BLM apoia ditadura cubana; o Manual Antifa

0

Black Lives Matter nesta quinta-feira expressou abertamente seu apoio ao regime cubano, assim como no passado também demonstrou sua simpatia por Nicolás Maduro, na Venezuela.

Enquanto o povo cubano exige liberdade na Ilha, em meio a espancamentos, prisões e perseguições por forças leais ao regime de Castro, Black Lives Matter prefere criticar os EUA e defender a “revolução” comunista.


“O povo de Cuba está sendo punido pelo governo dos Estados Unidos porque o país manteve seu compromisso com a soberania e a autodeterminação”, disse o BLM em um comunicado postado em sua conta no Instagram.

“Os líderes dos Estados Unidos tentaram esmagar essa revolução por décadas”, reclamou o grupo de esquerda radical.

Black Lives Matter afirma que o regime comunista tem sido solidário com as causas africanas, sem falar que nas mãos de Che Guevara ele enviou seus soldados negros para morrer em Angola.

A situação dos negros em Cuba piorou com o comunismo dos Castros

“Nenhuma conversa pode ultrapassar uma experiência de vida. Sou cubano, ativista dos direitos humanos e tenho sofrido extrema pobreza, vigilância, prisão, violações dos direitos humanos, abuso policial, fome, tudo. Vamos a qualquer hora para qualquer lugar para conversar “, explicou Omar López Montenegro, diretor de Direitos Humanos da Fundação Nacional Cubano-Americana, ao PanAm Post.

López Montenegro assegurou o seguinte:

“A situação dos negros piorou desde que o regime de Castro assumiu o poder. De fato, durante a República, apesar dos problemas raciais, devido à existência de uma democracia, em Cuba foram eleitos governadores da raça negra, um presidente do Senado, Martín Morua Delgado, e também parlamentares, como o sindicalista, o próprio Jesús Menéndez, membro do Partido Popular Socialista.

Quando Cuba se tornou uma ditadura comunista, quando o jogo democrático foi perdido, o avanço gradual dos cubanos negros desacelerou, estando sujeito a uma condição política, sendo um “revolucionário” (comunista). A única maneira de subir na hierarquia política em Cuba é pela designação de um partido.

Black Lives Matter foi fundada por “marxistas treinados”

O movimento Black Lives Matter não dá ouvidos ao clamor da população negra de Cuba. Ao contrário, ele é cúmplice de seus algozes. Ele apela ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para que ponha fim ao “embargo”, alegando que se trata de uma violação dos direitos humanos. É paradoxal como os referentes socialistas pedem um mercado livre.

Black Lives Matter proclama um “socialismo racializado”, onde a redistribuição da riqueza exige impostos para os brancos e um salário mínimo garantido pelo Estado para a população negra.

Enquanto a população cubana exige liberdade, BLM exige dependência do Estado. Claro, enriquecendo-se com a solidariedade privada ao longo do caminho. Tanto que Patrice Cullors, um dos fundadores desse movimento, já comprou uma mansão.

Acrescente-se o fato de que as famílias das vítimas fatais que o BLM afirma defender, afirmam ter recebido apenas US $ 500 de indenização, enquanto a organização recebeu mais de US $ 90 milhões no ano passado.

Publicamente, dois dos três fundadores do Black Lives Matter se declararam “marxistas treinados”. A terceira, Opala Tometi, condecorou Nicolás Maduro no Harlem, Nova York, e viajou pessoalmente à Venezuela, onde chamou a oposição ao regime de “contra-revolucionária”.

Um estudo crítico sobre o BLM (UFSC)

Aos que desejam aprofundar-se no conhecimento sobre a origem, ideologia e metas do BLM aconselhamos o trabalho abrangente, objetivo e sintético de Antonio Pinho — Grupo de Pesquisa Cruz e Sousa — UFSC-CNPq:

The Manual Antifa é um panfleto em inglês, com nove páginas,
contendo não apenas a ideologia ou os pressupostos sociológicos e históricos
que inspiram o movimento, mas, também, diversas ações políticas a serem
executadas num prazo de cem anos.
O plano Antifa tem como um dos objetivos principais a substituição populacional
americana, com redução drástica da população branca. Para isso, o Manual
prevê o apoio à imigração em massa de pessoas não brancas para os EUA e
também para a Europa. A meta é que, em 2117, 70% da população americana
seja formada por não brancos (atualmente é de 25% de não brancos). Não há
dúvida que a nova população irá fornecer a base de sustentação política para o
plano de poder Antifa. Para acelerar o processo de substituição populacional, o
manual preconiza a facilitação do aborto, especialmente, o aborto sob demanda,
isto é, para os que podem pagar, ou seja, para os brancos. Além disso,
recomenda o Manual que é preciso difundir entre os brancos o ideal de vida sem
filhos.

***

Declarações do Senador Marco Rubio

A esse respeito, o senador Marco Rubio, filho de pais cubanos, disse que o BLM é um grupo extorsionário que compartilha seu apoio ao regime comunista.”

“A posição de extrema esquerda por parte de Black Lives Matter está presente em seu discurso e também em sua simbologia. Eles resgataram o punho fechado dos Panteras Negras, um grupo marxista separatista que aplicou táticas de guerrilha nos anos 1960 e 1970 nos Estados Unidos. Não é por acaso que eles apoiam o regime comunista hoje, ele é fiel aos seus ideais.”

Ideais falsos, acrescentamos, porque negam os princípios católicos, rejeitam a Lei Natural, são contrários à família, ao direito de propriedade e às tradições cristãs das Américas. Eles são responsáveis por atentados a símbolos pátrios e missionários católicos.

Fonte: Black Lives Matter: el movimiento hipócrita que apoya al régimen cubano (panampost.com)

Deixe uma resposta