Este santo pouco conhecido no Brasil, nasceu em fins do século XII ou início do XIII na Silésia, entre Breslau e Cracóvia, na Polônia. Seu nome de batismo foi Jacke, que se traduz por João, e segundo consta, era sobrinho de D. Ivo Orowaz, bispo de Cracóvia. Nada sabemos de sua infância e juventude, a não ser que estudou nessa cidade, e depois em Praga e Bolonha, onde obteve o título de Doutor em direito canônico  e civil, e recebeu a ordenação sacerdotal.

Por volta de 1217 o Pe. João foi para Roma acompanhando seu tio D. Ivo. Na Cidade Eterna teve a graça de conhecer São Domingos de Gusmão, que havia pouco tinha fundado uma nova Ordem religiosa, a dos Padres Predicadores, mais conhecidos como Dominicanos. Seus membros deviam formar um corpo de homens sábios, pobres e austeros, sendo que a ciência e a piedade deveriam ser os traços essenciais desses cavaleiros de Cristo. O trabalho manual ficava suprimido, o estudo prolongado, a oração litúrgica diminuída, e os exercícios de penitência subordinados às exigências da pregação.

 Atraído por ela, o Pe. João pediu seu ingresso na Ordem, sendo um dos primeiros a receber o hábito das mãos de São Domingos, o que ocorreu em Santa Sabina no ano de 1220, tomando ele o nome de Jacinto.

Depois de seu noviciado e profissão religiosa, Frei Jacinto foi mandado por São Domingos como superior de um grupo de missionários, para pregar na Polônia. No caminho ele estabeleceu um convento de sua Ordem em Friesach, na Caríntia.

Recebidos favoravelmente pelos poloneses, seus sermões produziram muito fruto. São Jacinto estabeleceu então comunidades dominicanas em Sandomir e Cracóvia, e também em Plocko no Vístula, na Morávia.

Depois de pregar por toda a diocese de Cracóvia, São Jacinto mandou alguns dominicanos como missionários para a Prússia, Pomerânia e Lituânia, para substituir os cistercienses, menos preparados para o apostolado.

De lá, cruzando o Mar Báltico, ele pregou na Suécia, Dinamarca e Noruega, pois esses países pagãos careciam de evangelização.

O grande afluxo de religiosos à nova Ordem permitiu que, em 1225, por ocasião do capítulo provincial da mesma, fosse decidido a fundação de cinco novos mosteiros na Polônia e na Boêmia.

Por volta de 1228, após ter participado do capítulo geral da Ordem em Paris, Frei Jacinto foi para Kiev, na Rússia, onde os dominicanos se irradiaram pelo país, estabelecendo conventos em Lemberg, Haltz e em Mester. Fundou também um convento em Dieff, e chegou até as margens do Mar Negro. Entre 1241 e 1242 São Jacinto viu-se obrigado a interromper suas atividades apostólicas na região, por causa das invasões tártaras, que fizeram inúmeros mártires e destruíram muitos conventos. Após a passagem deles, a obra missionária pôde ser retomada, e então São Jacinto retornou para a Cracóvia.

São Jacinto foi incansável pregador da palavra divina. Documentos seguros indicam-nos que ele era pregador em Cracóvia em 1228, no convento da Santíssima Trindade, e que mais tarde, em 1238 pregou uma cruzada contra os prussianos.

O santo foi um dos mais pródigos missionários para o estabelecimento da Ordem dominicana naquelas regiões tão distantes de Roma. Foram quarenta anos de intensa vida missionária. Durante sua vida foram fundados inúmeros conventos, de modo que, em 1228, no Capítulo Geral dos Dominicanos em Paris, foi criada a província dominicana da Polônia.

São Jacinto morreu como verdadeiro batalhador no dia 15 de agosto de 1257. Seu culto logo se espalhou por toda a Polônia e, a partir de 1260, três anos após sua morte, seu túmulo passou a ser local de peregrinação. Ele foi canonizado pelo papa Clemente VIII em 1594, e é considerado o apóstolo da Polônia. O Martirológio Romano Monástico dele diz neste dia: “No ano da graça de 1257, a volta para Deus de São Jacinto. Depois de ter estudado em Cracóvia, tomou o hábito dos frades pregadores em Roma, das mãos do próprio São Domingos. Fundou a província dominicana da Polônia, e estendeu seu apostolado para a Rússia e a Prússia”.

Deixe uma resposta