Dom Bertrand

Histórias de mulheres destaques em gestão pública, liderança empresarial e no dia a dia foram tema de Talk Show realizado na tarde do último 17 de agosto, na sede do Sebrae de Campo Grande (MS), organizada pela Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais da cidade.

O Príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança esteve presente e fez uma palestra a sobre a Princesa Isabel e sobre seu último livro “Psicose Ambientalista”.

Confira matéria abaixo.

Príncipe imperial Dom Bertrand de Orleans fala da princesa Isabel,sua bisavó em evento da BPW Campo Grande

Dom Bertrand, ao proferir palestra, e com as presidentes da BPW Campo Grande, Célia Zanetti, da BPW Brasil, Sueli Batista e participantes da Jornada Intercultural
Dom Bertrand, ao proferir palestra, e com as presidentes da BPW Campo Grande, Célia Zanetti, da BPW Brasil, Sueli Batista e participantes da Jornada Intercultural

Durante uma hora as participantes da Jornada Intercultural da BPW Campo Grande receberam uma verdadeira aula de história do Brasil, contada por nada menos que o bisneto da princesa Isabel, o príncipe imperial Dom Bertrand de Orleans e Bragança. O foco de sua palestra foi sobre a redentora do Brasil, a libertadora dos escravos e acima de tudo uma mulher cuja sensibilidade ultrapassou a linha do tempo.

O príncipe encantou a plateia, iniciando  sua fala destacando  grandes mulheres da história, mas priorizando na palestra a sua bisavó, Dona Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bragança e Bourbon, a princesa Isabel. Ele também fez uma menção aos países muçulmanos e de como ainda tratam a mulher. A presidente da BPW Campo Grande disse que a ideia de trazer um dos mais ilustres representantes da monarquia da atualidade, foi no sentido de fazer uma ponte entre o presente e o passado, colocando as mulheres num contato direto com a história brasileira. Isso é cultura, é o objetivo do nosso evento, inter-relacionar este mote com os demais assuntos da atualidade.

Dom Bertrand disse a Princesa Isabel, a última princesa imperial do Brasil, avaliando suas  origens genéticas e a sua ancestralidade herdou o temperamento forte de Dom Pedro I, e tinha gestos corajosos, expansiva comunicativa e afetiva. De Dom Pedro II, o gosto pelos estudos, e o desapego aos bens materiais. Ele relatou que em uma das viagens  com o pai, que era muito querido, e festejado pelo povo, indagou “ pai este  povo é meu” e  ele disse que não, mas sim que ela é quem deveria  servir a este povo.

Um dos relatos interessantes de Dom Bertrand também foi sobre dona Leopoldina, esposa de Dom Pedro I, destacando que foi ela que presidiu a reunião que decidiu a independência, estava na posição de  chefe do Estado, e foi ela quem assinou a carta, que proclamava a Independência do Brasil, que teve sua proclamação, por Dom Pedro, que encontrava-se em viagem, como forma de ratificar o ato da sua esposa.

Princesa Isabel, também recebeu uma herança de sua mãe, Teresa Cristina, a  fé, piedade e caridade. Era uma mulher ativa e de personalidade, católica, e que tinha uma força de vontade  extraordinária, e a coragem de enfrentar situações adversas, era generosa, disposta a perdoar, pautada pela fé e princípios evangélicos. Na infância Já dizia acabar escravidão, e no exercício do poder se inseriu no movimento abolicionista. Dom Pedro I e Dom Pedro II, conforme disse o príncipe Dom Bertrand eram também  contra escravidão.

Quando a princesa Isabel casou-se com o Conde D’Eu -Luis Filipe Maria Fernando Gastão de Orléans, tornou-se uma mulher ainda mais sensível. Suas ideias tinham clareza e era firme em suas emoções.  Assumiu três vezes a regência. Na primeira, aos 25 anos assinou a Lei do ventre Livre,  e na terceira vez, em  1888,  conseguiu que o parlamento libertasse os escravos, assinando no dia  13 de maio a libertação dos escravos. Neste dia jogaram rosas ao ar, e um  embaixador dos EUA pegou uma rosa e colocou no bolso, e disse que no seu país um fato, que levou milhares a morte, que era questão social, no Brasil com fato parecido  lançaram-se rosas no ar.

“Mil tronos eu tivesse, mil tronos eu daria para libertar os escravos do Brasil”, disse a princesa Isabel, mostrando não temer perder o trono. No ano seguinte a família Real foi exilada, e Dom Pedro II após 51 anos imperador- viajou  com a  roupa do corpo, e não teve  dinheiro para pagar enterro da esposa. Faleceu pobre em um  hotel de Paris.

A princesa Isabel viveu  na casa da família Conde D’ EU,  se inseriu a sociedade francesa, e tornou-se muito conhecida na   sociedade parisiense, Bertand disse que ela ia com a própria carruagem ao teatro, o que era muito prestigio .  Sempre prestativa, ela até no exílio fazia caridade.  Morreu no dia  14 novembro de 1921. Sem retornar ao Brasil, o país chorou a morte da redentedora.

Dom Bertrand falou também sobre o processo de beatificação de sua bisavó. Vale destacar que em outubro de 2011 foi oficialmente aberto o processo de beatificação da princesa, entregue ao cardeal arcebispo do Rio de Janeiro, D. Orani João Tempesta a pedido de monarquistas brasileiros.

Foi a princesa Isabel, segundoo príncipe Dom Bertand que sugeriu a construção do monumento ao Cristo Redentor e a pedra fundamental foi colocada por sua avó em 1922.

Fonte: http://www.bpwbrasil.org/principal/817.html

5 COMENTÁRIOS

  1. Há muitas verdades escondidas na História oficial do Brasil, e essas verdades precisam ser reveladas ao grande público, pois o povo necessita e merece saber. Uma delas ocorreu nesse período compreendido de Monarquia. Nada contra a princesa Isabel, no entanto a assinatura das leis de sua autoria, como “lei do ventre livre”, “lei áurea”, acontecia de forma previamente calculada, como forma de prolongar a vida útil do Império, o qual arquejava no final do século XIX. De que forma ocorria tal manobra? Simples, D Pedro viajava à Europa e naturalmente a filha assumia o posto deixado pelo pai, então ocorria a assinatura dessas leis “revolucionárias”, tarefa que o próprio imperador poderia executar. Mas como disfarce, e para esconder a verdade, e cuja finalidade era ganhar tempo para o império não implodir de vez diante dos grandes empresários da época, os fazendeiros, detentores da extensa mão-de-obra escrava, então, “heróicamente” a “redentora” entrava em ação. E até hoje está aí, uma mulher fabulosa, de coração doce, aquela que viveu financeiramente às custas do suor da escravidão negra, e como saldo ainda entrara para a História, assinando leis e mais leis.

  2. Tivemos a honra de recebe-lo na Fazenda do Capao com dr. Mario Guerra onde nos falou de Monarquia (pena nao ter ainda lancado seu livro Psicose Ambientalista) celebrou-se uma Missa Tridentina com os Padres Carmelitas e durante o almoco mineiro que se seguiu pudemos perceber a simplicidade de Sua Alteza . Memoravel …

  3. Príncipe católico. Monarquia Católica. Por conseguinte teríamos um país Católico, bem diferente deste estado laico, ateu, totalmente contrário aos Preceitos Evangélicos. Não ao alinhamento com Socialismo Bolivariano!

  4. Sua Alteza Imperial e Real o Senhor Dom Bertrand de Orleães e Bragança tem a fama de ser um homem muito culto e extremamente educado. Um autêntico representante da nobreza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome