Veja esta: associações de intépretes e tradutores se organizam para ir à Câmara, em Brasília, para alterar decreto que os qualifica como serviço comum, a exemplo de jardineiros, garçons, etc.1 Igualitarismo puro do decreto, equiparando trabalhos de níveis obviamente diversos.

Digamos que uns e outros se dediquem com o mesmo esforço –, os de nível melhor, e os mais simples — seria ou não uma injustiça não lhes dar o mesmo salário? Garçons e jardineiros fazem considerável empenho físico, ao passo, que os intépretes e tradutores não. Não entraria aí um preconceito contra garções e jardineiros, que em tese poderiam ser, inclusive, analfabetos? Se for um preconceito, ele atinge também as mais altas esferas, a começar pela presidente e seus ministros.

Vejamos uma das fontes das desigualdades. O princípio do Evangelho, de que devemos amar o próximo como a nós mesmos, nos obriga a amar todos os homens porque nos são próximos. E, pois, ele nos preceitua particular amor para com os mais próximos. Ora, para cada homem, o mais próximo é ele próprio e sua família. Assim, é razoável que, sem recusar aos outros justiça nem caridade, cada um se beneficie em medida muito mais larga a si e aos seus, com o produto de seu trabalho.

Helio Schwartsman2 fornece alguns exemplos do que se deve entender por próximo: “Se mães não protegessem suas crias, mamíferos e aves seriam inviáveis. Esse pendor simplesmente não combina com as exigências republicanas que nos impomos”, ocasionando paradoxos. Prossegue:

“Acertadamente, condenamos o juiz que contrata parentes para seu gabinete, mas também recriminamos o empresário de sucesso que deixa de empregar seu irmão necessitado. Uma igualdade estrita exigiria que eu dê a meu filho o mesmo valor que atribuo ao filho de um desconhecido e que dispense ao mendigo o tratamento que concedo a um amigo. Para Stephen Asma, em Against Fairness,éticas centradas na igualdade têm algo de profundamente desumano”.

Para o mesmo autor , os seres humanos estamos biologicamente programados para favorecer os próximos. “O amor é discriminatório”, afirma ele. E num certo sentido, é mesmo. Uma idéia raramente expressa, mas óbvia como muito do que se diz a respeito da desigualdade.

Caridade bem ordenada começa por si mesmo. Prima caritas incipit a seipso.

Expondo a questão da desigualdade para um importante Congresso Norte-Americano, assim se pronunciou Plinio Corrêa de Oliveira: “Dois marcos simétricos confinam o tema. É certo que a desigualdade deve ter limites. Certo é também que a igualdade os deve ter”.

Seja-me dado dizer que os limites da desigualdade estão traçados na própria natureza humana. Isto é, por serem naturalmente inteligentes e livres, os homens – todos os homens – têm uma dignidade comum que deles faz reis do Universo.

Debaixo desse ponto de vista, todos os homens são iguais. E o que reduza, de qualquer maneira, no homem essa dignidade fundamental e nativa, essa igualdade natural e radical, o mutila, amesquinha e ofende”.

Mas sucede que, além dessas qualidades básicas, os homens são dotados de inúmeras outras, que variam entre si como que ao infinito, também pelo simples fato de serem homens”.

________________________________

1 – Sonia Racy, Direto da Fonte. FSP 6-3-2014.

2 – “Questão de Igualdade”, por Helio Schwartsman em Folha de S. Paulo, 11 de agosto de 2013; Stephen Asma, em Against Fairness, citado pelo primeiro.

3 COMENTÁRIOS

  1. A grande maioria dos párocos e os ministros da Igreja Católica da Zona Pastoral onde moro aqui em Manaus, infelizmente ensinam e pregam o igualitarismo, exatamente ao contrário do ensinamento de Leo Daniele e Plinio Corrêa de Oliveira.

    Que Nª Sª de Fátima e, temos um anticomunista santo: São João Paulo II, intercedam por nós!

  2. Essa prática já está em andamento desde que América Latina virou um pretendido quintal do comunismo-marxismo-maoísmo- e outras ideologias do tipo : após ler sobre o roteiro dessas “linhas ideológicas” e os tipos de técnicas que eles utilizam, me faz lembrar quando o pol pot em Camboja começou a instalar a morte e as perseguições sobre as pessoas que tinham um nível de instrução diferente, médico virou enfermeiro, engenheiro ajudante de pedreiro,advogado não era preciso porque a “lei” eram os “comandantes” das hordas comunistas e derivados.
    Para “eles” o normal eram as execuções e a desgraça, a submissão de populações inteiras, e já mais perto na nossa América Latina o válido para os”revolucionarios” (sanguinários terroristas)era a “igualdade” estabelecida por decreto do “partido” , evidente que para suprir a falta de estruturas humanas e o próprio fracasso dedicam-se hoje à tirania e as imposições para ocultar sua falta de capacidade para virar “pessoas”, intelecto bitolado para “não enxergar”, só o kalasnikov ,granadas,e munição que eles “entendem” como meio válido para impor sua brutalidade ou um caminho “mais suave” disfarçado de “humanidade” :a mentira, difamação, intriga, deturpação e a burla para denegrir a imagem das pessoas verdadeiras!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome