Convido o leitor a um passeio pela Place du Tertre, em Paris, através das ilustrações desta página. Juntos, poderemos tirar conclusões surpreendentes.

Começo por traduzir “tertre”, que em francês significa colina, outeiro. O belo Outeiro da Glória, no Rio, seria um “tertre”. Nosso passeio é, pois, pela parisiense Praça do Outeiro.

De onde lhe vem esse nome? A Place du Tertre, junto à famosa Basílica do Sagrado Coração, situa-se a 130 metros de altitude em Montmartre, o bairro mais elevado de Paris, e dos mais antigos.

Na Place du Tertre reúnem-se habitualmente pintores e caricaturistas com suas barracas, oferecendo seus préstimos artísticos e vendendo suas obras aos turistas, que em grande número para lá afluem. Ela já foi definida como “um grande ateliê a céu aberto”. É uma feira de arte ao vivo.

Como em Paris tudo é belo – exceção feita, é claro, das obras implantadas especialmente a partir do governo socialista de Mitterrand – a Place du Tertre também é bela.

A primeira das ilustrações reproduz um ângulo feliz da praça (foto acima), em que aparece ao fundo a cúpula da Basílica do Sagrado Coração. Vêem-se as barracas dos artistas e seus clientes, os edifícios que reservam seu andar térreo para prósperos cafés e restaurantes, um grande número de pessoas movendo-se com a vivacidade calma que caracteriza o europeu.

A segunda foto é tirada ao anoitecer. O número de pessoas naturalmente é menor, mas a praça ganha em solenidade e valores imponderáveis. Uma certa feeria de luzes e cores se faz presente, na qual predominam o vermelho das barracas e, no céu, o azul anil tendendo ao escuro. À medida que a noite avança, a basílica se torna mais misteriosa, adquirindo algo de celeste e transcendente. Tem-se a impressão de que as obras dos artistas da praça, embora perdendo em nitidez, ganham em inspiração.

A terceira ilustração é um quadro impressionista. O autor não se preocupou tanto em pintar os detalhes, mas em transmitir o ambiente. Mais se adivinham do que se vêem as pessoas nas calçadas, em torno de mesas, para tomar um lanche ou uma refeição. A cena põe em realce a atividade artística, característica da praça, que aqui se afirma intensa. A cúpula da basílica a tudo preside, mas discreta e de longe.

Agora, um tombo: a quarta ilustração! Trata-se, aqui também, da Place du Tertre? Sim, pelo menos esse é o nome que o autor deu ao seu quadro. Mas se ele o chamasse Versalhes pela tarde, ou As cavalariças do rei Artur, ou lhe desse qualquer outra denominação, dava na mesma, pois é impossível adivinhar o que ele tentou representar. Assim é a arte moderna! Comparada à realidade mostrada nas fotos, ou à que foi elaborada pela arte verdadeira, ela é um aleijão irreconhecível.

Pois bem, esse quadro consta de um alentado catálogo francês de propaganda: La Gazette Drouot (26-2-2010), revista periódica de vendas em leilão. Trata-se de um quadro a óleo, de 73 x 92 cm, tendo como autor Gen-Paul (1895-1975); o valor estimado para ofertas é entre 60 mil e 70 mil euros…

Valor exorbitante para um quadro tão caótico, para não dizer grotesco…

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 
COMPARTILHAR
Artigo anteriorRetrato do Mundo Moderno
Próximo artigoPadre Comblin da Teologia da Libertação
Gregorio Vivanco Lopes

Advogado, formado na Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Autor dos livros “Pastoral da Terra e MST incendeiam o Brasil” e, em colaboração, “A Pretexto do Combate Á Globalização Renasce a Luta de Classes”.

2 COMENTÁRIOS

  1. A quarta ilustração: Árvores calcinadas, rodeadas favelas, nenhum sinal de verde — será a praça do Tertre ou um assentamento do INCRA?

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome