Visita da maravilhosa Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima

Entre os dias 16 e 19 p.p., o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira teve a honra de receber em sua sede na capital paulista a Imagem Peregrina Internacional de Nossa Senhora de Fátima (foto ao lado), proveniente dos Estados Unidos.

Numa igreja da cidade de New Orleans, a imagem milagrosamente verteu lágrimas em julho de 1972 — exatamente há 39 anos.

A foto abaixo em preto e branco, publicada naquele ano em jornais do mundo inteiro, registra um momento da lacrimação, presenciada por muitos fiéis. As lágrimas foram posteriormente analisadas meticulosamente (vide artigo abaixo).

Essa imagem foi esculpida em cedro brasileiro sob a orientação da Irmã Lúcia, uma dos videntes de Fátima, que descreveu ao escultor as feições da Santíssima Virgem por ocasião das aparições de 1917 na Cova da Iria.

“A fisionomia de Nossa Senhora foi a resposta”

Após alguns abençoados dias de veneração na sede Instituto Plinio Corrêa de Oliveira — durante os quais a presença de Nossa Senhora como que se fez sentir através da imagem que a representa [foto à direita] —, soou a hora do retorno para Washington da maravilhosa Imagem Peregrina. A foto à esquerda capta o momento da despedida no aeroporto de Guarulhos, onde ela ficou exposta por alguns instantes no saguão da ala internacional. Numerosas pessoas, presentes no aeroporto, aproximaram-se dela para rezar e tirar fotografias. Alguns comentaram sua extraordinária e belíssima expressão, através da qual Nossa Senhora parecia falar interiormente a cada um dos circunstantes.

Dentre as repercussões colhNossa Senhora de Fátimaidas no aeroporto, citemos uma muito significativa: Uma senhora chorava. Ela contou a um amigo que estava para abandonar a Igreja Católica, mas “a fisionomia da imagem de Nossa Senhora foi a resposta que esperava”. E assim, resolutamente, tomou a nobre decisão de permanecer católica.

A mãe que, não tendo mais o que dizer, chora

A respeito do pungente pranto ocorrido em New Orleans, Plinio Corrêa de Oliveira publicou na “Folha de S. Paulo” (6-8-1972) um memorável artigo, intitulado “Lágrimas, Milagroso Aviso”, explicitando o significado dessa lacrimação da Virgem Santíssima. Ei-lo na íntegra:

LÁGRIMAS, MILAGROSO AVISO

A “Folha de S. Paulo” de 21 de julho de p.p. [1972] publicou uma fotografia procedente de Nova Orleans, na qual se via uma imagem de Nossa Senhora de Fátima a verter lágrimas. O documento despertou vivo interesse no público paulista. Penso, pois, que algumas informações sobre este assunto satisfarão os justos anelos de muitos leitores.

Não conheço melhor fonte sobre a matéria do que um artigo intitulado, muito americanamente, “As lágrimas da imagem molharam o meu dedo”. Seu autor é o Pe. Elmo Romagosa. Publicou seu trabalho o “Clarion Herald” de 20 de julho p.p., semanário de Nova Orleans, e distribuído em onze paróquias do Estado de Louisiana.
Os antecedentes do fato são conhecidos. No ano de 1917, Lúcia, Jacinta e Francisco tiveram várias visões de Nossa Senhora em Fátima. A autenticidade dessas visões foi confirmada por vários prodígios no sol, atestados por toda uma multidão reunida enquanto a Virgem se manifestava às três crianças.
Em termos genéricos, Nossa Senhora incumbiu os pequenos pastores de comunicar ao mundo que estava profundamente desgostosa com a impiedade e a corrupção dos homens. Se estes não se emendassem, viria um terrível castigo, que faria desaparecer várias nações. A Rússia difundiria seus erros por toda a parte. O Santo Padre teria muito que sofrer.
O castigo só seria obviado se os homens se convertessem, se fosse consagrada a Rússia e o Mundo ao Imaculado Coração de Maria e se se fizesse a Comunhão reparadora dos primeiros sábados de cada mês.
Isto posto, a pergunta que naturalmente salta ao espírito é se os pedidos foram atendidos.

