Proclamação do dogma da Imaculada Concepção

No Pequeno Ofício da Imaculada Conceição temos estas verdades insofismáveis: “Por decoro do Filho não podia, o labéu de Eva macular Maria”, bem como: “Não podia uma Mãe assim eleita, por um momento à culpa estar sujeita”.

Comenta o Pe. Ribadeneira, discípulo de Santo Inácio, em seu Flos Sanctorum: “Quando o real profeta Davi falou aos príncipes do povo de Israel exortando-os a lavrar um templo magnífico e suntuoso ao Senhor, disse-lhes: ‘Esta é uma grande obra; porque não tratamos de fazer um palácio para um rei e homem mortal, mas um templo no qual more e habite um Deus’. Em todas as festas da Virgem Sacratíssima, podemos usar destas palavras; mas mais particularmente na festa de sua puríssima conceição, porque foi o princípio de todas suas festas, e na qual, depois de sua eterna predestinação, puseram-se os fundamentos deste templo divino, e começou-se a se aparelhar a casa na qual havia de morar o Senhor”.

Com efeito, decretara Deus, desde toda a eternidade, fazer de Maria a Mãe do Verbo Encarnado e, por essa razão, A revestiu com as galas da santidade, e lhe tornou a alma morada digna de seu Filho.

Embora desde a Idade Média viesse sendo defendida a conceição imaculada de Maria, foi somente no século XIX que, com a definição do Dogma da Imaculada Conceição, Pio IX a tornou uma verdade de fé. Desse modo esse Beato não fez mais que precisar, em termos teológicos, o que vinha sendo, através dos séculos, a fé constante da Igreja.

Colocada no coração do Advento, a festa da Imaculada Conceição anuncia os esplendores da encarnação redentora.

Gostaria de receber as atualizações em seu email?

Basta digitar o seu endereço de email abaixo e clicar em “Assinar”.