China recua: da diplomacia guerreiro-lobo à nova máscara de “boazinha”?

0

Recuar, para o PCCh, é sempre uma derrota de seu autoritarismo, sua política diplomática de guerreiro-lobo, sua ânsia em se tornar a primeira nação da Terra. O comunismo, ensina o Prof. Plinio, é uma seita imperialista, hegeliana que quer amoldar todos os povos à seu credo ateu.

Nosso Site tem mostrado a queda de confiança, o baixo Ipope, na condução face à Pandemia, que afetou negativamente a imagem da China em todo o Mundo Livre.

Saldo negativo na Opinião Pública mundial

Escreve BitterWinter: “Mas, apesar de todos os seus esforços, a China obteve um retorno limitado sobre seu investimento (no terceiro mundo). Por quê? Porque a China enganou o mundo sobre a pandemia e ergueu barreiras bloqueando investigações internacionais sobre as origens de COVID 19, continua a brutalizar os muçulmanos e oprimir os cristãos e outras minorias religiosas, age como um agressor nos mares do leste e do sul da China, conduziu uma ilha ilegal para fins militares, está envolvida em um aumento militar maciço, silenciou Hong Kong como uma ilha livre e está intimidando Taiwan, realizou cercos de fronteira do Himalaia, lança ataques cibernéticos implacáveis ​​e contínuos, se envolve em práticas comerciais predatórias em todo o mundo …”.

Mudança de estratégia confirma o fracasso da política guerreiro-lobo

A diplomacia do “guerreiro lobo” da China também está relacionada ao temperamento explosivo e à falta de confiança do PCCh. Por um lado, a autoconfiança da China como uma superpotência mundial a torna ansiosa para estabelecer uma voz internacional que corresponda à força nacional abrangente e ao status internacional da China, e ainda mais ansiosa para obter um nível proporcional de “poder brando”.

(…) “A China gastou bilhões de dólares em uma ofensiva de charme para aumentar seu poder brando (mudança de máscara), incluindo grande propaganda, Institutos Confúcio e programas de ajuda à África e à América Latina, que não são limitados pelas preocupações institucionais ou de direitos humanos que restringem a ajuda ocidental.”

Na realidade, está provado que a Belt and Road Iniciative é um modo da China dominar as nações pobres endividando-as em projetos faraônicos cuja consequência acaba sendo um domínio em áreas vitais de infraestrutura, empobrecimento, falência.

Política errada da UE e EUA favorece a expansão da China

Acrescentamos, esse é um ponto muito importante na diplomacia errada adotada pela UE e EUA: a UE força as Nações favorecidas a adotarem planos de aborto, limitação de natalidade, ideologia de gênero. A política de Biden também segue o mesmo erro doutrinário e tático.

As Nações da África e tantas outras das Américas não aceitam essa imposição de uma política anti família, pró aborto e pró agenda lgbt. Resultado, os grandes do Ocidente — EUA e UE — abrem o caminho para a China comunista deitar suas garras no terceiro mundo.

Reconheceu-o, recentemente, a UE planejando uma maior atenção às nações africanas que estão sendo objeto de grandes investimentos chineses.

Quanta razão tinha o Prof. Plinio mostrando que a fraqueza dos bons fomenta a audácia dos maus. Uma diplomacia forte dos EUA e da UE face à China teria evitado as tentativas de expansão de Pequim nos países pobres e conservado a supremacia dos Países Livres.

Ibope negativo da China

Continua BitterWinter: “De acordo com um relatório de pesquisa do Pew de outubro passado, as opiniões negativas em relação à China:

— entre os americanos aumentaram de 47 por cento em 2017 para impressionantes 73 por cento em 2020,

— 40 por cento a 73 por cento no Canadá,

— 37 por cento a 74 por cento no Reino Unido,

— 32 por cento para 81 por cento na Austrália”.

Além das próprias fronteiras da China, poucas pessoas ainda acreditam que sua ascensão seja pacífica, e a crescente hostilidade pública contra a China é um fenômeno inegável.

A China vai tentar a máscara de “boazinha“?

Em uma reunião de estudos do Politburo do Partido Comunista Chinês (PCC) realizada na tarde de 31 de maio, Xi Jinping instruiu seus colegas que eles devem “contar uma boa história chinesa“, “propagar a voz da China”, garantir que a China tenha uma “voz ” que corresponda ao seu “poder nacional abrangente e status internacional”, “pegue o tom certo”, “seja modesto e humilde”, “preste atenção à estratégia e à arte da ‘luta de opinião pública’ ”e“ faça um discurso chinês mais persuasivo.”

Isso parece indicar que o governo chinês percebeu que a “diplomacia do guerreiro lobo” colocou a China em uma situação mais difícil no cenário internacional. Consequentemente, Xi Jinping deseja fazer certos ajustes na chamada “diplomacia do guerreiro lobo” da China.

Continua a notícia: “No entanto, foi o próprio Xi Jinping quem iniciou a diplomacia do guerreiro lobo da China. Ela se originou dos conceitos de Xi de “autoconfiança de uma grande potência”, o “modelo chinês”, o “plano chinês” e uma “comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade”. Além disso, foi o próprio Xi quem reforçou o senso de nacionalismo do público chinês como parte de uma estratégia para consolidar ainda mais seu poder e aumentar seu prestígio.”

Nos últimos dois anos, Xi Jinping exigiu que os diplomatas chineses demonstrassem um “espírito de luta” e assumissem uma postura firme nas relações sino-americanas e nos desafios internacionais.”

E o Brasil?

O Brasil é a Nação-esperança do Novo Mundo. Territorialmente, um gigante; dotado de riquezas minerais, água potável, florestas.

Sobretudo, um povo inteligente, intuitivo, de senso do universal. De formação cristã, nasceu sob o Signo da Cruz. Soubemos travar batalhas em Guararapes, no Rio de Janeiro, em São Luís do Maranhão a fim de conservarmos a integridade de nosso território e a soberania nacional.

Nossa Senhora Aparecida guie a Terra de Santa Cruz em sua providencial missão de vanguardeira na defesa dos Valores Morais, do direito de propriedade, da livre iniciativa que são exatamente o contrário do comunismo chinês, norte coreano, ou cubano.

Esse ainda será um grande País!

Fonte: Why China’s “Wolf Warrior” Diplomacy Is Here to Stay (bitterwinter.org)

Deixe uma resposta