Pio XII fez, em 1942, uma consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria. A Irmã Lúcia asseverou que ao ato faltaram algumas das características indicadas por Nossa Senhora. Não pretendo analisar aqui o complexo assunto. Registro apenas, de passagem, que é discutível se o primeiro pedido de Nossa Senhora foi atendido, ou não.
Quanto ao segundo pedido, isto é, a conversão da humanidade, é tão óbvio que não foi atendido, que me dispenso de entrar em pormenores.

Como Nossa Senhora estabeleceu o atendimento de seus pedidos como condição para que fossem desviados os flagelos apocalípticos por Ela previstos, está na lógica das coisas que baixe sobre a humanidade a cólera vingativa e purificadora de Deus, antes de vir a nós a conversão dos homens e a instauração do Reino de Maria.
Sob a direção imediata da irmã Lúcia, um artista esculpiu duas imagens, que correspondem quanto possível aos traços fisionômicos com que a Santíssima Virgem apareceu em Fátima. Ambas essas imagens, chamadas “peregrinas”, têm percorrido o mundo, conduzidas por sacerdotes e leigos. Uma delas foi levada recentemente a Nova Orleans. E ali verteu lágrimas.

O Pe. Romagosa, autor da crônica a que me referi, tinha ouvido falar dessas lacrimações pelo Pe. Breault, ao qual está confiada a condução da imagem. Entretanto, sentia ele funda relutância em admitir o milagre. Por isto, pediu ao Pe. Breault que o avisasse assim que o fenômeno começasse a se produzir.

O Pe. Breault, notando alguma umidade nos olhos da imagem, no dia 17 de julho, telefonou ao Pe. Romagosa, o qual acorreu junto à imagem às 21:30, trazendo fotógrafos e jornalistas. De fato, notaram todos alguma umidade nos olhos da imagem, que foi logo fotografada. O Pe. Romagosa passou então o dedo pela superfície úmida, e recolheu assim uma gota do líquido, que também foi fotografada. Segundo o Pe. Breault, esta era a 13ª lacrimação da imagem.
Às 6:15 horas da manhã seguinte, o Pe. Breault telefonou novamente ao Pe. Romagosa informando-o de que desde as quatro horas da manhã, a imagem chorava. O Pe. Romagosa chegou pouco depois à Igreja, onde, diz ele, “vi uma abundância de líquido nos olhos da imagem, e uma gota grande de líquido na ponta do nariz da mesma”. Foi essa gota, tão graciosamente pendente, que a fotografia da “Folha de S. Paulo” mostrou a nosso público.

O Pe. Romagosa acrescenta que vira “um movimento do líquido enquanto surgia lentamente da pálpebra inferior”.
Mas o Pe. Romagosa queria eliminar dúvidas. Notara ele que a imagem tinha uma coroa fixada na cabeça por uma haste metálica. Ocorreu-lhe uma pergunta: não haveria sido introduzida, no orifício em que penetrava a haste, certa porção de líquido que depois escorrera até os olhos da imagem?

Cessado o pranto, o Pe. Romagosa retirou a coroa da cabeça da imagem: a haste metálica estava inteiramente seca. Introduziu ele, então, no orifício respectivo, um arame revestido de papel especial, que absorveria forçosamente todo líquido que ali estivesse. Mas o papel saiu absolutamente seco.
Ainda não satisfeito com tal experiência, o Pe. Romagosa introduziu no orifício certa quantidade de líquido. Sem embargo, os olhos se conservaram absolutamente secos. O Pe. Romagosa voltou então a imagem para o solo: todo o líquido introduzido no orifício escorreu normalmente. Estava cabalmente provado que do orifício da cabeça — único existente na imagem — nenhuma filtração de líquido para os olhos seria possível.
O Pe. Romagosa ajoelhou-se. Enfim ele acreditara.
O misterioso pranto nos mostra a Virgem de Fátima a chorar sobre o mundo contemporâneo, como outrora Nosso Senhor chorou sobre Jerusalém. Lágrimas de afeto terníssimo, lágrimas de dor profunda, na previsão do castigo que virá.

Virá para os homens do século XX, se não renunciarem à impiedade e à corrupção. Se não lutarem especialmente contra a autodemolição da Igreja, a maldita fumaça de Satanás, que no dizer do próprio Paulo VI, penetrou no recinto sagrado.

Ainda é tempo, pois, de sustar o castigo, leitor, leitora!
“Mas — dirá alguém — esta não é uma meditação própria para um ameno domingo”. Não é preferível — pergunto — ler hoje este artigo sobre a suave manifestação da profética melancolia de nossa Mãe, a suportar os dias de amargura trágica que, a não nos emendarmos, terão que vir?
Se vierem, tenho por lógico que haverá neles, pelo menos, uma misericórdia especial para os que, em sua vida pessoal, tenham tomado a sério o milagroso aviso de Maria.
É para que minhas leitoras, meus leitores, se beneficiem dessa misericórdia, que lhes ofereço o presente artigo…
Plinio Corrêa de Oliveira
“Folha de S. Paulo”, 6-8-1972

P.S.: Outro artigo de Plinio Corrêa de Oliveira sobre a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima, intitulado “PEREGRINADO DENTRO DE UM OLHAR”, encontra-se disponível no seguinte link:
http://www.pliniocorreadeoliveira.info/FSP%2076-11-12%20Peregrinando.htm

 

11 COMENTÁRIOS

  1. Maria é a mãe do Novo testamento. O Novo testamento complementa o primeiro.Maria é a mãe do salvador. Aprendi com Maria a ser uma mãe muito cuidadosa com meus filhos. Fico a imaginar o quão amavél ela foi com o menino Jesus. Se Maria não o soubesse cuidar em sua fase indefeza de bebe , o mundo poderia acabar com o nosso Salvador. Maria cuidou muito de Jesus, com a ajuda de Deus pai. Maria mãe de Jesus, Maria minha mãe. Dizem que Jesus amou tanto sua mãe, que a levou ao céu de corpo e alma… e eu acredito que Jesus realmente amou muito sua mãe Maria e que o coração dele se alegre quando nós a tratamos com respeito.

     
  2. Às sábias palavras do comentarista Paulo R. Campos, acrescento, também em caráter de resposta, que as imagens tanto são permitidas por DEUS que foram ORDENADAS pelo próprio Altíssimo em várias passagens bíblicas, como as das esculturas do Templo de Salomão, as da Arca da Aliança e a serpente de bronze, um simples SINAL, como todas as imagens: quem era picado por serpente real e olhava para a de bronze era curado, NÃO pela imagem em si, mas pela fé consistente em olhar para a imagem confiando em DEUS.
    Resumindo, a outra passagem (a do Êxodo com os mandamentos), posta no CONTEXTO bíblico visto acima, significa que é proibida a feitura de imagens PARA ADORAÇÃO delas, pois o único ADORADO é DEUS, e é permitida a feitura de imagens como LEMBRANÇA da presença de DEUS na pessoa representada pela imagem, como modelo de Cristandade a ser imitado.
    De todo modo, eu DEPLORO a postura protestante que motivou estas nossas respostas Católicas. Se o protestante, para sua própria perdição, não aceita a DOUTRINA Católica, deveria ele ao menos ajudar-nos na causa COMUM contra a imoralidade atual da sociedade. E se ele insiste em não querer isso, que suma, desapareça deste site, a não ser que ele esteja, mesmo inconscientemente, numa LUTA INTERIOR PARA CHEGAR À VERDADE DA ÚNICA E CATÓLICA FÉ, E ASSIM SALVAR-SE.
    Felizmente, a maioria dos próprios protestantes parece estar conosco na referida causa comum em prol da moralidade.

    Paz na Terra a todos os homens e mulheres de boa vontade.

     
  3. Enquanto Nossa Senhora Chora (seriam lágrimas em vão?) foi publicado ontem na Folha de São Paulo os horrores que é o acampamento da canção nova, com toda aquela orgia que os catolicos da Teologia da Libertação (condenada pelo Papa) se permitem fazer. Teve até uma entrevistada que reclamou que se assustou com a quantidade de homossexuais neste acampamento. Por isso, duvido que algum Padre ou Freira, a não ser os ligados à TFP foram rezar diante desta imagem de Nossa Senhora. Pois na Teologia da Libertação só há lugar para quem quer a Axé-Missa onde se bate palma e sorrisos, ou a Missa com violão ao som de musicas romanticas e “melosas”, onde pela misericordia de Deus não existe inferno e nem purgatório – todos já estão no paraiso. O pior de tudo é que tem um fariseu de nome “Dunga” cujo programa chama-se PHN – por hoje não vou mais pecar, mas duvido que estes saibam o que é pecado e se perguntarem sobre dez mandamentos ou sacramentos não saberam dizer: resultado disto é que pessoas sérias deixaram de praticar a religião católica quando não viraram evangélicos e espiritas.

     
  4. Em resposta à objeção do Célio Cunha (abaixo), quanto à “idolatria” a imagens de Nossa Senhora e/ou de santos: NUNCA ele terá ouvido de católicos que “adoramos” imagens. Adoramos SOMENTE a Deus. Veneramos os santos (não “adoração”, mas culto de dulia). Claro que sendo Maria Santíssima mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, a Ela devemos uma veneração muito especial (não adoração, mas culto de hiperdulia). Quem não têm Maria como mãe, não tem a Deus como pai…

    Celso, certamente você deve ter fotos de sua mãe. O que vc responderia se alguém lhe acusasse de adorar a foto de sua mãe? Você rasgaria a foto dela? Não! Certamente vc responderia, que não a adora, mas a venera. O mesmo quanto a fotos de seus filhos (se os tiver).

    Leia com calma a resposta abaixo (publicada na revista “Catolicismo” em sua edição de fevereiro de 2004) e, tenho certeza, nos dará razão quanto à veneração que devemos à Mãe de Deus por sua excelsa santidade.

    “É certo que São Paulo afirmou, em sua primeira Epístola a Timóteo (2, 5), que “há um só Deus e há um só mediador entre Deus e os homens, que é Jesus Cristo homem”. Mas esse mediador único e insubstituível não exclui que possa haver outros mediadores secundários, pois o próprio Apóstolo dos Gentios é o primeiro a pedir a intercessão de outros junto a Deus. Assim, diz ele em sua Epístola aos Romanos: “Rogo-vos, pois, irmãos, por Nosso Senhor Jesus Cristo e pela caridade do Espírito Santo, que me ajudeis com as vossas orações por mim a Deus” (Rom 15, 30). E na segunda Epístola aos Coríntios, diz que espera que Deus o livrará de futuros grandes perigos, “se nos ajudardes também vós com orações em nossa intenção” (II Cor 1, 11).

    Se simples fiéis podem interceder por nós, exercendo assim o papel de mediadores nossos junto a Deus, quanto mais aqueles que praticaram as virtudes em grau heróico, como são os Santos — que os protestantes rejeitam —, e sobretudo Aquela que teve a dita de ser Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, e é, por isso, igualmente Mãe dos membros de seu Corpo Místico, que é a Igreja.
    Os católicos estão pois certos em recorrer a Maria Santíssima como nossa grande Medianeira junto a seu Divino Filho. E essa mediação não é apenas possível, mas necessária, como ensinam grandes doutores da Igreja. Não se trata de uma necessidade absoluta, e sim hipotética, de acordo com a terminologia dos teólogos. Isto é, necessária porque Deus quis que assim fosse, e não porque estivesse obrigado a isso.

    Explica-o com sua habitual clareza e calor apostólico São Luís Maria Grignion de Montfort, o grande doutor mariano, em seu célebre Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem (Vozes, Petrópolis, 4ª edição, 1949):

    “Confesso com toda a Igreja que Maria é uma pura criatura saída das mãos do Altíssimo. Comparada, portanto, à Majestade infinita ela é menos que um átomo, é, antes, um nada, pois só Ele é ‘Aquele que é’ (cfr. Ex 3, 14) e, por conseguinte, este grande Senhor, sempre independente e bastando-se a Si mesmo, não tem nem teve jamais necessidade da Santíssima Virgem para a realização de suas vontades e a manifestação de sua glória. Basta-lhe querer para tudo fazer.

    “Digo, entretanto, que, supostas as coisas como são, já que Deus quis começar e acabar suas maiores obras por meio da Santíssima Virgem, depois que a formou, é de crer que não mudará de conduta nos séculos dos séculos, pois é Deus imutável em sua conduta e em seus sentimentos” (op. cit., nºs 14-15).

