Texas abriu na terça-feira (hoje) uma ação eleitoral na Suprema Corte dos EUA contra a Pensilvânia, Geórgia, Michigan e Wisconsin.

Já expusemos nossa posição sobre as eleições americanas: a integridade eleitoral. O americano precisa ter tranquilidade quanto ao processo eleitoral tanto para essa eleição quanto para as futuras disputas.

O procurador-geral William Barr argumenta que todo o povo americano, independentemente de seu candidato ou partido preferido, possa ter plena confiança nos resultados de nossas eleições”. “O povo americano e os líderes que ele elege livremente não merecem nada menos.”

Acrescentamos: É parte essencial da alma nacional americana que se sente violentada com a falta de transparência nas apurações.

***

“O estado do Texas abriu na terça-feira (hoje) uma ação eleitoral na Suprema Corte dos EUA contra a Pensilvânia, Geórgia, Michigan e Wisconsin, alegando que os estados mudaram inconstitucionalmente as leis eleitorais, trataram os eleitores de maneira desigual e desencadearam irregularidades significativas na votação ao relaxar as medidas de integridade eleitoral.”

A Integridade Eleitoral, único recurso para se obter a paz

“O Estado demandante respeitosamente sustenta que os tipos de irregularidades eleitorais anteriores excedem a saga do enforcamento das eleições de 2000 em seu grau de afastamento das leis estaduais e federais”, afirma a moção da Suprema Corte (pdf). “Além disso, essas falhas impedem cumulativamente saber quem ganhou legitimamente as eleições de 2020 e ameaçam obscurecer todas as eleições futuras.”

A ação busca a determinação do tribunal de que os quatro estados do campo de batalha conduziram as eleições de 2020 em violação à Constituição. O Texas está pedindo à Suprema Corte que proíba a contagem dos votos do Colégio Eleitoral lançados pelos quatro estados. Para os estados que já indicaram eleitores, a ação pede ao tribunal que oriente as legislaturas estaduais a nomearem novos eleitores de acordo com a Constituição.

Contestação dentro do prazo legal: confiança na integridade do processo eleitoral

“O procurador-geral do Texas, Ken Paxton, apresentou a contestação no dia do prazo do chamado porto seguro. Os votos eleitorais cumulativos nos quatro estados são suficientes para determinar o resultado da eleição de 2020.”

“A confiança na integridade dos nossos processos eleitorais é sacrossanta e une os nossos cidadãos e os Estados desta União. Geórgia, Michigan, Pensilvânia e Wisconsin destruíram essa confiança e comprometeram a segurança e a integridade da eleição de 2020 ”, disse Paxton em um comunicado.

“Os estados violaram estatutos promulgados por suas legislaturas devidamente eleitas, violando assim a Constituição. Ao ignorar as leis estaduais e federais, esses estados não só mancharam a integridade do voto de seus próprios cidadãos, mas do Texas e de todos os outros estados que realizaram eleições legais ”, acrescentou. Seu fracasso em cumprir o império da lei lança uma sombra de dúvida sobre o resultado de toda a eleição. Agora pedimos que a Suprema Corte entre em ação para corrigir este erro flagrante. ”

***

A alma nacional americana está em xeque: ela clama pela integridade eleitoral. Que Nossa Senhora de Guadalupe, cuja festa se aproxima, (12) proteja as Americas, essa parte do Novo Mundo que deve se unir em defesa dos Valores Morais.

Fonte: https://www.theepochtimes.com/texas-files-supreme-court-election-lawsuit-against-four-battleground-states_3609460.html?utm_source=newsnoe&utm_medium=email&utm_campaign=breaking-2020-12-08-1

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta