Há várias invocações de São José que poderíamos considerar. Eu creio que, dessas invocações, depois das que dizem diretamente respeito a Nosso Senhor Jesus Cristo, nenhuma é mais bonita do que “Protetor da Igreja Católica”.

Protetor de algo é, de algum modo, um símbolo daquilo que se protege. Os senhores considerem, por exemplo, alguém que é guarda da rainha [da Inglaterra, Elisabeth II]. Este, de algum modo, toma em si algo da realeza da rainha; é uma honra ser guarda da rainha! Escolhem-se para serem guardas da rainha os indivíduos mais capazes, os que tiveram maior coragem, os que nas guerras provaram maior dedicação à coroa inglesa. Estes são os convidados para serem os guardas da rainha.

Se é uma honra ser guarda da rainha, se é uma honra ser guarda do Papa, então que honra é ser guarda da Santa Igreja Católica!

Exceção feita de Nossa Senhora que é Mãe da Igreja, ninguém pode se comparar à Igreja Católica. Nem qualquer Anjo ou todos os santos considerados cada um separadamente tem a dignidade da Igreja Católica. Porque a Igreja envolve todos os santos e Ela é a fonte da santidade desses santos e, portanto, um santo nunca pode ter a dignidade igual à da Igreja Católica.

A envergadura moral de São José, Pai adotivo do Menino Jesus…

Os senhores imaginem, portanto, o que é o santo que é o Padroeiro da Igreja Católica! Ele tem que ser algo de tão alto, de tão excelso que, por assim dizer, tem que ser o reflexo da Igreja que ele guarda! Para estar proporcionado a Ela, tem que ter o reflexo da Igreja que guarda.

Podemos considerar que a envergadura espiritual de São José – enquanto co-idêntico com o espírito da Igreja Católica, enquanto sendo exemplar prototípico e magnífico da mentalidade, das doutrinas, do espírito da Igreja Católica – só se pode medir por esse outro critério: é o fato dele ser Esposo de Nossa Senhora e proporcionado, portanto, a Nossa Senhora; ser o Pai adotivo do Menino Jesus e, portanto, proporcionado ao Menino Jesus!

Se quisermos ter uma idéia da alma de São José, do espírito de São José, seria preciso imaginar tudo quanto a gente pensa da Igreja Católica, toda a grandeza da Igreja, toda a simplicidade da Igreja, toda a dignidade da Igreja, toda a afabilidade da Igreja, toda a sabedoria da Igreja, toda a imensidade da Igreja, tudo quanto se pudesse dizer da Igreja Católica e imaginar isto realizado num homem! E então teríamos a fisionomia moral de São José!

Devemos imaginar, pelo menos, o perfil moral desse Santo: a castidade de São José, sua pureza ilibadíssima. E devemos nos aproximar dele com respeito, com veneração e pedir-lhe que nos conceda aquilo que tanto desejamos receber.

O que pedir a São José em sua festa?

Cada um se pergunte a si próprio – num exame de consciência de um minuto – qual é a graça que quer pedir a São José por ocasião da festa de hoje. A primeira das graças a pedir seria a da devoção a Nossa Senhora; outra, a graça de refletir tão bem o espírito da Igreja Católica quanto esteja nos desígnios da Providência ao nos ter criado e ao nos ter conferido o santo Batismo; podemos pedir a pureza, a despretensão… podemos pedir tudo. Podemos escolher cada uma dessas coisas ou pedir todas essas coisas no seu conjunto.

Às vezes, é bom a gente pedir uma coisa só, se a graça nos leva a pedir uma coisa só. Às vezes, é bom pedirmos tudo, porque há momentos em que a graça nos leva a sermos audaciosos e a pedir muita coisa ao mesmo tempo.

E então hoje, na festa de São José, conforme o movimento da graça interior em cada um de nós, devemos pedir alguma coisa a ele. E se não soubermos bem o que pedir a São José, dizer a ele: “Meu bom São José, dai-me Vós aquilo de que preciso… uma vez que nem sequer sei o que me convém.” Eu acredito que, no mais alto dos Céus, ele sorrirá e dará, com bondade, alguma graça muito bem escolhida. E com isto fica nossa invocação a São José.

——
“Santo do Dia” de 19 de março de 1969
Transcrição de reunião, sem revisão do autor

Fonte: http://www.pliniocorreadeoliveira.info/DIS_SD_690319_SaoJose.htm

 
Artigo anteriorPesquisas mostram que bebês têm senso moral
Próximo artigoBuzinaço contra a blasfêmia!
Plinio Corrêa de Oliveira
Homem de fé, de pensamento, de luta e de ação, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) foi o fundador da TFP brasileira. Nele se inspiraram diversas organizações em dezenas de países, nos cinco continentes, principalmente as Associações em Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que formam hoje a mais vasta rede de associações de inspiração católica dedicadas a combater o processo revolucionário que investe contra a Civilização Cristã. Ao longo de quase todo o século XX, Plinio Corrêa de Oliveira defendeu o Papado, a Igreja e o Ocidente Cristão contra os totalitarismos nazista e comunista, contra a influência deletéria do "american way of life", contra o processo de "autodemolição" da Igreja e tantas outras tentativas de destruição da Civilização Cristã. Considerado um dos maiores pensadores católicos da atualidade, foi descrito pelo renomado professor italiano Roberto de Mattei como o "Cruzado do Século XX".

6 COMENTÁRIOS

  1. Tarcísio, parabéns pelo seu comentário.
    Muitos crentes e descrentes devem saber que São José é o padroeiro da Igreja Universal, o advogado dos lares cristãos e o modelo dos operários.
    Quando o menino Jesus foi ameaçado de morte pelo bandido do Herodes, São José foi obrigado a deixar a terra natal e fugir para o Egito protegendo a criança e Maria que lhes foram confiadas.
    “Trino Deus, que no alto reinais, com áurea coroa para sempre, vosso servo José premiais. É feliz por demais este homem que, na hora da extrema agonia, recebeu o supremo conforto pela voz de Jesus e Maria”.
    Também digo: “Tudo com Jesus, nada sem Maria”.

     
  2. Depois de ter participado do Tríduo a São José proposto pelos Arautos do Evangelho, e da Missa em santa memória a ele ontem celebrada, de ontem para hoje ocorreu-me uma reflexão especialmente valiosa sobre seu papel no processo de redenção do mundo.

    Creio que podemos afirmar, perfeita e santamente, que o Redentor Cristo Jesus teve dois co-redentores: Maria Santíssima, ao par do Filho Amado de Deus ressuscitada e entronizada Rainha da Paz, e também o Compadre de Deus, sob cujo castíssimo apadrinhamento e tutela, em diante dos homens secreta coligação com o Divino Pai Eterno, foi humanamente educado Jesus e assistida Maria Santíssima Esposa de de Deus. E assim São José tornou-se eternamente parceiro essencial do processo de redenção em tudo o que os desígnios divinos foi requerido e solícito…!

    “Valei-nos, São José…! São José, valei-nos!”

    “Glória a Deus nas Alturas, e paz na terra aos homens por Ele amados…”

    “Tudo com Jesus, nada sem Maria.” Sob os auspícios de São José…

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome