Rússia: passado sombrio, futuro rumo à extinção

A população da Rússia sofre alarmante declínio, decorrente do predomínio absoluto da “cultura da morte”, exercida através da prática abortiva – largamente difundida na era soviética – e do controle da natalidade. Documento da agência de qualificação financeira S&P prevê que “a população vai cair a 116 milhões em 2050, contra 140 milhões em 2010”. A queda mais sensível será da população ativa: dos 72,1% da população total de hoje, cairá para 60,4% em 2050. A Rússia perdeu 241.000 habitantes só no ano de 2010. O relatório prevê uma explosão do número de aposentados e de anciãos sem família que o Estado não poderá sustentar. É para horizontes desse gênero que conduz a “cultura da morte”, favorecedora do aborto e da destruição da família tradicional.

Fonte: Revista Catolicismo, abril de 2011.