para o lixão. Para ser bem aproveitada, seria preciso detecção precoce e rápido aproveitamento. Parte expressiva de tal potencial está nas classes de menor poder econômico. E mesmo muitos pais abonados não têm a atenção bem orientada para o potencial de seus filhos. Quem se preocupa, fora alguns abnegados? No Poder Público, o que é feito?

Para concluir, duas constatações. Em parte esse desinteresse demolidor vem do desconhecimento de que, via de regra, o que mais favorece o bem social é o estímulo à plenitude, em qualquer campo e o mais generalizado possível. Por óbvio, dentro de uma moldura de proteção a todos e desigualdades harmônicas.

Segunda constatação, mais importante. Existe infelizmente ainda muito viva a obsessão igualitária, que tenta por todos os meios impor um nivelamento antinatural, causa de terríveis sequelas empobrecedoras. Ninguém fala em ação afirmativa a favor dos superdotados. Milhões deles, hoje pobres e indefesas crianças sem nenhuma proteção, com muita probabilidade cairão no lixão da vida. Seria normal, compassivo e até muito vantajoso ajudá-las de forma especial. Mas não merecem dó. A obsessão igualitária e a patrulha aferrolham as bocas. Tiro no pé de todos nós.

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Muito bem colocado, aqui no Brasil não existe apoio para pessoas que possuem grandes talentos, e os mesmos, por nascerem pobres, acabam sendo esquecidos. Lamentável essa situação.

     
  2. Na próxima eleição os políticos conservadores serão eleitos com a ajuda dos católicos conservadores e dos evangélicos. A grande perdedora será a CNBB e cúmplices. Ai então essas políticas imbecis de auto destruição da civilização ocidental será barrada. Haverá um renascimento mundial da civilização ocidental à partir do Brasil. Por isso a Dilma está propalando no mundo inteiro sua queda como golpe, pois ela sabe que do Brasil sairá o grande renascimento do cristianismo e da cultura ocidental exemplo para o mundo inteiro.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome