Acidente-maritimo

Após o explicável pânico que se seguiu ao atentado de Paris, a União Europeia pediu à Turquia que ajudasse a deter o fluxo de imigrantes para a Europa. Em troca, recomeçaram as negociações do processo de adesão da Turquia à União Europeia (Euronews, 15/12). 

Ora, se a Turquia entrar na UE, esta terá nada menos que 20% de população muçulmana… O que obrigará às massas turcas maometanas a permanecerem em seu país, uma vez que este esteja ligado à UE? O que as impedirá de imigrar para a Europa de modo totalmente legal? De acordo com a agência Reuters (29/11/15), “a UE também planeja suspender a necessidade de vistos para turcos que planejam viajar para os países do bloco a partir de outubro de 2016”.

Sobretudo se consideramos que a religião muçulmana prega uma guerra de conquista da Cristandade, seja pelas armas ou pela alta natalidade, o quadro torna-se realmente preocupante.

Novamente, vemos a Europa entre a espada e a parede: ou a imigração muçulmana ilegal (por exemplo, os sírios em busca de refúgio), ou a imigração muçulmana legal (muçulmanos turcos com entrada franca na União Europeia).

A aceitação da Turquia na UE não passa a meu ver de um suicídio político e sobretudo religioso-cultural da Europa. O que justifica essa atitude, e a quem ela interessa? Até que ponto essa autodemolição pode ser vista como parte do processo de destruição da Cristandade europeia?

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome