Martín-Lutero-Karl-Bauer-RCR-300x296No mês de agosto, a Casa Santa Marta, no Vaticano, esvazia-se de seus hóspedes, mas o Papa Francisco, como nos três anos precedentes, passará todo o mês no Vaticano. Ele anunciou que renunciará até mesmo a um tradicional compromisso pontifício — o Congresso Eucarístico Nacional, que se realiza este ano em Gênova de 15 a 18 de agosto —, mas que no dia 19 viajará a Assis para celebrar o trigésimo aniversário do encontro entre as religiões, organizado pela Comunidade Santo Egídio.

A comunicação não partiu da Sala de Imprensa do Vaticano, mas do imã de Perúgia, Abdel Qader Moh’d, em entrevista à TV 2000. O Papa Francisco se encontrará depois, de 30 setembro a 2 de outubro, com ortodoxos e muçulmanos na Geórgia e no Azerbaijão, e no dia 31 de outubro em Lund, na Suécia, com luteranos para comemorar o quinto centenário da Reforma protestante. Iniciativas ecumênicas constituem a bússola do seu pontificado, que parece propor-se o objetivo de construir uma plataforma comum entre as religiões, com o risco, advertido por muitos, de esvaziar o catolicismo e incentivar a criação de uma “superreligião” sincretista.

O almoço de 11 de agosto com 21 refugiados sírios chegados à Itália após a visita p2apal à ilha de Lesbos, dos quais apenas dois eram cristãos, se insere, nessa perspectiva, de “opção preferencial’ pelos não católicos. Esta estratégia exige a negação da existência de guerras de religião. No entanto, a Igreja sofre perseguições em todo o mundo. Dom Dominique Lebrun, Arcebispo de Rouen, manifestou a intenção de iniciar um processo de beatificação que leve ao reconhecimento do martírio do Padre Jacques Hamel, morto “por ódio à fé”, como muitos cristãos do nosso tempo.

Virá de Roma uma palavra de aprovação? Virá um aceno de apoio aos três bispos espanhóis processados criminalmente por criticarem a lei que promove a transexualidade, aprovada há pouco em Madrid? O Observatório espanhol contra a LGBTfobia denunciou ao Ministério Público o Bispo de Getafe, Dom Joaquín María López de Andújar, seu auxiliar, Dom José Rico Pavés, e o titular da Diocese de Alcalà, Dom Antonio Reig Plá, por “incitamento ao ódio e discriminação contra a comunidade homossexual”.

Oklahoma-City-300x201Mas o mal não tem limite. Autorizado pelas autoridades locais, um grupo satanista americano organizou uma missa negra pública, no Centro Cívico de Oklahoma City, em 15 de agosto [foto]. O arcebispo da cidade, Dom Paul Coakley, exortou os fiéis a pedir a intercessão de São Miguel Arcanjo, da Virgem Maria e de todos os anjos e santos, “para que o Senhor cuide de nossa comunidade e nos proteja do mal e de suas muitas manifestações destrutivas e violentas”.

Hoje, no entanto, não é apenas uma diocese americana que sofre os ataques do mal, mas toda a Igreja. Os fiéis se voltam desorientados para o Vigário de Cristo, rogando-Lhe demonstrar sua paternidade não apenas em relação aos distantes, mas também aos próximos, necessitados mais do que nunca de clareza e encorajamento neste momento histórico tempestuoso.

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 
COMPARTILHAR
Artigo anteriorDois milênios após a morte de São Paulo, restauradores descobriram sua mais antiga imagem
Próximo artigoInesperada polêmica a respeito de pensamentos de uma jovem do século XIX
Roberto De Mattei

Escritor italiano, autor de numerosos livros, traduzidos em diversas línguas. Em 2008, foi agraciado pelo Papa com a comenda da Ordem de São Gregório Magno, em reconhecimento pelos relevantes serviços prestados à Igreja. Professor de História Moderna e História do Cristianismo na Universidade Europeia de Roma, conferencista, escritor e jornalista, Roberto de Mattei é presidente da Fondazione Lepanto. Entre 2004-2011 foi vice-presidente do Conselho Nacional de Pesquisa da Itália. Autor da primeira biografia de Plinio Corrêa de Oliveira, intitulada “O Cruzado do Século XX”. É também autor do best-seller “Concílio Vaticano II, uma história nunca escrita”.

1 COMENTÁRIO

  1. No estado atual da situação não vejo hipótese do Papa intervir.
    Tinha total obrigação de o fazer, mas a sua estratégia impede-o.
    às vezes, tenho a sensação de que não temos Papa. O que está no Vaticano é alguém que parece procurar a destruição da Igreja, mas a Igreja permanecerá e o Papa desaparecerá,

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome