A taxa de infecção da Coreia do Sul cai, sem confinamentos, sem bloqueios. A recuperação sobe.

Nossa Midia gosta de elogiar a “eficácia” da China no combate ao Coronavírus e se “esquece” do confinamento de 60 milhões de chineses e falta de transparência nos dados.

Vejamos, pelo contrário, o que se passa na Coreia do Sul:

“À medida que países que vão dos Estados Unidos à Itália e ao Irã lutam para gerenciar o vírus, a manipulação de Seul do surto – envolvendo uma resposta governamental altamente coordenada que enfatizou a transparência e dependia fortemente da cooperação pública — ao contrário das medidas ditatoriais da China, é cada vez mais vista por especialistas em saúde pública como um modelo para emular para autoridades desesperadas para manter o vírus controle”.

Considerando que a China, onde o vírus se originou, e mais recentemente a Itália colocaram milhões de seus cidadãos em confinamento, a Coreia do Sul não restringiu os movimentos das pessoas – nem mesmo em Daegu, a cidade do sudeste, no centro do surto do país.

  • * * *

“Depois de anunciar 600 novos casos para 3 de março, as autoridades informaram 131 novas infecções uma semana depois. Na sexta-feira, as autoridades informaram apenas 110, o menor pedágio diário desde 21 de fevereiro. No mesmo dia, o número de pacientes recuperados, 177, superou novas infecções pela primeira vez”.

O presidente Moon Jae-in, avisando contra o otimismo prematuro, expressou esperança de que a Coreia do Sul possa entrar em breve em uma “fase de estabilidade” se a tendência se mantiver firme.

Com cerca de 8.000 casos confirmados e mais de 65 mortes, foi até recentemente o país com mais casos confirmados fora da China – mas a Coreia do Sul emergiu desde então como fonte de inspiração e esperança para as autoridades em todo o mundo enquanto lutam para combater o Pandemia.

A estrategia da Coréia do Sul: técnica, cooperação popular e bom senso

As autoridades concentraram a quarentena obrigatória em pacientes infectados e aqueles com quem entraram em contato próximo, ao mesmo tempo em que aconselham o público a ficar em casa, evitar eventos públicos, usar máscaras e praticar uma boa higiene.

Seul introduziu “procedimentos especiais de imigração” para países fortemente afetados, como a China, exigindo que os viajantes sejam submetidos a verificações de temperatura, forneçam informações de contato verificadas e preencham questionários de saúde.

O eixo da resposta da Coreia do Sul tem sido um programa de testes que tem examinado mais pessoas per capita para o vírus do que qualquer outro país de longe. Ao realizar até 15.000 testes por dia, as autoridades de saúde conseguiram fazer uma triagem de cerca de 250.000 pessoas – cerca de uma em cada 200 sul-coreanas – desde janeiro.

O enorme volume de dados coletados permitiu às autoridades identificar grupos de infecção para melhor direcionar seus esforços de quarentena e desinfecção.

“A capacidade da Coreia do Sul de testar a detecção precoce de vírus desenvolveu-se muito à medida que passou pelo novo surto de gripe de 2009 e o surto de Mers [síndrome respiratória do Oriente Médio] de 2015”, disse Kim Woo-joo, professor de medicina da Korea University’s Faculdade de Medicina. “Está entre os melhores países do mundo neste campo.”

A coleta dessa quantidade de dados também permitiu que as autoridades sul-coreanas pudessem obter uma indicação mais clara da potencial letalidade do vírus, a taxa de letalidade que divergiu significativamente de cerca de 5% na Itália para cerca de 0,8% na Coreia do Sul. Embora fatores como a qualidade da assistência à saúde, a idade do paciente e a conscientização pública possam afetar a taxa de letalidade de um vírus, a escala de testes está entre as mais influentes.

Cingapura, Taiwan, Hong Kong também tiveram sucesso

William Schaffner, professor de medicina preventiva e doenças infecciosas da Vanderbilt University School of Medicine, nos EUA, disse que a Coreia do Sul conseguiu um feito “espetacular” que estava permitindo que as autoridades de saúde rastreassem o vírus e avaliassem sua intensidade.

A Coreia do Sul não é única em reivindicar algum sucesso em sua luta contra o vírus. Cingapura, Taiwan e Hong Kong, informadas por surtos passados, como síndrome respiratória aguda grave (Sars) e Mers, conseguiram manter os casos confirmados baixos, evitando o tipo de medidas draconianas implementadas na China continental.

Abertura e Transparência

Mas onde a Coreia do Sul se destacou, aparentemente está virando a maré contra um grande surto, mantendo a abertura e a transparência.

Yanzhong Huang, Conselho de Relações Exteriores: “A experiência da Coreia do Sul sugere que um país pode conter a disseminação do vírus em um período relativamente curto de tempo sem depender de medidas draconianas de contenção a todo custo”, disse Yanzhong Huang, membro sênior de saúde global do Conselho sobre Relações Exteriores em Nova Iorque.

Fonte: https://www.scmp.com/week-asia/health-environment/article/3075164/south-koreas-coronavirus-response-opposite-china-and

No mesmo sentido: https://exame.abril.com.br/mundo/coronavirus-coreia-do-sul-vira-exemplo-com-queda-de-casos-e-poucas-mortes/

* * *

Uma lição dos fatos: nem sensacionalismos, nem pânicos, nem otimismos infundados

Nosso Site tem abordado o surto do coronavírus, hoje uma pandemia, com objetividade e calma, afugentando todos os sensacionalismos midiáticos. Não nos olvidando de mostrar os reais perigos e desafios que o novo surto impõe.  https://ipco.org.br/coronavirus-sensacionalismo-da-midia-um-vicio-publicitario-velho-de-um-seculo/

O dever do jornalismo católico é ater-se à verdade. Fazemos eco à essas medidas do governo da Coreia do Sul que — sem recorrer aos recursos ditatoriais do PC Chinês e seus habituais encobrimentos da realidade e não transparência (manipulando dados estatísticos) — servindo-se de um competente serviço de Saúde e uma cooperação popular vai conseguindo diminuir o ritmo das infecções e aumentar o número de recuperações.

Temos, nós brasileiros, algo a mais a oferecer: somos católicos em maioria, temos o conforto da Fé e a convicção de que este mundo é realmente um “vale de lágrimas” onde as doenças são combatidas com afinco sabendo embora que nunca serão eliminadas.

Fica registrado o estimulante exemplo da Coreia do Sul às Nações Livres.

 

5 COMENTÁRIOS

  1. Coreia do Sul e Japão, 2 exemplos de gente q sofreu
    com guerras e calamidades. Nós, brasileiros teríamos como obrigação, ler sobre o q eles fazem
    e te-los como exemplo, quando acontece p.ex., o q
    estamos passando agora, com essa pandemia. Não
    se trata em absoluto, do tamanho do país, e a densi-
    de habitacional ? Só aumenta o gráu de risco.
    São exemplos de se admirar e seguir.

    • Acho que é o contrário, viu? Tirando SP e RJ, nós temos menos habitantes por m2 enquanto que na Coreia do Sul as pessoas são mais concentradas em um espaço o que até aumentaria a contaminação.

  2. País organizado e governo responsável eh outra coisa. Parabens povo e governo sul-coreanos. Vocês sao exemplo para o mundo.

Deixe uma resposta