“Mais cubanos”

Ao elaborar o programa “Mais Médicos” como carro-chefe da propaganda eleitoral de Dilma Rousseff para sua reeleição à Presidência, e a do ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha, para o governo de São Paulo, a administração petista pode ter dado um tiro no pé. O programa começa a fazer água. E vai caindo no descrédito a alegação de que seu objetivo primordial é melhorar o atendimento médico no interior do Brasil.

Os vários absurdos que esse programa comporta levam à constatação, logo de início, de que se trata fundamentalmente de transferir dinheiro para a ditadura comunista que escraviza Cuba, a qual se acha em situação de aperto, fruto de seu próprio estatismo igualitário. Subsidiado primeiramente pela União Soviética, depois pela Venezuela, caberia agora ao Brasil o papel de principal mantenedor do comunismo dos irmãos Castro.

Protesto de médicos, em Brasília, contra o Mais Médicos
Protesto de médicos, em Brasília, contra o Mais Médicos

A situação é tão absurda, que o jornalista Reinaldo Azevedo, à procura de uma explicação plausível para essa situação incompreensível, chega a levantar a hipótese de que se trataria de um caso monumental de tráfico de divisas, lavagem de dinheiro e financiamento irregular de campanha eleitoral no Brasil”.

Os autênticos médicos cubanos – e não os agentes comunistas que se disfarçam entre eles – vão se dando conta da situação. A deserção de Ramona Matos Rodrigues, médica do referido programa que atuava no interior do Pará, abriu uma primeira brecha no casco desse navio negreiro. Ela pôs a boca no mundo. Pouco depois, ficamos sabendo que outro médico cubano, Ortelio Jaime Guerra, também abandonou o programa na cidade de Pariquera-Açu, no interior paulista. Outros ainda se lhe seguiram.

O Ministério Público do Trabalho já está investigando o “Mais médicos”, cujas características parecem contrariar a lei trabalhista brasileira (não a cubana, onde todos os habitantes são considerados peças da máquina bolchevista).

O jornal “O Estado de S. Paulo” (11-1-14) diz que o programa poderia chamar-se “Mais Cubanos” e informa que, além de ficar com o dinheiro, o governo comunista da ilha retém os passaportes dos médicos. E acrescenta que a exportação de médicos rende bilhões de dólares anuais para a ditadura cubana. Trata-se de “consolidar os laços ideológicos com Cuba”.