“18 de maio de 2020 (LifeSiteNews) – Esta tarde, o Conselho de Estado francês (Conseil d’Etat) ordenou ao primeiro-ministro Edouard Philippe que modificasse o decreto que proíbe o culto público sob o estado sanitário de emergência dentro de oito dias, em um marco decisão que reconhece os direitos específicos associados à “liberdade fundamental” do culto público”.

Macron, com seu decreto (16 de março), oprime o direito dos católicos

O maior direito da pessoa humana é conhecer e praticar a Religião verdadeira. Está acima da vida, pois, os mártires não recusaram a morte para serem fiéis a Cristo, Nosso Senhor.

“Na próxima semana, as igrejas na França deverão poder organizar missas públicas e outras cerimônias religiosas, suspensas desde o segundo domingo da Quaresma por causa da pandemia do COVID-19, com o argumento de que sua proibição não é mais proporcional à “Guerra ao coronavírus” declarada pelo presidente Emmanuel Macron em 16 de março.”

Seria útil, razoável e necessário que a CNBB abrisse as igrejas

“A autoridade administrativa mais alta da França declarou que o direito de participar de uma reunião ou reunir em locais de culto – e não apenas de orar em casa ou de rezar individualmente em um local de culto – “é um componente essencial da liberdade de culto”. e restringir essas reuniões é “uma violação grave e manifestamente ilegal” dessa liberdade.”

“A decisão é um tapa na cara do governo francês, que demonstrou o lado mais sombrio de seu secularismo na manutenção de medidas estritas contra o culto religioso e, especialmente, o culto católico, apesar de que permitiu escolas primárias, empresas , lojas e a maioria dos shopping centers, bem como bibliotecas e pequenos museus para reabrir desde 11 de maio.”

Grave omissão dos bispos franceses

“A decisão também repreende os bispos franceses e a conferência dos bispos franceses, que deliberadamente se abstiveram de atacar o decreto de 11 de maio nos tribunais. Em vez disso, em 1º de maio, quando o primeiro-ministro Philippe, (…) anunciou publicamente que “não haveria missa antes de 2 de junho”, o presidente da conferência dos bispos, Eric de Moulins-Beaufort, simplesmente comentou: “Você pode ache essa decisão exageradamente cautelosa, mas ainda precisa ser implementada. ”

Não só se abstiveram de atacar o decreto de 11 de maio mas deveriam ter se levantado contra o decreto de Macron de 16 de março.

“O decreto de 11 de maio foi ainda mais longe, pois omitiu uma data para o retorno do culto público.”

“Quatro institutos de “missa tradicional” sob autoridade romana – a Fraternidade de São Pedro (FSSP), os Amigos do Instituto de Cristo Rei, Sacerdote Soberano representado por dois cânones do ICKSP, o Instituto do Bom Pastor e a Fraternidade Dominicana de Saint-Vincent-Ferrier – uniu forças para defender os direitos dos fiéis.”

***

Fica registrado na História a triste omissão dos Srs. Bispos em seguir o Mandato do Divino Mestre: “Ide, e evangelizai todos os povos”.  Durante 3 séculos esse Mandato foi coroado com centenas de milhares de mártires … que preferiram seguir Nosso Senhor em vez de colocar incenso aos deuses pagãos.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/blogs/top-french-administrative-authority-rebukes-president-demands-reopening-of-churches

1 COMENTÁRIO

  1. […] “Esta tarde, o Conselho de Estado francês (Conseil d’Etat) ordenou ao primeiro-ministro Edouard Philippe que modificasse o decreto que proíbe o culto público sob o estado sanitário de emergência dentro de oito dias, em um marco decisão que reconhece os direitos específicos associados à “liberdade fundamental” do culto público”.  https://ipco.org.br/conselho-de-estado-frances-manda-reabrir-as-igrejas-e-nossos-bispos-farao-o-mesm… […]

Deixe uma resposta