Narração parcial do dilúvio, decodificada pelo assiriologista Irving Finkel. British Museum.

Há quatro mil anos um escriba caldeu – talvez na Babilônia, atual Iraque – gravou a narração do Dilúvio numa tabuleta de argila. 

Também da Caldeia, mais provavelmente de Ur, partiu Abraão, que acabou sendo escolhido por Deus para Patriarca do povo eleito.

O ignoto autor caldeu escreveu a narração daquele fato histórico-religioso único com caracteres cuneiformes (em forma de cunha). Por certo, narra uma tradição fincada há séculos entre os caldeus, que eram pagãos.

Por isso mesmo, alguns elementos da tradição que ele recolheu estão manchados de paganismo ou elementos meramente poético-lendários.

O que ele nunca poderia saber é que sua tabuleta haveria de atravessar dezenas de séculos, até ser decifrada no III milênio numa cidade que não existia em sua época: Londres. 

Há cerca de 30 anos, o assiriologista – especialista na Assíria, Mesopotâmia antiga – Dr. Irving Finkel, manuseando a tabuleta percebeu que se tratava de um dos mais importantes achados dos últimos tempos. Aliás, era uma entre as 130.000 trazidas da Mesopotâmia por arqueólogos ou expedicionários ingleses.

Em 2009, Dr. Finkel traduziu os milenares caracteres e percebeu com certeza tratar-se de uma narração parcial do Dilúvio, feita por um habitante da Assíria (atual Iraque). 

A tabuleta fala que Deus alertou um grande homem e o instruiu para construir um grande navio onde devia reunir toda sua família e dois animais de cada espécie, porque o mundo seria purificado com um dilúvio.

O Dr. Irving Finkel é curador no Departamento de Oriente Médio do famoso British Museum de Londres. 

Os resultados de seu trabalho sobre a tabuleta foram publicados em forma de livro: The Ark Before Noah: Decoding the Story of the Flood (A Arca antes de Noé – Decodificando a história do Dilúvio,Doubleday, New York & Hodder and Stoughton, London). O jornal britânico “The Telegraph” publicou interessante matéria a respeito. 

A tabuleta se insere entre os registros históricos mais antigos que se conhecem – por volta de 4.500 anos, quando nasceram as civilizações mais antigas. 

Nas mais variadas culturas de todos os continentes existem tradições alusivas a um dilúvio global com paralelismos espantosos entre si, as quais foram documentadas em mais de 250 contextos culturais diferentes.

Segundo a popular Wikipedia, “antropólogos dizem que há mais de 1.000.000 de narrativas do dilúvio em povos e culturas diferentes do mundo e todas elas, coincidentemente ou não, são do início destas civilizações”. 

É como se os povos todos tivessem uma origem comum e, uma vez dispersos, levaram consigo as lembranças e tradições comuns que registraram mais tarde como fazendo parte do início da história de cada um.

O Dr. Irving Finkel com a tabuleta de 4.000 anos que conta a história da Arca.
O Dr. Irving Finkel com a tabuleta de 4.000 anos que conta a história da Arca.

Obviamente, no transcurso dos séculos, sobretudo as tradições orais foram distorcendo os aspectos históricos e acrescentando outros, fantásticos, politeístas ou com defeitos cronológicos. Porém, a essência da mensagem continua em cada versão.

No caso desta tabuleta, em lugar de Noé aparece um imaginário personagem de nome Atrahasis e figuram diversos deuses, um dos quais revela o plano de punir o mundo. 

Em 60 linhas, a tabuleta descreve detalhadamente a construção da arca, a matéria-prima usada, seu formato, suas dimensões e o ingresso dos animais por pares. 

Porém, refere-se a um tipo de “barco-cesto” redondo, conhecido como ‘coracle’, comum nos rios da Mesopotâmia. O ‘coracle’ é pequeno, feito de fibras de palmeira, madeira que serve para pescadores ou pequenos serviços, mas não para grandes transportes. 

Deixando de lado essas falhas, o especialista disse em entrevista à Folha: “a história do Dilúvio é extremamente antiga e deriva de uma inundação real que aconteceu muito antes da invenção da escrita, talvez milênios antes”. A trama básica do Dilúvio mesopotâmico é quase idêntica à da história bíblica (Folha de S. Paulo, 29.06.2014). 

O Dr. Finkel, baseado na tabuleta, considera que ela fala de um fato anterior ao Dilúvio descrito na Bíblia. 

Certa mídia de viés anticatólico tentou explorar a afirmação de que a tabuleta que narra o Dilúvio data de 4.000 anos, sendo anterior aos mais antigos pergaminhos da Bíblia. E aqui entra o sofisma, segundo o qual a narração bíblica seria apenas um eco meramente fantástico de uma lenda ainda anterior. 

O sofisma não resiste à crítica. A cronologia bíblica antiga situa a época de Noé e sua arca por volta do ano 2.500 a.C., ou seja, há 4.500 anos. A cronologia bíblica moderna calcula a era de Noé por volta do ano 3.520 a.C., ou seja há 5.500.

Qualquer que seja o critério escolhido, o Dilúvio descrito na Bíblia é anterior à tabuleta e à época em que esta aponta para o Dilúvio. 

O Gênesis fala de uma época muito anterior e precede outros relatos, reforçando a ideia de que esse livro sagrado contém a narração original, verdadeira, transmitida pelas testemunhas à sua posteridade. (Cfr. Biblical chronologist.org)

O único povo que conservou a lembrança sem distorções foi o povo eleito. E isto só foi possível por um auxílio especial da Providência.

