“Depois de mais de 60 anos no poder, o Partido Comunista de Cuba mantém a sociedade controle, através de perseguição ideológica”.

A ONG “Defensores dos Presos Cubanos” relata que dezenas de milhares de presos, todos os anos, dos quais apenas 7% escapam da condenação.

Continua Panampost: “Isso soma mais de 37.000 cubanos condenados por ano. Desse total, 69% estão privados de liberdade, alguns estão indo para a prisão e alguns centralizaram o “trabalho correcional”.

A nova Constituição, como na China, centraliza tudo no PC

O artigo 3º da nova Constituição estabelece que “os cidadãos têm o direito de lutar por todos os meios, incluindo a luta armada, onde nenhum outro recurso é possível, contra quem tenta derrubar a ordem política, social e econômica estabelecida por esta Constituição”.

O artigo 5º também afirma que “o Partido Comunista de Cuba, o único, martiano, fidelista e marxista-leninista, organizou a vanguarda da nação cubana, com base em seu caráter democrático (sic) e conexão permanente com o povo, é a força motriz superior da sociedade e do Estado”.

Assim, a perseguição ideológica não só existe, mas é endossada pela lei e exercida pelo sistema judiciário.

Conclui panampost: “Quero dizer, em Cuba você não tem que cometer um crime para ser privado de sua liberdade. Basta ter ideias inapropriadas”.

  • * * *
  • Tivemos, no Brasil, uma infeliz amostra com o programa petista “Mais Médicos” (cubanos). Espontaneamente foram aparecendo declarações de profissionais cubanos relatando o controle ditatorial que Cuba exercia sobre cada um deles. Essa é a liberdade e democracia que o PT tentou implantar aqui em 13 anos.
  • Sem as gigantescas marchas nas principais cidades a partir de 2015 e uma especial ajuda da Providência divina jamais teria o Brasil rompido os grilhões da ditadura petista.
  • Infelizmente o Vaticano se esqueceu dos presos políticos de Cuba e da Venezuela e dos católicos chineses.
  • Fonte: https://es.panampost.com/mamela-fiallo/2020/01/15/cuba-presos-contrarias-moral-socialista/

Deixe uma resposta