À medida que o caos no mundo contemporâneo vai se aprofundando – e talvez por causa desse mesmo caos – assistimos em sentido contrário a uma “onda conservadora” no Brasil e no mundo. Ninguém com um mínimo de razoabilidade o contesta, seja de direita, de centro ou de esquerda. O fato está aí, e tudo indica que veio para ficar.

Convém ter presente que essa “onda conservadora” corresponde, em ponderável medida, a uma reafirmação do bom senso, profundamente ferido pelo caos e pelas chamadas “conquistas” da modernidade.

* * *

Vejamos, a título de exemplo, alguns setores nos quais ela se verifica:

— No campo político-social, uma rejeição às diversas formas de socialismo, seja o do PT, no Brasil, seja o do PS, na França, e de outros ainda. E nos Estados Unidos, onde não se pode falar propriamente em partidos socialistas, no entanto é o partido mais à direita que vem se afirmando na preferência popular.

— Em matéria de artes, chama a atenção a falta de público para a dita “arte moderna”, como a apresentada na Bienal de São Paulo. Esta já apela para representações tendentes ao satanismo, a fim de tentar atrair pelo bombástico, pela irreverência e pelo sacrilégio, aqueles que não consegue atrair pela arte. Pobres crianças de colégio, que constituem o público habitual dessas exposições, são obrigadas por diretores de muitos estabelecimentos de ensino a se submeterem a essa inglória peregrinação através de salões aborrecidos e tenebrosos.

— Em matéria de filosofia de vida, não está colando essa pregação descabelada e absurda de uma igualdade buscada a todo preço, antinatural, que a pretexto de combater desigualdades injustas, o que seria louvável, leva de roldão, sob o rolo compressor da mídia e de certos políticos, as desigualdades legítimas e proporcionadas, necessárias para o reto e ordenado convívio humano.

— Em matéria de religião, os desmandos da esquerda católica e do progressismo em geral vão produzindo reações em série a favor da tradição. Em alguns casos, infelizmente, afastando dos sacramentos e da prática religiosa os que não se conformam com a presente autodemolição da Igreja, que abre portas e janelas para que no Templo de Deus entre a fumaça de Satanás, constatada por Paulo VI.

Muitos se perguntam se o mundo virou um manicômio, o que os leva a reagir ou pelo menos a retrair-se. É a onda conservadora que se afirma.

3 COMENTÁRIOS

  1. A pergunta se o mundo se transformou num manicômio vem à mente – é triste constatar – observando a conduta de alguns eclesiásticos. Eles que deveriam ser os sustentáculos da ordem moral e social.

  2. Enquanto a Revolução força a humanidade – já a partir das criancinhas – a caminha em direção ao caos, à anarquia, pela imoralidade e pelo absurdo até o grau satânico, a alma que existe em cada ser da humanidade como que bate um sino avisando das coisas de Deus….

Deixe um comentário!