Arca_de_No_Capela_Real_Monreale_Sicilia
Arca de Noé. Mosaico da Capela Real, Monreale, Sicília.

Por sua vez, os povos mais vizinhos dos hebreus, como os caldeus, guardaram as lembranças do Dilúvio as mais parecidas com a narrativa do Gênesis.

Esclarecido este ponto, vejamos o que diz o Dr. Finkel. Ele se refere a numerosas enchentes que podem ter acontecido nos grandes rios da Mesopotâmia. Mas esclarece que existem indícios geológicos e arqueológicos de um cataclismo especialíssimo, acontecido por volta do ano 5.000 a.C.

O jornal “Haaretz”, de Israel, noticiando o lançamento do livro do Dr. Finkel, menciona o assiriólogo George Smith, especialista em decifrar textos antigos do British Museum. 

No século XIX, Smith foi o primeiro a identificar uma descrição do Dilúvio numa tabuleta do século VII a.C. em caracteres cuneiformes e proveniente de Nínive. 

A tabuleta decifrada por Smith (The Chaldean Account of the Deluge), é uma parte da The Epic of Gilgamesh (Epopeia de Gilgamesh), uma primeiras obras da literatura mundial, escrita na Mesopotâmia no século XXVII a.C.

Segundo o renomeado exegeta Pe. Vigouroux, na tabuleta decifrada por Smith a parte relativa ao Dilúvio diz:

“Haisadra nesses termos falou a Izdubar : ‘A nau que tu construirás, 600 côvados será a medida de seu comprimento e [No Gênesis: “E tú a farás assim, 300 côvados será o comprimento da arca,] 60 côvados a de sua largura e de sua altura. [Gênesis: 50 côvados a sua largura, e 30 côvados sua altura] […] lança-te no abismo’.

“Eu compreendi e disse a Hea , meu senhor : ‘A nau que tu me ordenaste, Quando eu a terei feito, jovens e velhos caçoarão de mim”. (…)

“Eu fiz entrar na nau ; todos meu servidores machos e fêmeas, os animais dos campos, as bestas do campo, e os filhos do povo, todos, eu os fiz subir.

“Samas fez uma inundação e ele falou, dizendo no entardecer : “Eu farei chover do céu abundantemente, entre no meio da nau, e feche a tua porta”.

“A inundação chegou, da qual Ele falou, dizendo no entardecer : “Eu farei chover do céu abundantemente”. (…)

“No 7º dia, no curso desse dia, eu soltei uma pomba e ela partiu. A pomba foi e procurou e um lugar de repouso ela não encontrou e voltou.

“Eu soltei uma andorinha e ela partiu. A andorinha foi e procurou e um lugar de repouso ela não encontrou e ela voltou.

“Eu enviei um corvo e ele partiu. O corvo foi e a diminuição das águas ele viu e ele comeu, ele nadou e errou ao longe e não voltou”.

(Pe. Fulcran Grégoire Vigouroux, La Bible et les découvertes modernes, Paris : Berche et Tralin, 1877, 4 volumes)

A descoberta de Smith causou um terremoto no século XIX, e até o primeiro-ministro britânico da época, William Gladstone, foi ouvir a conferência de apresentação do texto descoberto.

Agora, o trabalho do Dr. Irving Finkel fornece mais outra prova arqueológica apontando a historicidade do Dilúvio e a autenticidade do relato da Bíblia.

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 

5 COMENTÁRIOS

  1. Com a comprovação do Dilúvio, temos a grande certeza que o mundo criado por Deus teve a verdadeira narrativa na Bíblia que temos em nossas mãos, e não na crença de cientitas que falam do mundo de blhões de anos. Tudo é mentira dos cientitas que na maioria deles são ateus.

     
  2. LEMOS BEM ? ” HÁ MAIS DE UM MILHÃO DE NARRATIVAS DO DILÚVIO EM POVOS E CULTURAS DIFERENTES ” .
    E ainda existe gente que nega às Sagradas Escritura seu valor histórico.
    Faço menção de um fato ocorrido na Ia. Grande Guerra (1914-1918). Fato narrado (entre outros, interessantíssimos) em um livro de um cientista alemão (não me lembro o nome dele) cujo título é: “…E a Bíblia tinha razão”.
    De uma base aérea militar na Turquia partia periodicamente aviões para a Europa Central. Em um desses voos o piloto notou algo como uma carcaça de uma caravela no topo de uma montanha coberta de neves eternas. Julgou ter-se iludido. Em uma segunda e terceira vez comprovou que não era ilusão. Pediu para os seus amigos pilotos que faziam o mesmo curso de voo, que verificassem, dando ele as coordenadas da posição. Seus colegas confirmaram ter visto também.
    Após a guerra foi constituída uma expedição anglo-francesa para verificação “in-loco” desta curiosidade insólita: “o casco de uma caravela sobre o cimo de uma montanha gelada”.
    Na Biblia traz as medidas da Arca de Noé, e foi possível confirmar: era a Arca de Noé.
    Recomendo a leitura do livro do cientista alemão, editado na década de 1950. Outra curiosidade é que obras como essa não são reeditadas, apesar de sua relevância.

     
  3. A negação do dilúvio bíblico é uma atitude de quem rejeita expressamente qualquer possibilidade de julgamento ou intervenção divina na história. Quem nega o dilúvio não pretende acreditar num juízo final, e não vê a mínima necessidade de se arrepender dos seus pecados

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome