Destaques

1 – Um bom ensino básico garante a universidade
2 – Nem entre as mil melhores?
3 – Uribe escreve ao Papa Francisco: “A paz se constrói com a legalidade”

Para alternar entre os tópicos, utilize os botões “Anterior” e “Próximo” abaixo:

1Um bom ensino básico garante a universidade

Cerca de 87,% de todos os estudantes frequentam escolas públicas no Japão

Alegando aumentar a diversidade étnica nas universidades, o STF validou, em 2012, o polêmico sistema de cotas raciais. Agora, O New York Times publicou uma ampla pesquisa em 100 universidades e estabelecimentos de elite do ensino superior americano, abarcando os últimos 35 anos – de 1980 a 2015 –, sobre a representatividade de estudantes brancos, negros, hispânicos e asiáticos nesses estabelecimentos.

A conclusão do NYT é de que, nesse período, com todas as políticas ditas afirmativas, o número de estudantes negros matriculados caiu seis pontos percentuais e o de hispânicos sete pontos. E surpreende na Universidade da Califórnia, onde há grande concentração de latinos, a queda de hispânicos foi de 17 pontos e de negros quatro. Enquanto a população de estudantes brancos e asiáticos subiu.

O vice-presidente do Conselho Americano de Educação, Terry Hartle, disse que negros e hispânicos só ganharam espaço em escolas menos seletivas devido a qualidade inferior das escolas primárias e secundárias em que estudam. Ou seja, a qualidade do ensino básico é o fator decisivo para a maior presença de negros, latinos ou qualquer outra etnia em universidades de ponta.

A resultante são duas evidências: O sistema de cotas raciais é injusto e ineficaz; e a constatação da necessidade de um ensino básico de qualidade, que é o que vai garantir a classificação dos menos favorecidos nos meios acadêmicos  superiores.

Fonte: “Cotas e demais ações afirmativas em xeque nos EUA”, O Globo, domingo, 3/9/17

2Nem entre as mil melhores?

Conforme a instituição britânica Times Higher Education, até o ano passado 27 Universidades brasileiras estavam classificadas entre as mil melhores do mundo. Agora, são 21. Seis foram excluídas.
Estar entre as mil melhores já não é propriamente um grande motivo de orgulho, mas ser excluído desse círculo…

Nesse sentido, o sistema de política afirmativa, através de cotas raciais e não do mérito, só vai dificultar a entrada de Universidades brasileiras nessa lista, já que não busca a excelência do ensino, mas o igualitarismo.

Fonte: “Brasil tem menos universidades na elite mundial”, O Globo, 6/9/2017

3Uribe escreve ao Papa Francisco: “A paz se constrói com a legalidade”

O Estado de S. Paulo, domingo, 3 de setembro de 2017

Em carta dirigida ao Papa Francisco, reproduzida no Vatican Insider do dia 9/09/2017, o ex-presidente colombiano, Alvaro Uribe, desmascara o jogo político de dar cidadania à guerrilha em nome da paz.

“Nunca – escreveu Uribe na carta – nos opusemos à paz. Entretanto, total impunidade para os responsáveis por crimes atrozes, sua elegibilidade política, autorização legal que têm recebido para gastar dinheiro ilícito em suas atividades políticas, e em outros pontos, são incentivos para o crime.”

Uribe lembrou ao Papa que «todos nós queremos a paz, mas nós temos que a construir com legalidade, com determinação para prevenir e punir a violência que semeia o desespero e nos distancia da palavra de Deus».