    E mais adiante ele se põe a pergunta: “Nosso Senhor é nosso advogado e medianeiro de redenção junto de Deus Pai; […] é por intermédio dele que obtemos acesso junto de Sua Majestade, em cuja presença não devemos jamais aparecer, a não ser amparados e revestidos dos méritos de Jesus Cristo.[…] Mas temos necessidade de um medianeiro junto do próprio medianeiro? […] Digamos […] ousadamente, com São Bernardo, que temos necessidade de um medianeiro junto do Medianeiro por excelência, e que Maria Santíssima é a única capaz de exercer esta função admirável. Por ela Jesus Cristo veio a nós, e por ela devemos ir a ele. […] Ela não é o sol, que pela força de seus raios nos poderia deslumbrar em nossa fraqueza, mas é bela e suave como a lua (cfr. Cant 6, 9), que recebe a luz do sol e a tempera para que possamos suportá-la. É tão caridosa que a ninguém repele, que implore a sua intercessão, ainda que seja pecador; pois, como dizem os santos, nunca se ouviu dizer, desde que o mundo é mundo, que alguém que tenha recorrido à Santíssima Virgem, com confiança e perseverança, tenha sido desamparado ou repelido” (Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem, nºs 84-85).
    Como se vê, ao exaltar a tal ponto a mediação de Nossa Senhora junto a seu Divino Filho, a doutrina da Igreja não diminui em absolutamente nada a Mediação única e insubstituível de Jesus Cristo junto ao Pai celeste”.

     
  5. Tive a honra de me deparar com a imagem ha uns 6 anos atras… entreguei a ela toda angustia que carregava naquele momento, e hj alcancei com muito esforço minha conversão, que claro, é diaria, dificil, mas não impossivel, e como minha vida mudou para muito melhor!!
    Confio na frase: “O meu Imaculado Coração triunfará”.
    Jesus, eu confio e espero em Vós!
    Mãezinha querida, rogai pelo teu povo agora e na hora de nossa morte!
    Amém!

     
  6. @FRANCISCO AMANCIO
    e os católicos também não conhecem a Palavra de Deus em Êxodo 20.4 (2° mandamento) que diz: Não farás para ti IMAGEM de escultura, NEM FIGURA ALGUMA DO QUE HÁ EM CIMA NO CÉU? (pelo que me consta, Maria está no céu, pois é o lugar onde vão todos os que morreram salvos por Jesus). Isso impossibilita qualquer ação de apoio à sua causa contra os pecados da homossexualidade, pois caem no pecado da idolatria! Leiam ainda (Isaías 44.9-20) (Extraido da Bíblia Católica com aprovação eclesiástica (Edições Paulinas – São Paulo – 1984)

     
  7. ENQUANTO A VIRGEM MÃE DE FÁTIMA ESTAVA VISITANDO SÃO PAULO, EM BELO HORIZONTE ACONTECIA A PARADA GAY. SERÁ QUE ELA NÃO ESTAVA CHORANDO EM SÃO PAULO, PELO POVO MINEIRO? PEÇOA DEUS E A NOSSA VIRGEM MARIA, QUE PERDOE ESTE POVO QUE INSISTE EM DIZER QUE PRESISAM SER LIBERTADOS DE LEIS QUE OS OPRIMEM…O QUE SERÁ QUE ELES QUEREM MAIS? COM PODEMOS ACEITAR UM CASAL DE DOIS HOMENS OU DUAS MULHERES ? ISSO NÃO ESTA ESCRITO EM GÊNESIS,QUANDO NA CRIAÇÃODO MUNDO…SERÁ QUE POVO,QUE PARTICIPA DESTAS PARADAS,NÃO LÊEM A SAGRADA ESCRITURA? O MAIS ABSURDO,É ELES USAREM COMO BANDEIRA AS CORES DO ARCO-ÍRIS,QUE É O SINAL DA ALIANÇA DE DEUS CONOSCO…FICA AQUI A MINHA INDIGNAÇÃO!!!!!!

     
  8. Achei muito simbólica a visita da Imagem Peregrina ao Brasil neste momento em que nossa pátria está sendo alvo de tantas leis contrárias a lei de Deus. Nossos agradecimentos a esse belíssimo site.
    Salve Maria!

     
  9. Que a visita da Imagem Milagrosa seja ocasião de muitas graças para todos nós! Que Ela abençõe o IPCO e conceda abundantes graças para que a obra do Prof Plinio Corrêa de Oliveira seja propagada sempre e sempre mais por este imenso Brasil!
    Salve Maria!

     
  10. Nada é tão magnífico quanto a nossa Mãe, Nossa Senhora Aparecida. Ela que se fez de nossa juiza perante o Nosso Paí, o Criador dos Mundos.

    Que não sòmente nos ilumine com as suas sutilezas. Mas que nos ajude nesta trajetória tão difícil desta conjuntura perversa da realidade brasileira!

    Fraternalmente,

    Madeiro

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome