Nosso site vem informando os leitores sobre a perseguição religiosa movida por Pequim contra os católicos, padres ou bispos que se recusam a filiar-se à Associação Patriótica (a igreja paralela criada pelos comunistas).https://ipco.org.br/bispo-guo-xijin-e-preferivel-ser-perseguido-a-aderir-a-associacao-patriotica/#.XSPfKuhKguU

         Assinado o Acordo Provisório Vaticano-China, em setembro de 2018, (cujas cláusulas são secretas) as autoridades comunistas continuam perseguindo a Religião Católica, destruindo cruzes e igrejas. Inclusive encarcerando sacerdotes. AsiaNews, 25 de junho, nos fornece mais uns dados.

          Menores de 18 anos estão proibidos de frequentar as igrejas

        Fujian foi escolhida como plano-piloto. Foi publicada a “Carta de compromisso para os responsáveis ​​pelos locais de culto e pelas pessoas consagradas”. Sua assinatura é obrigatória para exercer o ministério de um pároco, sob pena de ser jogado de volta à clandestinidade. E o mesmo vale para as pessoas consagradas, religiosas.

        Entre as obrigações impostas por este documento estão as de “proibir que menores entrem na igreja” e “não organizar cursos de treinamento para menores”, ou seja, nem mesmo o catecismo das crianças na escolas paroquiais.

       Há também a obrigação de cortar todas as relações com os irmãos da fé católica no exterior e recusar convites para congressos ou entrevistas. E ainda nem mesmo na própria casa, é permitido expor imagens sagradas, cantar hinos e tecer comentários religiosos.

          A Carta de Mons. Guo, uma profissão de Fé

      Diz a Carta de Mons. Guo: “O governo decidiu perseguir os padres que se recusam a assinar a adesão à Associação Patriótica. Se eles não estão em posição de protegê-los, não vale a pena para mim ser reconhecido como bispo auxiliar. Estou disposto a enfrentar perseguição com os outros padres “.

        A retaliação é imediata. Autoridades governamentais impedem Mons. Guo de presidir em 28 de junho a profissão religiosa de algumas irmãs do Sagrado Coração. (…) Ele explica seu gesto em uma breve carta aos sacerdotes da diocese, publicada na íntegra por “Asia News”, na qual ele escreve: “Eu decidi não aparecer na cerimônia nem mesmo vir me levar com o palanquim. Eu sou um homem e não um macaco que acompanha todos os desejos dos outros. Eu tinha planejado não contar nada, mas alguns irmãos me disseram que todos têm o direito de saber a verdade “. E

      Fracassa, portanto (a coexistência), em Mindong a diocese que para os partidários do acordo entre Roma e Pequim deveria atuar como um “projeto piloto” para a nova Igreja chinesa …

                                                      * * *

         É impossível a liberdade verdadeira da Igreja Católica em um país comunista. Mostrou-o em seu livro o Prof Plinio Corrêa de Oliveira: https://www.pliniocorreadeoliveira.info/ALIEC_1974_bucko.htm

                 Baixe o livre gratuitamente.

1 COMENTÁRIO

  1. Eu quero muito que o comunismo seja expurgado. Ele nunca trouxe nada de bom para nada nem ninguém. Só escravidão, perseguição e morte. Que todas as pessoas sejam livres.

Deixe um comentário!