O mérito de Cancún não foi de “salvar o planeta”, mas salvar o processo de negociação do acordo climático internacional, que quase foi a pique em Copenhague.

Luis Dufaur

Para dissimular o fracasso da utopia ‒ e manté-la viva enquanto dure ‒ os organizadores da 16ª Sessão da Conferência das Partes (COP 16) para a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC), em Cancún, México fizeram eufóricos anúncios.

Entre eles, a criação do “Fundo Climático Verde”, de U$ 100 bilhões de dólares já prometidos em Copenhague, mas que só vigoraria a partir de 2020. Nenhum país ‒ aliás, razoavelmente ‒ deu sinais de querer fornecer algo e não se sabe de onde sairá esse dinheiro.

As promessas de cortar as emissões de CO2 foram altissonantes, mas não saíram de promessas para a circunstância. A poluição sonora do planeta pode ter sido prejudicada, mas a vegetação do planeta vai agradecer: quanto mais CO2 mais produção de alimentos.

Também o futuro pós-2012 do agonizante Protocolo de Kyoto não foi resolvido. Em 2012 ele acaba.

A grande concordância foi em continuar discutindo!

Cancún terminou sem resolver nenhum dos grandes impasses da área. Para a imprensa, o mérito de Cancún não foi de “salvar o planeta”, mas salvar o processo de negociação do acordo climático internacional, que quase foi a pique em Copenhague.

A linguagem diplomática adotada foi fraca e ambígua: insiste em “facilitar”, “estimular”, “identificar”, “recomendar”, e nunca em “decidir, colocar dinheiro, agir”, observou “Valor Econômico”.

“Cancún pode ter salvado o processo mas ainda não salvou o clima” disse Wendel Trio, diretor de política do clima do Greenpeace Internacional, como se o clima fosse salvável como um ursinho panda por decisões dos homens. “É mais um atraso de um ano em decisões-chave”, deplorou seu colega alemão Martin Kaiser, segundo Valor.

Em poucas palavras, a desanimada utopia de um comunismo novo ecológico e universal não morreu. Apenas adiou a data em que tentará uma nova ofensiva contra as soberanias e as economias nacionais.

Em solidariedade com Cancún, o presidente Lula assinou decreto que criou um teto para as emissões brasileiras de CO2. O teto será de 2 bilhões de toneladas de CO² equivalente em 2020. Para esse fim serão necessárias medidas para impedir o desmatamento na Amazônia e no cerrado e melhorar a eficiência energética, da siderurgia e da agricultura. As emissões nacionais teriam sido de 2,2 bilhões em 2005, segundo “Valor”.

Na agricultura será necessário, segundo o decreto, recuperar 15 milhões de hectares de áreas degradadas. Em si mesma a idéia merece aplauso: seria ótima ocasião para recuperar os 84 milhões de hectares de terras entregues à reforma agrária e abandonadas. Postas a produzir absorveriam seis vezes mais CO2 que a superfície contemplada no decreto.

Mas, paremos de sonhar, isto é blasfêmia para a utopia ambientalista. A meta desses 15 milhões provavelmente vai ser usada para prejudicar a expansão de nossa agricultura e o desenvolvimento de regiões necessitadas do Brasil.

Outra idéia é a ampliação do uso de tecnologias para tratamento de 4,4 milhão de metros cúbicos de dejetos de animais. Mais um ponto em que os produtores rurais poderiam dar aula. Mas, esta simples proposta sensata soa como mais uma blasfêmia anti-ambientalista!

A utopia poderá trazer até alguma deputada holandesa para conferenciar sobre como reduzir ou acabar com o gado brasileiro…

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 

4 COMENTÁRIOS

  1. Prezados Amigos e Conhecidos,

    Vide o que escrevi no blog acima citado referente a RIO+20, que comunga com o tema ora tratado por vocês.

    Sem mais para o momento, desejo-lhes

    Saúde, com respeito e fraternidade

    Paulo Augusto LACAZ

     
  2. O real cerne da matéria é indubitavelmente não meras “utopias” ambientalistas e sim a disputa obscura e nos bastidores pelo grande volume de verbas bilionárias na atualidade.

    Certamente destinadas a tais pseudos ONGS e entidades ditas “ambientalistas” e destinadas e gerenciada diretamente por seus lideres por vários governos de nações européias com finalidades obscuras ,salvo honrosas exceções!

    Para práticas ja denunciadas pela midi mundial que inclui até a biopirataria, com seus resultados economicos e financeiros em prol de seus financiadores,com registros de patentes bilionárias de tais recursos naturais, lesivos aos reais interesses de varias nações e paises tropicais da America Latina e Africa em especial.

    Ate mesmo pelo Japão, que teve contestada pelo governo brasileiro na OMC em Paris, há anos atrás ,patentes de recursos naturas vegetais da floresta amazonica brasileira.

    Enfim há vasta rede de interesses obscuros e ate mesmo criminosos, por detras da questão dita “ambientalista “,pelos ecologisats de plantão,sempre a espreita de boas chances em foruns mundiais, a nivel global, explorada e fomentada pro governso estrangeiros em pseudo defesa de meio anbiente, salvo raras e honrosas exceções idem.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome